Seminário em São Paulo discute a literatura como um direito humano.

Pró Livro - 14/08/2018 |

Nos dias 14 e 15 de agosto, o Sesc Santana é palco de diálogos e encontros de leitores, escritores e bibliotecas com o XII Seminário Prazer em Ler: Bibliotecas comunitárias na promoção do direito humano à leitura, na Zona Norte da cidade. O evento tem mesas de debates com a presença dos escritores Djamila Ribeiro, Joel Ruffato, Jennifer Nascimento. Está programado ainda um cortejo literário com o grupo Escritureiros, slam de poesias com a Biblioteca Comunitária Solano Trindade, show com o grupo Clarianas e discotecagem com a DJ Bia Sankofa.

O evento tem debates sobre o direito humano à leitura, o poder humanizador da literatura, a produção literária de mulheres, além de relatos de experiências de bibliotecas públicas e comunitárias e de bibliotecas da Argentina e Colômbia.

No seminário serão apresentados dois produtos pioneiros sobre as bibliotecas comunitárias no Brasil: uma pesquisa sobre seu impacto na formação de leitores e um livro que revela as experiências mais significativas do trabalho que realizam em suas comunidades.

Este ano, o Programa Prazer em Ler (Instituto C&A) tem como parceiro na organização do evento, a Rede Nacional de Bibliotecas Comunitárias (RNBC) e o apoio da Fundação Itaú Social. Toda a programação do seminário é gratuita e aberta ao público. As inscrições estão abertas no link goo.gl/ZMb7g7

Ler Mais: Pró Livro
Ler Mais

Alunos da rede municipal transformam Jacareí em uma “Cidade Leitora”

G1 - 14/08/2018 |

Será que necessariamente a leitura do mundo é feita somente pelos livros? E a leitura da vida, da natureza, dos perfumes, que nos reporta a lugares inimagináveis? Para o município, tudo é leitura. E é com a leitura que os alunos da rede municipal de Educação estão transformando Jacareí em uma “Cidade Leitora”.

As nossas primeiras leituras começam quando a gente nasce. Por esse motivo a Secretaria Municipal de Educação está envolvendo todas as escolas municipais com este programa, lançado oficialmente no início do ano e que está mobilizando todos os alunos, professores e a comunidade.

O projeto desenvolverá durante todo o ano quatro eixos: “Ação e Transformação”; “110 anos, 110 livros: qualificação dos acervos do município”; “A leitura está em todo lugar: inauguração do Espaço Educador do Futuro e Festival Literário”; e “Olhares sobre Jacareí: o protagonismo das Histórias Cotidianas”.

Uma das ações é a implantação do “Carrossel Literário, Artístico e Histórico: um olhar para a cidade de Jacareí”, que está acontecendo com todas as crianças. Afinal, uma criança leitora será um adulto leitor. As melhores produções literárias e artísticas dos alunos serão reunidas e publicadas em livro de cerca de 300 páginas no final do ano, com o tema proposto “Meu Olhar para a Cidade”.

Ler Mais: G1
Ler Mais

Bienal do Livro de São Paulo: Fundação Dorina Nowill para Cegos

promove ações em prol da acessibilidade na literatura.

Com lançamento da edição revisada e ampliada do livro "Braille!? O que é isso?", a instituição ressalta
importância do braille no combate ao analfabetismo e na inclusão de pessoas com deficiência visual.
Vitrine de editoras, livrarias e distribuidoras brasileiras, além de representantes internacionais, a 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo também será o palco de ações em prol de uma literatura mais inclusiva com a participação da Fundação Dorina Nowill para Cegos. Durante o evento, a instituição ressalta a importância do braille, única ferramenta que garante a alfabetização de crianças com deficiência visual no Brasil e em todo o mundo. "As novas tecnologias vêm auxiliando – e muito – na inclusão de pessoas cegas ou com baixa visão. Porém, quem nasce com a deficiência visual só aprende a ler e a escrever, de fato, por meio do braille", explica Alexandre Munck, superintendente da Fundação, que integra a mesa "Em busca da acessibilidade: o status dos livros acessíveis", que acontece às 12h15min desta quinta-feira, 2 de agosto, no Holiday Inn, dentro da programação do InterLivro: Encontro Internacional de Profissionais do Livro.
O evento, que conta com a curadoria do PublishNews, também será o palco para o lançamento da 2ª edição – revisada e ampliada – de "Braille!? O que é isso?", livro que faz parte da coleção Série Dorina Nowill, que também estará disponível no formato digital acessível, EPUB 3, em CD, com conteúdos extra. "Reeditamos essa obra lançada originalmente em 2008 porque, apesar de centenário, o braille é um sistema vivo, que se renova e acompanha os avanços da sociedade contemporânea, como a inclusão das hashtags, por exemplo. Com essa nova edição, reforçamos a importância do Sistema Braille no processo de alfabetização, mostrando que ele se mantém como o principal processo de escrita e leitura para pessoas cegas e o mais adotado em todo o mundo", conta Itamar Junior, diretor da divisão de Soluções em Acessibilidade da Fundação Dorina Nowill para Cegos. "Braille? O que é isso?" será distribuído gratuitamente a todos os participantes do InterLivro e, após a Bienal, será enviado às editoras como forma de divulgação e conscientização sobre a importância do sistema para 6,5 milhões de brasileiros com deficiência visual.
Um Brasil mais inclusivo
Entre os dias 03 e 05 de agosto, das 10h às 19h, A Incrível Máquina de Livros, iniciativa da Infinito Cultural em parceria com a Câmara Brasileira do Livro (CBL), promove sua já famosa troca de livros. Entre as novidades desta ação, realizada dentro da 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo está a parceria com a Fundação Dorina Nowill para Cegos, que doa 100 publicações infantis acessíveis em braille e fonte ampliada, além da versão em audiolivro (CD). A iniciativa inclusiva promete surpreender o público. Ao inserir um livro em boas condições na Máquina para transformá-lo em outro novo, o usuário define se quer uma obra para adultos ou crianças e, entre os participantes que optarem por publicações infantis, 100 serão presenteados com versões acessíveis, que podem ser lidas por todos: videntes e também pessoas cegas ou com baixa visão.
Vale lembrar que A Incrível Máquina de Livros é um projeto de incentivo à leitura e formação de leitores, que vem atraindo a atenção do público pelo viés da fantasia e da imaginação. Antes de estacionar na Bienal, em cinco meses, a iniciativa rodou 15 mil quilômetros, passando por 17 cidades em 13 Estados brasileiros. Durante esse período, transformou 30 mil livros para os leitores de Blumenau, Brasília, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, Guarulhos, João Pessoa, Londrina, Natal, Niterói, Poços de Caldas, Porto Alegre, Recife, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro e Salvador. A Incrível Máquina de Livros conta com patrocínio do papel Pólen, um produto Suzano Papel e Celulose.

Sobre a Fundação Dorina Nowill para Cegos
Há mais de 70 anos, A Fundação Dorina Nowill para Cegos trabalha para que crianças, jovens e adultos cegos e com baixa visão sejam incluídos em diferentes cenários sociais. A instituição oferece serviços gratuitos e especializados de orientação e mobilidade, clínica de visão subnormal e programas de inclusão educacional e profissional. Responsável pela maior Imprensa Braille do Brasil e da América Latina, em capacidade de produção, a Fundação Dorina Nowill para Cegos é referência na produção e distribuição de materiais nos formatos acessíveis braille, áudio, impressão em fonte ampliada e digital acessível, incluindo o envio gratuito de livros para milhares de escolas, bibliotecas e organizações de todo o Brasil. A instituição também oferece uma gama de serviços em acessibilidade, como cursos, capacitações customizadas, sites acessíveis, audiodescrição e consultorias especializadas. Contando com o apoio fundamental de colaboradores, conselheiros, parceiros, patrocinadores e voluntários, em 2017, a Fundação Dorina Nowill para Cegos foi reconhecida pela revista Época e pelo Instituto Doar como uma das 100 Melhores ONGs para Doar no Brasil, confirmando a seriedade de um trabalho que atravessa décadas e busca conferir independência, autonomia e dignidade às pessoas com deficiência visual. Mais detalhes:

Sobre a Infinito Cultural
Liderada por Fauze Hsieh, a Infinito Cultural acredita no poder transformador da Leitura. Há 12 anos trabalham em conjunto com a Câmara Brasileira do Livro (CBL) no planejamento e organização da maior Feira de Livros da América Latina, a Bienal Internacional de Livros. São os responsáveis também pela idealização e realização do projeto itinerante Caminhos da Leitura, que já circulou por dezenas de cidades brasileiras levando acesso à leitura e programação cultural gratuita para mais de meio milhão de pessoas. Para saber mais, acesse
Sobre a CBL
Fundada em 20 de setembro de 1946, a Câmara Brasileira do Livro (CBL) congrega editores, livreiros, distribuidores e creditistas de todo o Brasil com o objetivo maior de valorizar o livro e, assim, desenvolver e ampliar o mercado. As ações para difundir e estimular o hábito da leitura e a democratização do acesso ao livro são as maiores bandeiras da entidade. A CBL organiza alguns dos mais importantes e tradicionais eventos do setor editorial brasileiro, como a Bienal Internacional do Livro de São Paulo, o Prêmio Jabuti, o Congresso Internacional CBL do Livro Digital e a Escola do Livro, além de participar de feiras nacionais e internacionais. Em 2016 a entidade completou 70 anos.
Mais informações sobre a Fundação Dorina Nowill para Cegos para a imprensa:
Advice Comunicação Corporativa
Alexandre Moreno (alexandre.moreno@advicecc.com)
Tel: (11) 5102 5251 | (11) 5102 5252 | (11) 98374 4664
Fernanda Dabori (fernanda.dabori@advicecc.com)
Tel: (11) 5102 5255 | (11) 5102 5252 | (11) 99211-5097
Anna Carvalho (anna.carvalho@advicecc.com)
Tel: (11) 5102 5258 | (11) 5102 5252
Mais informações sobre A Incrível Máquina de Livros:
Nossa Senhora da Pauta
Frederico Paula – MTb-SP: 28.319
(11) 2478-6309/ 99658-3575
frederico@nossasenhoradapauta.com.br
Ler Mais

Ludwig Allgoewer é novo presidente da Afeigraf

Alem do foco na proxima ExpoPrint, o executivo vai manter a parceria com as entidades do setor e iniciar um trabalho de apoio aos associados na discussão sobre a carga tributaria na importação e equipamentos.

No dia 1º.de agosto, Ludwig Allgoewer, presidente da Heidelberg do Brasil, asssume o comando da Afeigraf, Associação dos Agentes de Fornecedores de Equipamentos e Insumos para a Industria Gráfica. A eleição aconteceu no dia 11 de maio para um mandato de dois anos. Ele substitui Eduardo Sousa, gerente de marketing da Agfa Graphics, que ocupou o cargo por duas gestões.

Segundo Ludwig, a prioridade da entidade continua sendo a ExpoPrint, consolidada como a mais importante feira do setor na América Latina. Em paralelo, o executivo planeja continuar trabalhando ao lado das entidades do setor, patrocinando e apoiando suas iniciativas. O novo presidente objetiva tambem ajudar os fornecedores no debate sobre os entraves à importação de equipamentos e sistemas, principalmente com relação à alta carga tributaria. “Trata-se de um projeto de longo prazo, mas estamos dispostos a iniciar o debate sobre um sistema que esta em vigor há décadas e precisa ser repensado”, afirma Ludwig. “Também é nossa intenção seguir enfrentando os desafios do ramo gráfico, como o investimento em tecnologia para aumentar a produtividade e a lucratividade.”

MISSÃO CUMPRIDA

Eduardo Sousa permanece na diretoria, ao lado de Richard Moller, diretor da Hubergroup Brasil; Edmilson Antonio de Freitas, gerente de vendas da área de impressão da Canon do Brasil; e Michel Guttmann Serwaczak, diretor da Apolo Sistemas Graficos. O Conselho Fiscal é formado por Jorge Maldonado, da Vimagraphics; Raymond Trad, da Comprint; e Fabio Vido, da Koenig&Bauer. Para Eduardo Sousa, os dois utimos anos de sua gestão foram especialmente desafiadores por combinarem a organização da ExpoPrint 2018 e o compromisso de mantê-la no mesmo nivel da edição anterior e buscar caminhos para enfrentar a mais aguda crise economica vivida pelo País. “Não só conseguimos como superamos o objetivo com relação à participação dos expositores, do público e em negócios realizados”, comenta. “O segundo desafio foi mobilizar as pessoas num momento em que todos estão voltados para suas dificuldades diárias. Apesar de a feira ser o core businessda entidade temos outras pautas, e saio da presidencia satisfeito com os resultados e por ter contribuido para que a Afeigraf siga acompanhando as transformações da indústria de impressão.”

Texto: Tânia lluzzi
Ler Mais

Com leve queda de crescimento, em valor, o varejo do livro continua com números positivos.

ANL - 31/07/2018 |

O desempenho geral nas vendas do varejo do livro continua com o desempenho positivo +6,1%, comparativamente ao mesmo período em 2017.

As livrarias mantêm-se como o melhor canal de venda, onde ocorre a recuperação de +6,5% em faturamento no ano, mas os demais canais de venda continuam apresentando uma queda significativa, neste período de  -35,6%. Mantendo o mesmo patamar apresentando em maio de 2018

Ranking das categorias que mais cresceram:

- HQ recupera a liderança com 40,7% de crescimento

- Autoajuda com + 27%

- Turismo/Lazer/Culinária +38%

Ler Mais: ANL
Ler Mais

Ministério da Cultura cria Grupo de Trabalho para propor medidas de apoio ao mercado editorial

Ministério da Cultura - 27/07/2018 |

Foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (26/7), a criação, pelo Ministério da Cultura, de um Grupo de Trabalho com o objetivo de elaborar um diagnóstico do mercado editorial no Brasil e propor medidas legislativas e ações de financiamento para o setor. A criação do GT foi motivada pela atual crise deste mercado, que tem levado ao fechamento de livrarias e prejudicado algumas editoras.

Ler Mais: Ministério da Cultura
Ler Mais

Venda de livros no Brasil tem primeira queda do ano, mostra Painel Snel/Nielsen

SNEL - 27/07/2018 |

Refletindo o impacto da greve dos caminhoneiros, o sexto período* de 2018 marcou a primeira queda do mercado livreiro no comparativo com a mesma época em 2017.

O intervalo apresentou resultados negativos nas vendas de livros em volume (-4,11%) e em faturamento (-2,95%), mesmo englobando o Dia dos Namorados, data comemorativa importante para o segmento.

Já no acumulado** das 24 semanas analisadas, ainda que com percentual menor, o mercado manteve o ritmo de crescimento em relação ao ano passado, registrando um aumento de 7,5% em volume e de 11,69% em valor.

“A queda já era esperada devido à greve dos caminhoneiros e também em razão do início da Copa do Mundo. É importante estar atento ao próximo período, que refletirá de fato o foco dado ao evento esportivo”, comenta Ismael Borges, líder da Nielsen Bookscan Brasil.

Ler Mais: SNEL
Ler Mais

COISAS DE AMIGO de YARA FRANCO por JOÃO SCORTECCI

Em busca do anel da noiva que sumiu...

Este é o primeiro livro de contos que prefacio da escritora Yara Regina Franco. Os anteriores, que também tive a honra de prefaciar, eram livros de poesias, de versos livres e fantásticos. Confesso que, quando o assunto é poesia, sinto-me mais à vontade. Nunca escrevi um único conto – ou já? O desafio existe e Coisas de Amigos, de Yara Regina Franco, é a montanha a subir, o mar que se agiganta e pede braçadas, o ar que acaba e tira o fôlego do coração e nos coloca no caminho, sem saída, frente a frente, no fazer pela primeira vez.

Um tremendo desafio e de muita responsabilidade! Quando entramos na idade da razão ou da maturidade, brota no coração rebelde e juvenil uma vontade “estranha” pelo que ainda não fizemos nesta vida. Tantas são as coisas... Os motivos são diversos: falta de coragem, medo de ser ridículo, curiosidade pelo não convencional ou até mesmo falta de oportunidade. Algumas coisas tornam-se obsessão e incomodam o sono. Tenho uma lista razoável de pesadelos: pular de paraquedas; correr ao redor do Central Park, em Nova York; pedalar livre e solto pela Toscana, na Itália; fumar erva em Amsterdã, etc. Não me peçam explicações. Não existem. Escrever o prefácio de um livro de contos, e ainda de uma queridíssima amiga, está, com certeza, na cabeça dessa lista de vontades insólitas e inexplicáveis. Sendo assim, aceitei, de pronto e risco, o desafio de prefaciar Coisas de Amigos.

Os contos de Yara são um apanhado interessante de “causos” contados com o primor de um observador detalhista e pontual nas suas observações. Diria que na sua grande maioria são contos memorialistas, alguns engraçados, até cômicos, repletos de coincidências (existe coincidência no universo do destino?), surpreendentes, que registram o instantâneo, os movimentos da vida como ela é, compartilhada e impressa no branco do papel.

Escrever é uma arte para poucos. Yara o faz com simplicidade e harmonia literária. Suas histórias são lembranças (algumas contadas através do tempo, passadas de pai para filho) que estavam guardadas no coração de sua mente. “Amanacy” é uma dessas histórias que cavalgam na cabeça do tempo e não se apagam nunca: “No grande rio havia fartura de peixes, botos de vários tamanhos, inclusive os cor-de-rosa”. Isso encanta e abre na cabeça dos sonhos o segredo mágico do “Era uma vez...”

Os assuntos são variados. Organizados por ordem alfabética, sem data. Podem ter sido escritos na década passada, no ano retrasado ou até, quem sabe, no dia de ontem. Não importa. Eles habitam o seu lugar no livro.

“Coisas de amigos”, o conto, marcou-me muito a ponto de nomeá-lo como título desta obra. “Os dias se passavam e eles descobriram que havia muita coisa e gostos comuns” – é a mensagem de confiança entre dois amigos de trabalho. A autora valoriza – isso acontece em toda a sua obra – os princípios de amizade, respeito, solidariedade, compreensão, determinação e mais do que tudo: educação.

Escolhi os meus textos preferidos: “Coisas de amigos”, “Mistério”, “O garçom que acabou com a briga” e “Vício da paixão e amor”. Escolha pessoal, gosto de leitor voraz, coisa de amigo.

Você provavelmente irá discordar das minhas escolhas e do meu jeito de olhar e sentir os contos desta obra. Isso de alguma forma me tranquiliza e me coloca, na condição de navegante das letras, em busca do anel da noiva que sumiu...

João Scortecci

Serviço:

Coisas de Amigos
Yara Regina Franco
Scortecci Editora
Contos
ISBN 978-85-366-5630-4
Formato 14 x 21 cm  
116 páginas
1ª edição - 2018

Para comprar este livro verifique na Livraria e Loja Virtual Asabeça se a obra está disponível para comercialização.
Ler Mais

SNEL integra programação da 28ª Convenção Nacional de Livrarias, dia 01/08, em São Paulo

SNEL - 26/07/2018 |

O Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) estará presente na 28ª edição da Convenção Nacional de Livrarias, que acontece no dia 1º de agosto, no Hotel Unique, em São Paulo, com realização da Associação Nacional de Livrarias (ANL).

Marcos da Veiga Pereira, presidente do SNEL, integrará o painel nomeado com o tema do evento: “O Ecossistema do Livro – uma visão institucional”, marcado para as 15h. Ao lado de Pereira no debate, estarão Bernardo Gurbanov, presidente da ANL e anfitrião da convenção; e Luís Antonio Torelli, presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL).

A programação do evento tem início às 9h e segue ate às 18h30, com palestras e mesas compostas por especialistas e profissionais do setor do livro e da leitura que discutirão a importância da articulação de todos os atores da cadeia livreira, a partir de temas atuais que movem a indústria.

Ler Mais: SNEL 
Ler Mais

Scortecci Editora celebra seus 36 anos na Bienal Internacional do Livro de São Paulo 2018 com dois grandes eventos

Os lançamentos das antologias “O Silêncio das Palavras” e “Pluralis” são os grandes destaques do estande.

Em sua décima terceira participação na Bienal Internacional do Livro de São Paulo, a Scortecci Editora levará para a Bienal mais de cento e cinquenta autores lançando suas obras e autografando os livros para os presentes no evento.

Uma programação intensa está sendo preparada para atender leitores de todas as idades. Os primeiros eventos de cada dia contarão com a tenda Pingo de Letra, selo da Editora voltado para o público infantil, onde os autores farão apresentações e contações de histórias, além de interagirem com os pequenos.

Após esse momento, os lançamentos de vários gêneros literários para o público em geral irão disponibilizar diversas opções de leitura e entretenimento a escolha dos visitantes, além de terem a oportunidade de conhecer e conversar com os autores presentes.
Pela primeira vez, em treze anos de história com a Bienal do Livro de São Paulo, a Scortecci irá lançar duas antologias no evento. Dois momentos muito especiais e que serão marcantes na trajetória da editora.

No dia 5 de agosto, domingo, às 18h30, será o lançamento da Antologia de poesias, contos e crônicas “O Silêncio das Palavras”. Com apoio cultural da Canon do Brasil e Bignardi Papéis, a antologia conta com a participação de 100 autores e promete agitar o estande da Editora com muitos convidados.

Diversos autores estarão presentes e a disposição para autografar seus textos e compartilhar suas experiências literárias. Bottons identificarão os participantes, o que facilitará o encontro dos leitores com os escritores.

Dia 7 de agosto, terça-feira, às 19h, será o momento dos quadrinistas invadirem o estande da editora. O lançamento da primeira antologia de histórias em quadros da Scortecci, “Pluralis”, será repleto de escritores, ilustradores, além de cosplayers, que poderão entrar nesse dia no evento sem pagar pelo ingresso.

Esse será o grande momento do selo Scortecci Quadrinhos na Bienal do Livro 2018. O novo selo da editora está muito bem representado com uma obra de qualidade e a união de um material único para os fãs do gênero.

Para os amantes da leitura, visitar o estande da Scortecci Editora na Bienal Internacional do livro será parada obrigatória para adquirir ótimos títulos, encontrar dezenas de autores e incentivar a literatura nacional. 

Serviço:
25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo
Estande da Scortecci: Avenida 1 – Rua N
Av. Olavo Fontoura, 1.209 - Santana - São Paulo/SP
Ingressos à venda no site: www.bienaldolivrosp.com.br

Ler Mais

Flip chega à 16.ª edição abrindo espaço para editoras menores e casas colaborativas

Estadão - Guilherme Sobota - 25/07/2018 |

A 16.ª Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) começa nesta quarta-feira, 25, homenageando Hilda Hilst (1930-2004). Apesar de não ter na programação principal nenhuma estrela midiática, a Flip dá ares de que voltou a ser cool: editoras pequenas, cujas feiras independentes fazem sucesso Brasil afora, detêm mais espaços em Paraty e promovem, junto com outros institutos e entidades, uma extensa e diversa programação paralela.

Talvez o principal movimento diferente este ano seja a organização da Festa Literária Pirata das Editoras Independentes (Flipei), com debates, happy hours e saraus. Num autêntico estilo pirata, os organizadores alugaram um barco, que servirá de palco e ficará atracado entre a Praia do Pontal e o Centro Histórico, para evitar a especulação imobiliária que toma conta de Paraty na Flip há muitos anos (uma casa em boa localização pode custar R$30 mil por 5 dias).

São 14 editoras dividindo a programação do espaço, como Dublinense, Lote 42, Relicário, Veneta, Hedra e Expressão Popular. Entre os nomes, escritores com obras recentes, editores e jornalistas – mas também juízes e políticos em debates sobre o momento do Brasil atual (e dois presidenciáveis, Manuela D’Ávila e Guilherme Boulos).

“Percebemos que a Flip está em crise, assim como o modelo convencional de mercado editorial, com o calote das livrarias grandes. A Bienal do Livro é um marasmo. O que está bombando são as feiras de editoras independentes”, explica um dos idealizadores da Flipei, o editor Cauê Ameni. “É a galera que faz na pura raça, e dá certo porque é especializado, os editores pegam só o filé mignon de cada área, deixam o produto muito legal. Aí vive de venda direta, eventos.”

O curioso é que neste momento a Flip – referência desde sempre para a organização de eventos literários de todo o Brasil – começa a perceber e aceitar as influências positivas desse outro tipo de evento do mercado editorial.

Ler Mais: Estadão 
Ler Mais

Presidente do SNEL participará de debate sobre a Política Nacional de Leitura e Escrita na Flip 2018

SNEL - 25/07/2018 |

O presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros, Marcos da Veiga Pereira, é um dos convidados para integrar um debate sobre a Política Nacional de Leitura e Escrita (PNLE) durante a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) 2018.

A mesa “Marcos legais: como garantir o direito à literatura para todos os brasileiros” está programada para o dia 28/07, às 17h, na Casa Libre & Nuvem de Livros (Rua da Lapa, nº 8, Paraty) e discutirá os próximos passos da Lei n.º 13.696 de 12 de julho de 2018, que instituiu a PNLE e ficou conhecida como “Lei Castilho”.

Ler Mais: SNEL 
Ler Mais