Três editoras brasileiras entre as maiores do mundo

PublishNews - 20/06/2011 - Maria Fernanda Rodrigues - Pela primeira vez desde 2006, quando a consultoria Rüdiger Wischenbart Content and Consulting começou a analisar sistematicamente o mercado internacional de edição de livros, empresas brasileiras foram incluídas no Ranking Global do Mercado Editorial, divulgado agora e que será tema de uma mesa na Feira do Livro de Frankfurt, em outubro.

Um "Pingo de Letra" para escritores de livros infantis

A Scortecci, que em 2012 completa 30 anos, lança selo editorial infantil para atender à demanda crescente de livros coloridos, em pequenas tiragens. "Hora de criar um selo infantil e um catálogo. Estamos realizando um sonho antigo, atendendo à reivindicação de autores que me cobravam uma atenção especial ao segmento de livros infantis" é o pensamento do Diretor-Presidente do Grupo Editorial Scortecci, o empresário João Scortecci. À frente do projeto Pingo de Letra está Maria Esther Mendes Perfetti, com experiência de mais de 30 anos no mercado editorial brasileiro.

Thomson Reuters compra Editora Revista dos Tribunais

Terra - 17.05.2010 - A Thomson Reuters anunciou nesta segunda-feira a compra da Editora Revista dos Tribunais, especializada em publicações jurídicas no Brasil. Os termos financeiros da operação não foram revelados. "A compra da Revista dos Tribunais representa uma oportunidade estratégica para a Thomson Reuters liderar a indústria legal no Brasil rumo a informações, software e serviços online", segundo comunicado. De acordo com a Thomson Reuters, o Brasil está entre os países com maior número de advogados per capta depois dos Estados Unidos, com crescimento de escritórios de advocacia de médio e grande portes.

Nova editora no mercado de ficção e não ficção

Estadão - 08.03.2010 - Raquel Cozer - Poucos meses após a ruidosa chegada da portuguesa Leya ao mercado editorial brasileiro, outro grupo sinaliza a entrada na competição por obras de ficção e não ficção publicadas no País. Líder na oferta de títulos jurídicos e uma das maiores em didáticos, com 22 milhões de exemplares vendidos em 2009, a Saraiva quer conquistar a partir deste mês espaço no varejo? um mercado em expansão, na avaliação da editora. "Hoje há livros que vendem um milhão de cópias, é um negócio que passou a atrair uma empresa de grande porte como a nossa. Não entramos antes porque era um mercado pequeno se comparado com o jurídico e o didático", diz Thales Guaracy, diretor editorial contratado no fim do ano passado para coordenar esse trabalho.

O Semeador de Livros

A saga do Editor e Livreiro José Xavier Cortez, uma epopéia sobre a vida de um nordestino que fez dos livros a sua própria história. A conquista de um sonho pode representar para alguns como sendo um desafio, às vezes, inalcançável. Para outros, pode ser fácil até demais. No entanto, há, também, o perfil de quem faz do impossível o motivo para realizar os seus projetos, tornando-os sua razão de viver. Este é o caso do personagem ilustre de “O Semeador de Livros”, José Xavier Cortez (Cortez Editora/SP).

Nova Fronteira passa por mudanças

Folha de S.Paulo - 25.07.2009 - MARCOS STRECKER - Uma das mais tradicionais editoras brasileiras passa por grandes mudanças e está agitando o mercado editorial. Menos de um mês após naufragar a operação da venda de seu controle para o grupo português Leya, a Nova Fronteira acaba de perder sua diretora editorial, Izabel Aleixo. A sede da Nova Fronteira também está sendo transferida da tradicional casa de Botafogo (ponto conhecido de escritores e intelectuais) para Bonsucesso, onde se integrará ao grupo Ediouro -que em 2006 havia adquirido o seu controle. O momento não é dos melhores para essa reviravolta. A crise econômica fez as vendas "de catálogo" (fora os best-sellers) na Nova Fronteira caírem entre 20% e 30% em 2009, segundo Mauro Palermo, diretor-executivo da editora.

Projeto de editora global lusófona está em xeque

Folha de S.Paulo - 20.06.2009 - MARCOS STRECKER- Desde o ano passado o mercado editorial brasileiro está agitado com o desembarque de um ambicioso grupo editorial lusitano. Ninguém comenta oficialmente, mas editoras-chave como Record, Companhia das Letras e Sextante já entraram na mira do grupo português Leya. Todas as tentativas de aquisição, no entanto, naufragaram. Agora, as negociações estão concentradas na compra de uma participação na editora Nova Fronteira, que pertence à Ediouro. Mas a operação ainda não foi concluída, segundo Luiz Fernando Pedroso, diretor-superintendente do grupo Ediouro. A rigor, o negócio pode nem se concretizar.

Pearson negocia compra de fatia da Santillana

Valor Econômico - 02/06/2009 - Por S.Davoudi e M.Mulligan, Financial Times - A editora Pearson está em negociações preliminares com a Prisa, grupo de mídia da Espanha, para uma possível aquisição de uma participação na Santillana, a editora da Prisa, líder de mercado em livros didáticos nos países da América Latina. A Prisa pode estar tentando vender até 30% do negócio, num acordo que poderia chegar a 360 milhões de euros (US$ 512 milhões). A Pearson, dona do "Financial Times", não quis comentar o assunto. As negociações estão em estágio bem inicial, com a Prisa testando o apetite do mercado. Outros prováveis interessados na Santillana, conhecida por seus livros didáticos em inglês, podem incluir a Cengage Learning, a editor de livros didáticos controlada pela Apax, a Oxford University Press e a Infinitas Learning, que já foi a divisão educacional da Wolters Kluwer, hoje apoiada pela Bridgepoint.

Novo Site da Cortez Editora fortalece sua marca e estreita a comunicação com seus leitores

Está no ar a página da Cortez, com muitas inovações e interatividade, inclusive para crianças, o site foi desenvolvido especialmente para atender as necessidades dos seus leitores através de cada área de publicação, são elas: Ciências Ambientais, Ciências Sociais, Educação, Fonoaudiologia, Linguística, Literatura Infanto-juvenil, Psicologia e Serviço Social. A proposta é promover uma proximidade maior com os leitores, oferecendo diferentes experiências de abordagens que incentivem a leitura, o conhecimento e acessos. “O novo site propõe-se a ser um instrumento permanente de marketing institucional, voltado a atender as diferentes necessidades do público leitor da editora, divulgar as publicações e seus autores, garantindo o acesso aos títulos em qualquer região do país com segurança e rapidez”, complementa Elaine Nunes, gerente de marketing da Editora.

Melhoramentos é comprada por fabricante chilena por R$ 120 milhões

Folha Online / Efe - 20/04/2009 - A empresa Melhoramentos de São Paulo anunciou nesta segunda-feira que fechou acordo com a chilena CMPC (Compañía Manufacturera de Papeles y Cartones) para vender a Melhoramentos Papéis. O valor do negócio será de R$ 120 milhões, sem incluir dívidas. De acordo com a nota enviada à Bovespa, a venda do controle da empresa brasileira depende apenas da aprovação das autoridades reguladoras dos países. O preço, acrescenta o comunicado, ainda depende de ajustes finais. A companhia brasileira passará ao controle da CMPC Brasil, a subsidiária da fabricante de papel chilena no país. A CMPC é uma das principais empresas florestais e fabricantes de papel no Chile, controlada pelo grupo Matte e que tem presença em outros sete países da América Latina.

Scortecci Editora completa 25 anos

PublishNews - 10/8/2007 - A Scortecci Editora comemora esta semana 25 anos de trabalhos. A empresa foi criada em agosto de 1982, na Galeria Pinheiros, na Rua Teodoro Sampaio, no coração de Pinheiros, em São Paulo. Fazem parte da Scortecci, atualmente, as empresas: Scortecci Editora, Gráfica Scortecci, Livraria e Loja Virtual Asabeça e Livraria da Lua. Assim como os selos editoriais: Fábrica de Livros, Livrotese Editorial, RR Donnelley/Scortecci, UBE/Scortecci e os portais na Internet: Amigos do Livro, Impressão Digital, Publique seu Livro, Parceiros do Livro e Concursos e Prêmios Literários.

Saraiva deve eliminar marca Siciliano do mercado

Gazeta Mercantil - 28.05.2008 - Gustavo Viana - O Grupo Saraiva se prepara para unificar as bandeiras Saraiva e Siciliano. A Saraiva pretende em 14 meses aumentar a rentabilidade das lojas Siciliano, hoje no patamar de R$ 9 mil por metro quadrado, para um nível próximo dos R$ 14,8 mil da Saraiva, informa o diretor financeiro da Saraiva, João Luís Hopp. Ele conta que a tendência é de haver a unificação das marcas, exceto em casos específicos como Brasília e Fortaleza, regiões onde a Siciliano é a bandeira dominante. O primeiro passo para a unificação das bandeiras será dado nesta quinta, quando a Siciliano do Shopping Jardim Sul, em São Paulo, se tornará Saraiva.

Saraiva começa a digerir a aquisição da Siciliano

Portal Exame - 27.08.2008 - João Sandrini - Trinta lojas da Siciliano vão ganhar a marca e o modelo de negócios da Saraiva, que tem vendas por metro quadrado 75% maiores. Se as negociações para a Saraiva comprar a Siciliano por 60 milhões de reais se arrastaram durante quase um ano, não era de se esperar que a digestão dessa aquisição ocorresse em tempo recorde. Cinco meses após o anúncio do negócio, entretanto, a estratégia para a integração das operações das duas empresas já está traçada. O diretor-presidente da Livraria Saraiva, Marcílio Pousada, diz que vai transformar as 30 maiores lojas da Siciliano em unidades da Saraiva até o final de 2009.

Saraiva aumenta lucro em 35,2%

Valor Econômico - 16/8/2007 - Tainã Bispo - Mais uma vez a divisão varejista da Saraiva deu o tom do crescimento do grupo. As 35 lojas da companhia, junto com o comércio virtual, tiveram uma receita bruta 40,1% superior no segundo trimestre deste ano, quando comparado ao mesmo período de 2006, somando R$ 102,6 milhões. Este resultado impulsionou, também, os números do semestre do grupo. A editora e livraria Saraiva, juntas, tiveram receita bruta de R$ 351,4 milhões no primeiro semestre, um aumento de 18,9% em relação ao mesmo período do ano passado.

Após críticas, editora cancela política de destruição de livros

O Globo - 23/04/2010 - Por Miguel Conde - Mais de 400 livrarias em diferentes estados brasileiros receberam na semana passada um e-mail da distribuidora Superpedido e da Ediouro, maior grupo editorial do país, anunciando uma nova política para devolução de livros que não fossem vendidos: “Não será necessário enviar os livros fisicamente”, dizia o e-mail, mas apenas “a capa, quarta capa e ficha catalográfica (...). O miolo deverá ser descartado”, orientava a mensagem. Enviada no dia 13 de abril, a ordem para arrancar a capa e jogar fora as páginas dos livros foi cancelada por outro e-mail, enviado na última terça-feira, em que a Ediouro dizia ter revisto sua posição.

Rocco lança editora Prumo em SP

Valor Econômico - 03/04/2008 - Para Paulo Rocco, dono da carioca Rocco, lançar uma nova editora em São Paulo é uma estratégia de "fortalecimento" diante de um setor cada vez mais consolidado. Conforme ele, sua nova editora, a Prumo, fará lançamentos em todos os segmentos, além de atuar nos chamados coffee table books (livros patrocinados por empresas). A Prumo colocará no mercado cerca de cinco títulos por mês a partir de junho, mas o plano é lançar 12 por mês. Já a Rocco lançará, este ano, 200 títulos, um aumento de 20% em relação ao ano passado. Além do novo projeto, Rocco está investindo em parcerias. No ano passado, fechou um acordo de distribuição com as editoras de livros didáticos Ática e Scipione. Um dos acordos mais recentes do empresário é vender seus livros pela Avon.

RETRATO DE UM EDITOR por Lucila Soares

Veja - edição 2071 - 30.07.2008 - Lucila Soares - José Olympio mudou a literatura brasileira do século XX, fez uma revolução gráfica na indústria editorial do país e ainda publicou livros de culinária e auto-ajuda. Chega às livrarias, na semana que vem, uma obra admirável. José Olympio: o Editor e Sua Casa (424 páginas, 150 reais) é o primeiro grande inventário da produção da editora criada em 1931 por José Olympio Pereira Filho (1902-1990). Organizado por José Mario Pereira (o sobrenome é coincidência), o livro tem edição a cargo da Sextante, fundada por Geraldo Jordão Pereira (1938-2008), filho de José Olympio, e dirigida por Marcos e Tomás Pereira, netos do editor.

Recorde na China: Editora publica 50 milhões de cópias da Bíblia em 2007

Rádio Vaticano - 11/12/2007 - Pequim - Uma editora chinesa publicou, este ano, 50 milhões de Bíblias, para fazer frente a uma demanda em contínuo crescimento. A informação foi divulgada por Ye Xiaowen, chefe do Departamento de Assuntos Religiosos, órgão estatal que controla as religiões, no curso de coletiva de imprensa, em Pequim. O nome da editora é "Amity Foundation" _ a única empresa chinesa autorizada a publicar Bíblias. Nos anos precedentes, a Amity publicou uma média de três milhões de Bíblias por ano, absolutamente insuficientes para a China, onde o Cristianismo está em forte crescimento.

Raphael Jessouroun é o novo diretor comercial da Editora Alvinegra

Revista Publicidad - 24.09.2008 - O novo diretor comercial da Editora Alvinegra, que publica a revista piauí, é Raphael Jessouroun, profissional com mais de 18 anos de experiência no mercado de revistas, em editoras como Abril, Três, Bloch e Caras. Jessouroun assume a área comercial da piauí recebendo uma edição com recorde de páginas de publicidade, conquista da equipe de publicidade comandada por Ênio Vergeiro, até então diretor-responsável pelo título.

Nova Unidade da Editora Atlas em Porto Alegre

No próximo dia 14 de junho (quinta-feira), a Editora Atlas abre as portas para alguns convidados e o público em sua inauguração da unidade Editora Atlas Porto Alegre, em Porto Alegre (RS). A nova filial conta com uma infra-estrutura preparada para atender a professores, alunos, bibliotecas e livrarias. “A Editora Atlas vem investindo fortemente no relacionamento com o seu público. Ao todo são sete unidades da companhia espalhadas por todo o Brasil”, explica o diretor Comercial, Renato Bueno. Além de importantes executivos da matriz da companhia, sediada em São Paulo, a noite de inauguração da Unidade também terá a presença de alguns autores consagrados.

Cosac Naify busca apoio para manter seu acervo de 400 mil livros

Estadão - 22/09/2016 - Antonio Gonçalves Filho - O fundador da editora, Charles Cosac, revela que está conversando com instituições interessadas em receber o estoque armazenado em Barueri. “Não sou Nero, não estou demolindo de forma grotesca algo que demorei 20 anos para construir.” Essa foi a reação do editor Charles Cosac à repercussão negativa da entrevista do diretor financeiro da editora Cosac Naify, Dione Oliveira.

Nova aposta em jovens leitores

O Globo - 29/09/2007 - Rachel Bertol - Milhares de crianças e adolescentes enlouquecidos à procura dos livros (e autógrafos) de seus autores favoritos fazem da Bienal a maior vitrine para esse segmento do mercado editorial. Acompanhando uma tendência bastante aquecida mundialmente pelo aparecimento da série Harry Potter, a oferta de títulos para crianças e jovens só vem aumentando a cada ano.

E faz com que grandes editoras apostem em selos específicos para abrigar toda a vasta produção nacional e internacional. A mais recente novidade são os selos Galera e Galerinha, que a Record estréia justamente na Bienal. Para atrair ainda mais a atenção dos jovens leitores, entra no ar ao mesmo tempo o site, com informações sobre os lançamentos e muito espaço para a interação.

A nova casa de Jorge Amado

Valor Econômico - 29/8/2007 - por Tainã Bispo - A Companhia das Letras venceu a concorrência pela obra de Jorge Amado. Os livros do escritor baiano, que faleceu em 2001, eram editados pela Record desde 1975. A Companhia das Letras relançará a obra completa de Jorge Amado, composta de cerca de 35 títulos a partir de 2008. O relançamento de todos os livros pode levar até quatro anos. A primeira leva de livros chegará às prateleiras entre março e abril.

Editoras desistem de vender livros para o MEC

Valor Econômico - 28/09/2016 - Beth Koike - Os atrasos de pagamento e a redução de investimento nos programas de livros didáticos estão levando as editoras a deixar de vender para o Ministério da Educação (MEC). Entre elas estão, por exemplo, a Positivo e a Pearson que interromperam a comercialização de novas obras para a rede pública de ensino. As editoras Oxford e MacMillan, que tinham planos de ampliar seu catálogo de obras escolares, decidiram permanecer apenas com livros de idiomas e a portuguesa Leya vendeu seu braço de educação para a Escala e com isso saiu completamente do setor. Já a Ibep Nacional que, há alguns anos adquiriu a editora Base, está à procura de um comprador após ver sua situação financeira  se agravar, segundo fontes.

A nova velha jogada das editoras

Estadão - 03.10.2008 - Ubiratan Brasil - No início de setembro, os freqüentadores do Conjunto Nacional, na Avenida Paulista, descobriram uma nova forma de parceria. Uma das três lojas antes ocupadas pela Livraria Cultura foi reaberta, agora com livros de apenas uma editora. "A Companhia das Letras por Livraria Cultura, que é o nome do espaço, será um showroom permanente apenas da editora", comenta Pedro Herz, presidente da Cultura.

"Creio que é a primeira experiência do gênero no mundo."A parceria reforça um segmento do mercado que cresce com velocidade: o de editoras mantendo livrarias com seu próprio nome. Algumas tradicionais, como Saraiva, Vozes, Cortez, seguem seu padrão habitual, enquanto outras, como Martins Fontes, Nobel, passam por pequenas mudanças a fim de ganhar uma personalidade própria.

A voz do carrasco

O Estado de S. Paulo - Ubiratan Brasil - 16.09.2007 - Um brinde marcou a comemoração da vitória da editora Objetiva - depois de um acirrado leilão com outras quatro grandes brasileiras, a casa editorial de Roberto Feith conseguiu os direitos de publicação de As Benevolentes, romance do norte-americano Jonathan Littell que ainda naquela época, fim do ano passado, sacudia a crítica da França, onde fora originalmente editado. Motivo: o pesado volume (são mais de 900 páginas), que chega agora às livrarias sob o selo da Alfaguara, é narrado por um ex-oficial nazista que relata, sem remorsos, sua participação nas atrocidades cometidas na 2ª Guerra Mundial.

Cia. das Letras deixa de publicar livros de Rubem Fonseca

Folha Online - 30/04/2009 - A editora Companhia das Letras informou nesta quinta-feira que não vai mais publicar os livros do escritor Rubem Fonseca, 84. Segundo o comunicado, a decisão foi tomada em comum acordo. "No momento em que os livros do escritor se esgotarem, eles estarão disponíveis para publicação por editora da escolha do autor", diz a nota. Ainda de acordo com o comunicado, a editora não vai fazer outros comentários sobre o assunto. O mais recente livro de Fonseca publicado pela Cia. das Letras é "O Romance Morreu", que concorreu ao Prêmio Portugal Telecom de Literatura em 2008.

Cosac Naify muda e começa a dar lucro

Valor Econômico - 3/7/2007 - por Tainã Bispo - Fundada há dez anos com o intuito de publicar livros de arte, a editora paulistana Cosac Naify sempre apresentou ousadia em seu projeto gráfico. O esmero em publicar obras ilustradas, de capa dura e com papéis pouco usados pelos concorrentes, tem norteado os lançamentos da casa. No entanto, esses custos começaram a pesar no orçamento da empresa há alguns anos. Em 2003 a empresa chegou a acumular um prejuízo de R$ 4,5 milhões.

Editora fará campanha de marketing nos 70 anos de "Vidas Secas"

Folha de São Paulo - 27.05.2008 - Mônica Bergamo - Os herdeiros do escritor alagoano Graciliano Ramos renovaram por mais dez anos o contrato com a Editora Record. O acerto é de que a editora realizará uma grande campanha para divulgar a obra do autor a novos leitores. A informação é da coluna Mônica Bergamo. No segundo semestre deste ano, o marketing terá como foco o livro "Vidas Secas", que completa 70 anos. Também jornalista e político, Graciliano Ramos nasceu 1892 e morreu aos 60 anos, em 1953, no Rio de Janeiro, vítima de câncer. Foi preso durante o governo Getúlio Vargas. Ele chegou a receber o prêmio "Fundação William Faulkner" por "Vidas Secas".

Deputados aprovam desoneração de pequenos editores e livreiros

Blog do Galeno - 24.03.2010 - A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta (24/3) projeto de lei do deputado federal Antônio Palocci (PT-SP) que estende a desoneração fiscal do livro às micros e pequenas editoras, livrarias e distribuidoras que são optantes do Simples. Com isso, todas as empresas do setor (as que recolhem tributos pelo lucro real ou presumido já são beneficiadas desde 2004) terão 0% (zero) de alíquota no Pis e Cofins. Agora falta a de Constituição, Justiça e Cidadania. E, em seguida, o Senado.

Editora lança selo de "literatura feminina"

Folha de S.Paulo - 19/07/2008 - A editora Planeta acaba de lançar no Brasil o selo Essência, inteiramente voltado para a chamada "literatura feminina". Os três primeiros títulos são "A Rosa do Inverno", de Patricia Calbot (pseudônimo da escritora americana Meg Cabot, autora da série infanto-juvenil "O Diário da Princesa", entre outros), "Eu Pego esse Homem", de Valerie Frankel, e "O Livro Secreto do Banheiro Feminino", de Jo Barrett. Na Espanha, país-sede da Planeta, o selo existe há pouco mais de um ano com o nome de Esencia.

Editora Peirópolis e Comgás lançam “Juventudes SP” no dia 30/10/2008, no Senai Campinas

A Editora Peirópolis e a Companhia de Gás de São Paulo (Comgás) promovem, em parceria com a  Associação Cidade-Escola Aprendiz e a Casa Redonda – educação, cultura e arte, no dia 30 de outubro de 2008, às 17 horas, no Senai Campinas (Rua Pastor Cícero Canuto de Lima, 71, Parque Itália), coquetel de lançamento da obra “Juventudes SP – Panoramas e iniciativas com foco na juventude de São Paulo”. O livro apresenta o resultado de pesquisa realizada pelo Cenpec (Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária) com 99 projetos e programas sociais voltados à juventude no Estado de São Paulo.

Editora Saraiva é patrocinadora máster do maior evento jurídico do país, promovido pela Mundo Universitário

Adnews - 10.09.2008 - Com o objetivo de enriquecer o conhecimento acadêmico de uma média de cinco mil estudantes de direito e colocá-los em contato junto aos principais escritórios de advocacia do País e renomados professores do setor, a Mundo Universitário, agência de publicidade, promoções e eventos, realiza a 4ª edição da Semana Jurídica Universitária (SEJU), em parceria com as faculdades de Direito da USP, FGV, Mackenzie e FMU. O encontro acontece de 15 a 19 de setembro de 2008 em São Paulo e será gratuito.

Editoras brasileiras se encontram com a ABDR para receber orientação sobre a Pasta do Professor

Entidade se encontra com editoras de todo o Brasil para discutir a respeito da cópia ilegal de livros. A Associação Brasileira de Editores de Livro (ABDR) se reúne em 25 de maio, sexta-feira, com editores de todo país para debater questões sobre direito autoral e cópias ilegais de livros. No encontro, que será realizado na Câmara Brasileira de Livros (CBL), as editoras serão informadas a respeito da Pasta do Professor sistema inédito para a venda de conteúdo editorial fracionado. 

Editoras brasileiras têm prateleiras vazias na abertura da Feira do Livro de Frankfurt

UOL - 15/10/2008 - GUSTAVO MARTINS - O estande da Câmara Brasileira do Livro (CBL) na Feira de Frankfurt passou o primeiro dia do evento (quarta-feira, 15) com as prateleiras vazias. Nenhum dos livros das 39 editoras que expõem pela CBL chegou em tempo à Frankfurt Messe, o complexo de edifícios onde se realiza a feira, pois todos ficaram barrados na Espanha. De acordo com informações da CBL, a razão foi que uma das editoras enviou seus livros em uma caixa com o símbolo de "produto corrosivo", o que fez com que a companhia aérea espanhola Iberia retivesse o material em Madri.

Editora Penguin chega ao Brasil ao lado da Cia. das Letras

Folha Online - 10/09/2009 - A editora britânica Penguin, especializada em edições de clássicos vendidos a preços acessíveis, fechou parceria com a Companhia das Letras e lança seus primeiros títulos no Brasil em 2010, informa uma reportagem assinada por Sérgio Dávila, enviado especial a Nova York, na Folha desta quinta-feira. De acordo com informações da reportagem, a parceria foi anunciada ontem, em Nova York, e o novo selo será chamado Penguin Companhia Clássicos. Espera-se que em 2010 sejam lançados 12 livros e que a média chegue a 24 nos anos seguintes.

Editoras de obras técnicas e científicas formam holding

Valor Econômico - 14/09/2007 - por Francisco Góes - Seis editoras nacionais especializadas em livros científicos, técnicos e profissionais estão unindo forças para crescer e aproveitar sinergias. A parceria resultou na criação da holding Grupo Editorial Nacional (GEN), que deve vender 1,1 milhão de exemplares e faturar R$ 75 milhões em 2007. "O GEN é a melhor plataforma para liderar um processo de consolidação no segmento CTP (Científico, Técnico e Profissional) no Brasil", disse ao Valor Mauro Koogan Lorch, presidente do grupo, no primeiro dia da XIII Bienal Internacional do Livro, que vai até 23/09 no Rio.

Editoras estão sendo vítimas de golpe

CBL Informa - Nos últimos dias algumas editoras têm sido vítimas de um golpe envolvendo o furto de livros. O crime acontece da seguinte forma: uma pessoa, que se identifica como funcionário de uma livraria, liga para a editora e faz um pedido em caráter de emergência, combinando enviar um portador para retirar os livros dali a algumas horas. O pedido é retirado e, depois de determinado prazo, quando a editora entra em contato com a livraria para qual supostamente foram vendidos os livros a fim de acertar o pagamento, fica sabendo que não houve solicitação por parte da livraria e percebe que foi vítima de uma farsa. A Câmara Brasileira do Livro recomenda aos seus associados que fiquem atentos e denunciem atitudes suspeitas.

Editoras discutem sistema de consignação
Estadão - 30.04.2016 - AMILTON PINHEIRO - Quando Charles Cosac, sócio-fundador da Cosac Naify, decidiu fechar sua editora, em novembro, alegou que um dos motivos era o problema da consignação. “A nossa editora não aguentava mais os prazos cada vez mais esticados da consignação. Isso impactava nosso capital de giro. As informações que as livrarias nos davam sobre o consignado vendido demoravam ou não eram precisas. A consignação, em muitos casos, é uma perversidade para o editor”, desabafou Cosac. O sistema de compra do mercado livreiro foi disseminado em larga escala em 1996, quando Ivo Camargo Júnior era gerente de vendas da Companhia das Letras. Na ocasião, a editora viu que havia possibilidade de ganhar mais espaço no mercado, consignando seus títulos mais vendidos. O problema da consignação é que ela nasceu sem um conjunto de regras definidas, atesta Luís Antonio Torelli, presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL). “Mais cedo ou mais tarde, essa falta de regras iria levar a essa animosidade que encontramos hoje entre editoras, distribuidores e livrarias”.

Grupo GEN conclui sua quinta aquisição

Valor Econômico - 03/03/2010 - Por Beth Koike - O Grupo Editorial Nacional (GEN), líder na área de livros técnicos, científicos e profissionais, com um faturamento de cerca de R$ 100 milhões, acaba de fechar sua quinta aquisição. A holding comprou a Forense Universitária. Com isso, eleva para seis o número de editoras sob seu comando. "Com a compra da Forense vamos atuar com mais força na área de ciências sociais, na qual tínhamos uma presença tímida", afirma Mauro Koogan Lorch, presidente do GEN, sem revelar o valor da operação. O grupo já é dono das editoras Forense e Método (área jurídica); LTC (exatas); além de Guanabara, Santos e do selo LAB, em publicações de medicina.

Ex-executivo do Grupo Positivo cria editora em Curitiba

Revista Publicidad - 15/10/2007 - O ex-diretor do Portal do Grupo Positivo durante nove anos, Áureo Gomes Monteiro Júnior, é agora o proprietário da Editora Aymará, empresa do Grupo Sagarana. O executivo, que comanda atualmente uma equipe de 45 colaboradores, afirma que já foram realizados investimentos no valor de R$ 6 milhões para composição da sede e dos projetos da Editora, localizada no bairro Rebouças, em Curitiba. A Aymará inaugura oficialmente sua sede para convidados e autoridades no dia 07 de novembro, quarta-feira, em evento especial que será promovido na capital paranaense.

Festa de 20 Anos e Mil Títulos da Edusp

A Reitoria da USP, a Editora da Universidade de São Paulo, a Imprensa Oficial do Estado de São Paulo e a Fiesp convidam para a Festa de 20 Anos e Mil Títulos da Edusp. Na ocasião, haverá o lançamento do primeiro volume da coleção Multiclássicos, Épicos, organizado por Ivan Teixeira. A festa acontece no dia 25 de março de 2008, das 19 às 22 horas, no Salão Nobre da Fiesp, na avenida Paulista. Para marcar os vinte anos da reformulação que deu origem à editora universitária mais importante do país e a publicação de Épicos, seu milésimo título, a Edusp faz uma festa na sede da Fiesp, no dia 25 de março.

Fundação Santillana inaugura sede no país

Folha de S. Paulo - 12/04/2008 - por Mariana Barros - A Fundação Santillana, do grupo editorial espanhol de mesmo nome, oficializou na sexta-feira, 11 de abril, em evento em São Paulo, o lançamento de sua sede no Brasil. A cerimônia marcou também a formação do conselho consultivo, que tem entre seus membros os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e José Sarney, o senador Cristovam Buarque (PDT), o deputado Paulo Renato Souza (PSDB) e a escritora Nélida Piñon. A fundação, voltada principalmente ao desenvolvimento de projetos educacionais, é o braço cultural do Grupo Santillana, que controla editoras como a Objetiva e a Moderna.

Herdeiros da Martins Fontes voltam ao comando

Valor Econômico - 12/12/2008 - por Beth Koike - Dois anos após profissionalizar a gestão do negócio com a contratação de um executivo do mercado, a editora Martins Fontes volta a ser administrada pelos herdeiros, que também decidiram dividir o catálogo de cerca de 2 mil títulos. Cada um dos dois filhos do fundador Waldir Martins Fontes, falecido há oito anos, fica com aproximadamente 1 mil títulos, a serem gerenciados de forma independente a partir de 5 de janeiro. O filho mais velho, Alexandre, passa a editar os 1 mil títulos que herdou por meio da sua editora WMF Martins Fontes, criada oficialmente no ano passado, além de administrar duas livrarias na cidade de São Paulo. Os outros 1 mil títulos passam a ser publicados pela editora Martins, idealizada em 2005 por Evandro, que também tem sob sua responsabilidade duas livrarias em São Paulo e uma no Rio de Janeiro.

João Ubaldo e João Cabral têm nova editora

Folha de S. Paulo - 27/6/2007 - por Marcos Strecker - Depois de João Cabral de Melo Neto, agora é a vez do baiano João Ubaldo Ribeiro. A obra dos dois escritores passará a ser publicada pela Objetiva, pelo selo Alfaguara, deixando a Nova Fronteira. É uma mudança significativa no cada vez mais competitivo mercado editorial brasileiro. Os dois nomes representam títulos "cobiçados" pelo prestígio ou pelo apelo popular. O pernambucano João Cabral de Melo Neto (1920-99) era um dos grandes nomes do catálogo da Nova Fronteira. João Ubaldo é um autor com vários best-sellers no currículo.

Jorge Amado com nova estampa

Correio da Bahia - 03.03.2008 - Ana Cristina Pereira - Num projeto abrangente, a Cia. das Letras relança a obra do escritor, com cuidadosa identidade visual. Jorge Amado (1912-2001) sempre esteve bem posicionado no mercado editorial. No Brasil e no exterior, onde foi traduzido em mais de 50 países. Ainda nos anos 60, por exemplo, a tiragem inicial de Dona Flor e seus dois maridos foi de exultantes 75 mil exemplares. Por isso, qualquer projeto em relação ao escritor baiano sempre rende muito burburinho, como a concorrência, ano passado, pelos direitos de publicação da sua cobiçada obra.

Landscape vai administrar selos da Editora Francis

Com a aquisição, a Editora passa a contar com obras de Michael Moore, Roberto Freire, Edney Silvestre, Moacir Japiassu e Javier Cercas, bem como uma série de novos títulos que serão lançados em 2008. A partir de janeiro, a Editora Landscape vai gerir os selos da Editora Francis e passará a contar com mais 105 títulos, somando 250 no total.  Reconhecida no mercado por seus best-sellers policiais de mistério e biografias, a estratégia da Landscape para 2008 é conquistar uma presença maior no mercado e continuar a aposta em autores nacionais e obras que se destacaram fora do país. Com a Francis o catálogo da Landscape ganha mais força para competir com as outras editoras que procuram o mesmo tipo de fusão. Para março, a editora planeja lançar uma obra inédita de Paulo Francis, concluído pouco antes de sua morte. 

Larousse acerta parceria com Avon

Gazeta Mercantil - 24/09/2007 - por Gustavo Viana - A Editora Larousse acertou uma parceria com a Avon para a venda-direta dos seus livros pelas representantes da empresa de cosméticos. Serão 25 títulos, de conteúdo voltado para bem-estar, saúde, trabalho, culinária, literatura infantil e auto-ajuda, que custarão, em média, 30% abaixo do preço do varejo. Pelo catálogo "Shopping Mais", de produtos de empresas terceiras, a Avon levará a oferta para as cerca de 1,2 milhão de revendedoras no País.

Leitura de bolso

O POVO - 26.12.2007 - Amanda Queirós - Práticos e baratos, os livros de bolso vão conquistando fatia expressiva do mercado. A Record lança coleção de pocket books, abrindo concorrência com as empresas já consolidadas no setor. Os livros de bolso se apresentam como uma ótima forma de conhecer novos autores, mergulhar em clássicos da literatura e presentear amigos. Isso, claro, a um preço bastante inferior, quando comparado aos formatos regulares. Nos últimos dez anos, os livros de bolso ganharam prestígio no mercado editorial brasileiro.

Hoje, ocupam as mãos de leitores nos pontos de ônibus, nas filas de bancos e nas salas de aula. O setor tem se revelado tão promissor, que cada vez mais editoras apostam nele. O último a mirar no filão foi o Grupo Editorial Record, que lançou este ano 24 títulos de seu mais novo selo, a BestBolso, focado exclusivamente na distribuição de livros do tipo.

Mário de Andrade, escritor das vanguardas, em nova edição

Estadão - 18.01.2008 - Ubiratan Brasil - Obras 'Macunaíma', 'Amar, Verbo Intransitivo' e 'Os Filhos da Candinha' são relançadas pela editora Agir. Era um homem muito peculiar - alto, lábios grossos, queixo proeminente, testa larga que revelava uma calvície avançada, gestos amplos, voz forte, Mário de Andrade (1893-1945) tinha o dom de reunir as pessoas. De corpo presente, nas inúmeras cartas que trocou ou em sua vasta obra, o escritor compartilhava sentimentos, alegrias e ansiedades, permitindo um enriquecimento intelectual mútuo. Se nem sempre criou textos excepcionais, Mário foi sempre brilhante por apontar novos rumos, como comprova a reedição de sua obra, trabalho agora assumido pela editora Agir. 

Melhoramentos está à venda

Estado de S. Paulo - 08/05/2008 - As famílias Weiszflog, Plöger e Velloso, que controlam a Companhia Melhoramentos, estão atrás de um novo dono para os seus negócios de papel e celulose. Na semana passada, os candidatos enviaram a primeira proposta não vinculativa de preço. A empresa é avaliada em R$ 400 milhões a R$ 500 milhões. A americana Kimberly-Clark, a brasileira Santher e uma empresa de papel e celulose do Chile estariam no páreo pela empresa mais antiga do setor no Brasil. Fala-se também da Procter & Gamble, que mundialmente tem uma área de papel (tissue), e até dos fundos KKR e Blackstone.

Nau à Deriva

Folha de S.Paulo – Mônica Bergamo – 07.03.2009 - Bomba no mercado de livros: o jornalista e escritor Laurentino Gomes decidiu ontem romper com a editora Planeta, que lançou “1808”, Best-seller que ele escreveu sobre a vinda da família real portuguesa ao Brasil e que há 76 semanas frequenta as listas de livros mais vendidos do país. Gomes afirma que há mais de um mês briga com a empresa para que ela recolha das livrarias 10 mil exemplares que saíram da gráfica com defeito grave: capítulos de um outro livro, sobre Indira Gandhi, foram enxertados no meio de sua obra.

Voltar Topo Indicar a um amigo Imprimir
 

AMIGOS DO LIVRO - O PORTAL DO LIVRO NO BRASIL

FALE CONOSCO

 
Nipotech