Americanense conquista prêmio de literatura com livro infantil da Editora Scortecci

O Liberal - Danilo Reenlsober - 16/11/2017 |

A escritora americanense Cássia Viger foi a vencedora, na categoria de melhor livro infantil, do Troféu Literatura 2017, oferecido pela ZL Editora. A escritora venceu com o livro “Cutuca o Tucano”, lançado na Bienal do Livro do ano passado, em São Paulo, pela Scortecci Editora. “Fiquei surpresa ao receber esse prêmio, mas, ao mesmo tempo, muito feliz”, comemorou Cássia. O prêmio será entregue no dia 1º de dezembro, em um evento realizado no Copacabana Palace, no Rio de Janeiro.

O Troféu Literatura 2017 ofereceu diversos prêmios em 14 categorias literárias. O livro “Os Fios do Anagrama”, de autoria da procuradora de Justiça aposentada Beatriz Helena, por exemplo, foi premiado como o melhor livro de contos. “É um prêmio que dá oportunidade para vários artistas, nos mais variados segmentos”, apontou a escritora americanense.

Em “Cutuca o Tucano”, Cássia mostra a história do tucano Trololó e de um grupo de pesquisadores chamado Os Manchas. “No enredo, Os Manchas e Duca, uma menina cheia de criatividade, conhecem um tucano, o Trololó, na Floresta Amazônica, que sofre bullying dos demais pássaros por não saber cantar.

Ler Mais: O Liberal

Compre o livro na nossa livraria: Asabeça
Ler Mais

6º Encontro De Escritores E Leitores De Sergipe Começa Nesta Sexta-Feira

Faxaju - Fredson Navarro - 16/11/2017 |

Começa nesta sexta-feira (17) e segue até o sábado (18) a 6ª edição do Encontro Sergipano de Escritores e Leitores. O evento que será realizado na sede da Associação dos Engenheiros Agrônomos de Sergipe (Aease), localizado na Avenida Beira Mar, em Aracaju, tem objetivo de valorizar o escritor sergipano, incentivar a leitura e também promover a solidariedade. A renda de 400 livros será doada ao Externato São Francisco de Assis.

A programação começa a partir das 19h30 desta sexta-feira e segue das 8h às 17h do sábado (18) com o tema ‘Viajando na literatura da nossa gente’. O encontro vai contar com feira de livros, praça de escritores, praça de alimentação, lançamentos de livros, apresentações e homenagens.

Ler Mais: Faxaju
Ler Mais

Academia Acreana de Letras celebra 80 anos de atuação no estado

Agencia Acre - Márcia Moreira - 15/11/2017 |

Com o lema “Ao Homem Pelas Letras”, a Academia Acreana de Letras (AAL) comemorou na terça-feira, 14, 80 anos de existência. A solenidade, promovida no Centro Cultural do Tribunal de Justiça do Acre, contou com a presença de poetas, escritores e comunidade em geral.

A presidente do órgão, Luísa Karlberg, destacou que a academia é o coração do povo acreano, e que por meio dela, se faz a memória cultural do estado.

“A AAL é a instituição mais antiga e importante do Acre. Nesta casa, se concentra o maior número de poetas e escritores do estado. Temos também cientistas, e todos são responsáveis por produções que ficarão para a história. Digo hoje com convicção que foi um ato de coragem e ousadia fundar um órgão como esse naquela década”, diz.

Ler Mais: Agencia Acre
Ler Mais

Feiras de livros em Ijuí têm Cine Sesc e carreta do Sesi

Radio Progresso - Jonas Vieira - 15/11/2017 |

Vários eventos vão fazer parte da 25ª Feira do Livro de Ijuí e 28ª Feira do Livro Infantil do Sesc, de hoje até domingo na Praça da República. Nesta quarta-feira acontece apenas venda de livros, por parte dos 10 livreiros. São obras de diferentes gêneros, por exemplo, infantil, espírita, educacional e técnico.

Os preços também são variados, desde livros com valores bem acessíveis, ou seja, cerca de 3 reais, até acima de 100 reais. A abertura oficial acontecerá amanhã, às 9 horas, inclusive com manifestação da patronesse da feira, Lisiane Hermann Oster. As feiras de livros de Ijuí e do Sesc vão ter espetáculos teatrais, contação de histórias, lançamento de livros, dentre outras atrações.

O Cine Sesc irá exibir filmes no anfiteatro da praça central ijuiense. O secretário municipal de Cultura, Turismo e Desporto, Sérgio Correa, ressalta que não trabalha com projeção sobre perspectiva de número de visitantes, porém com eventos para atrair o público.

Ler Mais: Radio Progresso 
Ler Mais

Projeto Impressões Literárias é anunciado para a ExpoPrint Latin America

O Projeto Impressões Literárias - Antologia de Poesias, Contos e Crônicas, anunciou uma edição especial de lançamento na ExpoPrint Latin America 2018, maior evento de impressão das Américas, que ocorre de 20 a 24 de março no Expo Center Norte, em São Paulo.

Através de uma parceria entre APS Marketing de Eventos, Grupo Editorial Scortecci, Canon do Brasil e Bignardi Papéis, o objetivo será revelar novos talentos, promover a leitura brasileira e valorizar a mídia impressa através da tecnologia de impressão digital.

Escritores brasileiros poderão ter seus contos, crônicas ou suas poesias - de tema livre - publicados na coleção, que será lançada durante a ExpoPrint 2018. Como não se trata de concurso, todos os autores que respeitarem as regras de participação farão parte do Projeto Impressões Literárias. As inscrições vão até o dia 15 de janeiro de 2018 ou até o preenchimento das 150 vagas, o que ocorrer primeiro.

O regulamento completo e a inscrição estão no site da Scortecci: www.scortecci.com.br/formulario.php?id=577.

APS Marketing de Eventos

A APS Marketing de Eventos tem a filosofia de criar oportunidades reais de negócios para diferentes segmentos de mercado por meio de eventos corporativos e ações comerciais. A missão é superar as expectativas dos clientes, através de um trabalho que prima pela eficácia e competência. Com mais de 20 anos de experiência, a APS organiza diversos tipos de evento, como a ExpoPrint Latin America, maior evento de impressão das Américas, a FESPA Brasil e o Photoshop Conference, maior curso de Photoshop da América Latina.

Canon do Brasil

A Canon é líder em desenvolvimento de tecnologias de gerenciamento de documentos, imagem e fabricação de uma variedade de produtos, que vão desde câmeras, copiadoras e impressoras até equipamentos ópticos para a indústria de semicondutores e lentes profissionais para broadcasting. No Brasil desde 1974, conta com infraestrutura própria com cerca de 500 colaboradores e uma rede de revendas responsável pela distribuição de toda a linha de soluções corporativas. A empresa oferece ao mercado brasileiro um portfólio com mais de 70 produtos, entre câmeras, multifuncionais, copiadoras, fax e scanners.

Grupo Editorial Scortecci

A Scortecci nasceu em agosto de 1982, uma sexta-feira 13, na Galeria Pinheiros, loja 13, na Rua Teodoro Sampaio 1704, São Paulo, Capital. Já recebeu os prêmios: Jabuti (Câmara Brasileira do Livro), APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), FBN (Fundação Biblioteca Nacional), ABL (Academia Brasileira de Letras) e PEN Clube. Em sua história conserva os mesmos objetivos e propósitos desde a sua fundação: publicar livros, organizar e apoiar concursos e prêmios literários, realizar recitais e eventos culturais, editar e coordenar antologias de novos talentos, desenvolver o mercado literário através de cursos, palestras e oficinas, trabalhar pela formação de bibliotecas e fomentar o hábito da leitura.

Bignardi Papéis

A Bignardi Papéis, antiga Gordinho Braune, foi adquirida pela então Indústria Gráfica Jandaia em meados da década de 70. Localizada na região de Jundiaí (SP), a fábrica foi pioneira na conversão da celulose sob processo sulfito no Brasil. A empresa adota tecnologias de última geração na produção de papéis para impressão. Seu portifólio é composto pelas linhas de produtos não revestidos, revestidos e cut size ou papéis para escritório e conta com várias marcas, entre elas o Eco Millennium, Print Millennium, Bond Millennium, Super Bond Millennium, Cartolina Millennium, Post Millennium (Ficha Ouro), Book Millennium (slim e bold), Art Millennium. Com a adoção de práticas sustentáveis em seus negócios, a Bignardi Papéis conta com uma capacidade produtiva de 60 mil toneladas/ano, sendo a maior fabricante brasileira de papel reciclado para impressão e escrita.

ExpoPrint Latin America

A ExpoPrint Latin America é o maior evento de impressão das Américas. Realizada pela Afeigraf (Associação dos Agentes de Fornecedores de Equipamentos e Insumos para a Indústria Gráfica), sua próxima edição acontece entre os dias 20 e 24 de março de 2018 nos Pavilhões Azul e Branco do Expo Center Norte, em São Paulo.

A feira acontece paralelamente com a ConverExpo Latin America, Exposição e Congresso Internacional da Indústria de Conversão de Flexíveis, Corrugados e Rótulos, realizada pela Abflexo/FTA-Brasil (Associação Brasileira Técnica de Flexografia). Ambas as feiras têm promoção e organização da APS Marketing de Eventos. Informações nos sites: www.expoprint.com.br e www.converexpo.com.br.
Ler Mais

Fliaraxá reúne nomes de peso para sua sexta edição

Jornal do Brasil - 13/11/2017 |

A Imeph trará a esse importante festival mineiro alguns de seus mais significativos autores, justamente os que desenvolvem um trabalho de intercâmbio cultural com Portugal e países de Língua Portuguesa. O evento irá acontecer entre 15 e 19 de novembro de 2017, de quarta a domingo, nas dependências do Grande Hotel de Araxá e arredores.

O tema escolhido foi Língua, Leitura e Utopia, uma homenagem à Lusofonia e seus escritores. O Patrono será o Prêmio Nobel de Literatura, José Saramago e o Autor Homenageado o moçambicano Mia Couto. Esta edição vai consolidar a importância do Festival no cenário literário e cultural do Brasil.

Araxá, nesse período, se tornará a “Capital da Lusofonia” e o festival será uma oportunidade única de encontrar importantes autores da atualidade, como: Mia Couto,  José Eduardo Agualusa,  José Luiz Peixoto, Ondjaki, Alexandre de Souza.  Para consagrar o conceito de Lusofonia, importantes escritores brasileiros estarão presentes, como Zuenir Ventura, Cristóvão Tezza,  Luiz Ruffato, dentre outros.

Ler Mais: Jornal do Brasil
Ler Mais

5 formas de incentivar a leitura (e a gentileza) sem gastar dinheiro

Huffpost Brasil - 13/11/2017 |

A leitura é importantíssima para o desenvolvimento das crianças, mas com tantas ideias de brincadeiras, com tantos jogos online e com o apelo dos tablets, celulares e computadores, os livros podem ficar esquecidos em um canto escuro do quarto.

Ainda assim, há diversas estratégias para fazer com que a leitura seja vista como uma atividade tão atrativa quanto as outras opções a que as crianças têm tido cada vez mais acesso. A campanha Leia para uma criança, do programa Itaú Criança, já possibilitou a distribuição gratuita de mais de 45 milhões de livros por todo o Brasil desde 2010 e estendeu um convite a todos os pais para que sejam o elo entre as crianças e os livros.

O objetivo é criar situações favoráveis para que a criança veja a leitura como algo agradável, uma atividade que ela gosta de fazer, e associe esse hábito a situações gostosas e a momentos em que se sentiu feliz e bem acolhida. Apesar de parecer uma atividade 100% individual, durante a infância a leitura de adultos para crianças serve como um mecanismo para criação e fortalecimento de laços emocionais. Crianças que ouvem histórias desde cedo tendem a ser mais criativas, a ter melhor vocabulário e a desenvolver mais e melhor suas opiniões e ideias.

Ler Mais: Huffpost Brasil
Ler Mais

Flipoa vai reunir escritores e apresentações culturais nesta quarta

G1 - 14/11/2017 |

A Festa Literária Itinerante de Poá (Flipoa) será realizada nesta quarta-feira (15) com várias atividades culturais. Esta é a 4ª edição do evento, que será na sede do Serviço Social Batuíra, das 10h às 18h. O objetivo é estimular a criação literária, a leitura e formação do público leitor jovem, além de dar oportunidade para a discussão entre escritores do Alto Tietê.

Além de oficinas temáticas, os participantes poderão acompanhar um bate-papo com os escritores e visitar a feira de distribuição de livros.

Durante o evento estão programadas várias apresentações culturais com artistas locais e da região do Alto Tietê, como Mano Rodolfo, Arley Mc, Jhony Uriel, Maria Preta Mc, Slam Sujeira, Samuel Napolitano e a Orquestra Sons da Educação.

Ler Mais: G1
Ler Mais

Congresso reunirá escritores das periferias de São Paulo

Periferia em Movimento - 13/11/2017 |

Está chegando a terceira edição do Congresso Escritores da Periferia SP! O evento acontece nesse sábado, dia 18 de novembro, das 12h às 21h, no espaço cultural da Sociedade Santos Mártires, localizada no Jardim Ângela, zona sul de São Paulo.

A estimativa do Coletivo Desenrola e Não Me Enrola, organizador do Congresso, é que 500 pessoas participem do evento, que terá como tema principal a Literatura Negra. A entrada é gratuita, sem precisar de inscrição prévia.

Além das mesas de debate, também vai rolar uma grande feita de livros periféricos. Para quem deseja expor seu trabalho, este é o link de inscrição (até 13 de novembro).

Ler Mais: Periferia em Movimento
Ler Mais

LIVRARIAS SE REINVENTAM PARA ENFRENTAR CRISE E INTERNET

Revista Pegn - Agência O Globo - 13/11/2017 |

Vista de fora, a Livraria Camerino, na Zona Portuária, parece uma loja de fotocópias, miudezas e artigos de papelaria. Mas quem cruza uma das três portas do antigo imóvel, em frente ao Jardim Suspenso do Valongo, descobre lá dentro um mundo de estantes e prateleiras abarrotadas de publicações usadas, entre elas, livros didáticos, romances, guias, almanaques e revistas raras.

São 15 mil títulos à venda no sebo aberto desde 1971 e que pertence, há várias gerações, à família do livreiro Paulo Félix, de 55 anos. Já a livraria Lumen Chisti é especializada em edições novas, com conteúdos religiosos, mas quem procura a lojinha no pátio do Mosteiro de São Bento, também na área do Porto, encontra, ainda, chocolates e doces produzidos no Sul do país, imagens e medalhas.

Os dois endereços estão no “Guia de Livrarias da Cidade do Rio de Janeiro”, lançado pela Associação Estadual de Livrarias (AEL-RJ), no mês passado. Editado após dois anos de pesquisa, o material, no entanto, já chega às mãos dos leitores com necessidade de correção: dos 204 estabelecimentos listados, oito já fecharam as portas. Há três anos, eram 252.

Ler Mais: Revista Pegn
Ler Mais

Leitor eletrônico faz 10 anos, mas corre risco de sumir antes do livro de papel

Estadão - Bruno Capelas e Andre Klojda - 12/11/2017 |

Há mais ou menos uma década, uma profecia amedrontou o mercado editorial: o livro de papel, essa invenção de cinco séculos, estava com os dias contados. Seu algoz seria o leitor eletrônico, o tal e-reader, que faria as pessoas trocarem o folhear de páginas pelo toque em botões num aparelho esquisito: Kindle. Lançado há dez anos pela Amazon, ele não foi o primeiro da categoria, mas virou seu sinônimo. Apesar disso, a profecia apocalíptica daqueles dias parece longe de se cumprir.

A verdade é que o livro tradicional continua aí, firme e forte. Além disso, os e-readers não fazem parte do cotidiano de muita gente. Segundo a consultoria Euromonitor, 131 milhões de aparelhos foram vendidos no mundo desde 2007. Após um pico em 2011, as vendas só caíram (ver gráfico abaixo).

No Brasil, a base instalada desses aparelhos é quase insignificante: desde 2010, quando começaram as pesquisas no País, só 76,2 mil e-readers foram comercializados por aqui. O ano em que se comprou mais desses aparelhos por aqui foi em 2015, com 16,2 mil unidades – em cinco anos, porém, menos de 10 mil dispositivos serão comprados por brasileiros.

Além disso, segundo dados da Câmara Brasileira do Livro (CBL), os e-books – o conteúdo que motiva a compra desses aparelhos – representaram apenas 1,09% da receita das editoras no País em 2016. Ao todo, 2,75 milhões de e-books foram vendidos aqui em 2016, contra 39,4 milhões de livros de papel.

Tropeços. Há diversos motivos para a revolução prometida pelo Kindle – e seus rivais, como o Kobo, da Rakuten, e o Lev, da Saraiva – não ter acontecido. O primeiro deles é que há leitores que simplesmente não conseguem se acostumar. “O livro de papel tem uma dimensão artística e aspectos sensoriais, como tato e olfato; o e-reader, não”, diz Thiago Salla, professor de Editoração da Universidade de São Paulo.

Além disso, por ser um dispositivo dedicado à leitura, o leitor eletrônico tem um público-alvo reduzido. São poucas as pessoas que topam pagar caro por algo que não vão usar tanto. Nos EUA, a média de leitura é de 12 livros por ano. No Brasil, o cenário é pior: a média é de 4,96 livros lidos por ano. “A falta de leitores é um problema histórico do nosso mercado e não mudou com o livro digital”, diz Luís Antonio Torelli, presidente da CBL.

Outro fator que mudou a rota do e-reader foi o smartphone, que também ganhou impulso em 2007, com o iPhone. Se no início esses aparelhos tinham poucos recursos e telas pequenas, pouco convidativas à leitura, hoje eles se tornaram “canivetes suíços” contemporâneos com telas gigantes de até 6 polegadas.

Para Elton Morimitsu, analista da Euromonitor, os smartphones tornaram os e-readers menos atraentes. “O consumidor está disposto a investir em um aparelho que agrega diversas funções”, diz.

É por isso que hoje, em vez de falarem só nos dispositivos, as fabricantes de e-readers preferem o termo “ecossistema de leitura digital”, que compreende também apps para leitura em dispositivos móveis e nos PCs. Hoje, segundo Samuel Vissotto, diretor da Kobo na América Latina, 75% do tempo gasto pelos leitores da Kobo é no aplicativo, contra 25% nos e-readers.

É evidente que há diferenças de experiência entre o smartphone e o e-reader. “O celular não foi desenhado para a leitura e oferece distrações aos usuários, como redes sociais e jogos”, diz Arthur van Rest, diretor global de Kindle na Amazon. “É a diferença entre a leitura casual e a leitura dedicada.”. A existência do smartphone, porém, permite que os usuários flertem com a leitura digital, sem precisar firmar um relacionamento sério com um leitor eletrônico.

Resistência. Nesse cenário complexo, impressiona o lançamento de novos modelos de leitores eletrônicos todos os anos. A explicação está no fato de que o usuário do e-reader é um bibliófilo – capaz de ler (e comprar) muitos livros. Isso faz as empresas ganharem não com hardware, mas com conteúdo.

Ler Mais: Estadão
Ler Mais