"Nunca existirá algo que substitua o prazer de ler"

Folha Uol - 23.07.2010 - Dave Itzkoff - New York Times - Tradução de Clara Allain - Com a possível exceção de sua invenção do orgasmatron, Woody Allen não é necessariamente conhecido como um dos primeiros a aderir à tecnologia inovadora. Apesar disso, ele descreveu um salto ousado para dentro do século 21 e gravou edições em audiolivro das quatro coletâneas de ensaios de humor que escreveu entre 1971 e 2007. As leituras feitas por Allen de suas antologias "Getting Even", "Without Feathers", "Mere Anarchy" e "Side Effects" podem ser compradas na Audible.com e no iTunes.

O professor, o pesquisador e o professor-pesquisador - por Marcos Henrique Meireles Lima

O professor pode ser definido como o profissional que ministra (datore de aula), relaciona ou instrumentaliza os alunos para as aulas ou cursos em todos os níveis educacionais, segundo várias concepções, que no decorrer dos tempos envolveram esse profissional da educação.

O pesquisador, como aquele que exerce a atividade de buscar reunir informações sobre um determinado problema ou assunto e analisá-las, utilizando o método científico com a intenção de aumentar o conhecimento de determinado assunto ou até mesmo descobrir algo novo. Mas como definir o professor-pesquisador? Seria ele, um profissional que conseguiria assimilar todas as características anteriormente expostas?

A guerra do livro / Arnaldo Niskier

Folha de S. Paulo - 01/06/2011 - Arnaldo Niskier - Fala-se com insistência no oferecimento de cesta básica de livros para classes populares, mas questões institucionais precisam ser logo resolvidas. Há controvérsias sobre a lei de direitos autorais, e muita gente está se manifestando sobre a matéria. Em nossa opinião, a ministra da Cultura, Ana de Hollanda, acertou quando mandou recolher a versão do governo anterior, que já se encontrava na Casa Civil, para uma nova rodada de audiências públicas. Que mal há nisso?

30 mandamentos para ser leitor, escritor e crítico

Entre Livros - Decalógo do leitor - Por Alberto Mussa - Nunca leia por hábito: um livro não é uma escova de dentes. Leia por vício, leia por dependência química. A literatura é a possibilidade de viver vidas múltiplas, em algumas horas. E tem até finalidades práticas: amplia a compreensão do mundo, permite a aquisição de conhecimentos objetivos, aprimora a capacidade de expressão, reduz os batimentos cardíacos, diminui a ansiedade, aumenta a libido. Mas é essencialmente lúdica, é essencialmente inútil, como devem ser as coisas que nos dão prazer. Clique AQUI e conheça os "30 mandamentos para ser leitor, escritor e crítico".

AFEIGRAF forma grupo de trabalho para defender interesses da indústria gráfica

A AFEIGRAF- Associação dos Agentes de Fornecedores de Equipamentos e Insumos para a Indústria Gráfica - acaba de criar um grupo de trabalho com o objetivo de defender os interesses da indústria gráfica no que diz respeito ao fornecimento de papeis importados. Fazem parte do grupo oito indústrias e fornecedores que juntos respondem por aproximadamente 90% do volume de papel importado fornecido para fins de imprimir, escrever e embalagem.

A Escrita (ideográfica e fonética), Suméria e o Alfabeto

A Escrita, como um sistema de signos que serve para exprimir graficamente a linguagem, constitui uma das grandes conquistas da Humanidade. Desde os primeiros signos conhecidos até chegar aos sistemas alfabéticos atualmente em uso, a escrita passou por inúmeras mudanças e transformações.

Nesta evolução distinguem-se claramente duas fases essenciais: a escrita ideográfica e a escrita fonética. No primeiro estágio, a escrita compunha-se por signos pictóricos que representavam objetos ou idéias, com um simples valor ideográfico. Por isso, eram necessários tantos signos quantos os objetos e idéias a exprimir.

ABDL aciona CONAR contra propaganda da VIVO

CBL Informa - Indignada com um anúncio da Vivo-Internet Fixa, que claramente menosprezava a função do livro para a sociedade, a ABDL - Associação Brasileira de Difusão do Livro solicitou ao Conselho Nacional de Auto regulamentação Publicitária (CONAR) que reavaliasse sua veiculação. Por unanimidade, o CONAR acatou o pedido e determinou a retirada do ar dessa propaganda.

Apostila substitui livro em escolas de 115 cidades de SP

O Estado de S. Paulo - 22/07/2011 - Dos 644 municípios do Estado de São Paulo, 282 - ou 44% - utilizam sistema apostilado de ensino, de acordo com levantamento feito neste ano pelo Anglo, um dos mais tradicionais métodos do País. Dentre eles estão 115 cidades que abandonaram totalmente os livros didáticos, distribuídos gratuitamente pelo governo federal, e outros que continuam utilizando o material, mas também aderiram às apostilas.

A Arte de Escrever, Publicar e Comercializar o Produto Livro / Dia 22 de Maio de 2010

Vamos desvendar os "mistérios" que envolvem o mundo do livro. Formatos e Curiosidades. A invenção de Gutenberg e a popularização do livro impresso.  Registro de uma obra no EDA, ISBN, Ficha Catalográfica e Depósito Legal. O Direito Autoral no Brasil (Questões Práticas). Como funciona o mercado editorial. O processo de criação. Escolhendo um tema e o público-alvo de uma obra. Preparação de originais e os cuidados necessários para uma publicação. Leitura Crítica e Agenciamento Literário. O livro comercial e o livro independente. Etapas de uma produção: edição, revisão e liberação. Distribuição, comercialização e divulgação do produto livro. Lançamento e Noite de Autógrafos. Dia 22 de maio de 2010 - sábado - Horário: das 9h às 14h - na Escola do Escritor.

ADEVA - Qualifica deficientes visuais para o mercado de trabalho

A ADEVA (Associação de Deficientes Visuais e Amigos) é uma entidade sem fins lucrativos que desde 1978 promove a inclusão da pessoa deficiente visual na sociedade por meio de uma educação global integrada e de sua capacitação, reciclagem profissional e inserção no mercado de trabalho, preparando-a para o pleno exercício da cidadania. Os dados preliminares do censo 2010 do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) apontaram a deficiência visual severa como a que mais incidiu sobre a população, sendo que 528.624 pessoas declararam não enxergarem de modo algum.

Audiência no STF discute liberação de livro de Monteiro Lobato acusado de racismo

Folha S. Paulo - Ilustrada - 11/09/2012Monteiro Lobato, quem diria, atravessou o mensalão: nesta terça (11) à noite ocorre no Supremo Tribunal Federal uma audiência de conciliação, convocada pelo ministro Luiz Fux, para discutir a distribuição, em escolas públicas, de "Caçadas de Pedrinho". Em 2010, um parecer do CNE (Conselho Nacional de Educação, órgão ligado ao Ministério da Educação) recomendava a retirada do livro publicado em 1933 por Lobato (1882-1948) do Programa Nacional Biblioteca na Escola. O motivo: racismo. O parecer do CNE que iniciou o caso foi suscitado sobretudo pela abordagem, no livro, da personagem Tia Nastácia, devido a trechos como o que comparava a cozinheira a uma "macaca de carvão".
 

A Galeria Prestes Maia / Por Maurício Rodrigues Pinto

Poucas pessoas, que hoje atravessam a Praça do Patriarca rumo ao Vale do Anhangabaú pela Galeria Prestes Maia, sabem que ela abrigou grandes eventos artístico-culturais e já foi um dos endereços mais concorridos da cidade. Essa exuberante galeria, com paredes e colunas revestidas de mármore, possui três níveis interligados por escadarias e escadas rolantes.

Aliás, foi um dos primeiros locais a utilizar escadas rolantes na cidade de São Paulo, inauguradas em 1955 pelo prefeito William Salem. Sua história tem início com a construção do “novo” Viaduto do Chá em 1938.

ABIGRAF apoia iniciativa de entidade americana contra campanha da Google

ABIGRAF - 06.02.2013 - A Associação Brasileira da Indústria Gráfica (ABIGRAF Nacional) apoia a posição da Two Sides, uma entidade pioneira na disseminação de informações sobre o caráter ambientalmente sustentável da indústria de impressão, que em janeiro divulgou carta aberta contra uma campanha da Google que procura desestimular o uso do papel no ambiente de trabalho. Em solidariedade a iniciativa, a ABIGRAF também enviou uma carta à Google Brasil pedindo a retificação de informações equivocadas sobre a cadeia produtiva da comunicação impressa disseminadas pela campanha da empresa de buscas.

Briga na justiça pode trazer a público milhares de páginas escritas por Franz Kafka

Estadão - 21.10.2012 - por EFE - Milhares de manuscritos de Franz Kafka (1883-1924), autor imprescindível do século 20, poderão ser conhecidos pela primeira vez após uma recente decisão judicial israelense que segue um longo caminho de fugas, paixões, heranças, promessas, segredos e cofres ocultos.  Assim que for executada a sentença ditada no fim de semana passado pelo Tribunal de Família do Distrito de Tel Aviv, o legado do amigo íntimo de Kafka - o escritor e compositor judeu Max Brod - será em breve transferido de mãos privadas para a Biblioteca Nacional de Israel, onde estará acessível para pesquisadores do mundo todo.

Casa de Jorge Amado e Zélia Gattai será transformado em museu em Salvador

Folha de S. Paulo - 04.02.2014 - João Pedro Pitombo - Após dez anos fechada, a casa onde viveu o casal de escritores Jorge Amado (1912-2001) e Zélia Gattai (1916-2008) deve finalmente tornar-se um memorial aberto à visitação em Salvador. A inauguração do novo museu já tem data marcada: 2 de julho -marco da independência da Bahia-, segundo a Prefeitura de Salvador, que recebeu da família do casal o imóvel de cerca de mil metros quadrados. A exemplo de outros museus, a Casa do Rio Vermelho -como o imóvel ficou conhecido- terá vídeos e interatividade com o público. O termo de cessão por dez anos da residência foi assinado na última sexta-feira pelo prefeito ACM Neto (DEM) e por herdeiros dos escritores.

Assaltantes levam obras raras do Instituto de Botânica de São Paulo

Folha S.Paulo - 02.02.2012 - TALITA BEDINELLI - Livros raros foram roubados do Instituto de Botânica de São Paulo, na Água Funda, zona sul da capital, por homens armados. Três homens renderam os dois seguranças da biblioteca, que fica no térreo do instituto, fingiram que fariam consultas e anunciaram o assalto. Segundo as testemunhas, eles procuravam por três obras de 15 volumes datadas do final do século 19 e começo do século 20. São os livros "Sertum palmarum brasiliensium", de 1903 (dois volumes), "Flora Fluminensis", de 1827 (11 volumes) e "Bambusees", de 1913 (dois volumes). Os livros estão entre os mais importantes da botânica brasileira, com registros de espécies e das primeiras expedições feitas no país.

A História do Livro

A história do livro é uma página dedicada  à evolução da escrita desde os primeiros  registros gravados pelo homem até a revolução tecnológica dos dias de hoje. Nossa primeira história é sobre Gutenberg, o homem que popularizou o processo de elaboração dos livros. Veja por quê! O ano do nascimento é incerto. De sua vida pouco se sabe pois são raros os documentos que contam sua história. Nem poderia mesmo haver um extenso registro escrito sobre um homem que viveu na Idade Média, quando ler e escrever era privilégio de minorias, ainda que ele fosse o responsável por uma invenção que tornou a palavra escrita acessível a todos, ditando assim os caminhos por onde passaria a cultura humana.

Afinal, somente depois que Johannes Gutenberg inventou a prensa tipográfica, as informações e o conhecimento começaram a ser divulgados de forma sistemática.Seu invento permaneceu o mesmo praticamente por quatro séculos. Hoje, ainda que ultrapassado tecnologicamente, sobrevive enquanto idéia, onde houver palavras impressas sobre papel. Johannes Gensfleisch nasceu entre 1395 e 1400 em Mainz, às margens do Reno, coração da Alemanha. Conhecido por Gutenberg, o sobrenome de sua mãe, era filho de uma família de burgueses, uma classe que despertava na estrutura social da época, prosperando no comércio e nas principais indústrias.

Caixa tira do ar Machado de Assis

O Estado de S.Paulo - 26/09/2011 - A Caixa Econômica Federal tirou do ar o comercial comemorativo aos seus 150 anos, que trazia como personagem o escritor Machado de Assis. Na propaganda, o escritor é representado por um ator branco - Machado, na verdade, era mulato. Tão logo se intensificou a reação nas redes sociais sobre o deslize, assim como foi feito um pedido para que fosse revista a peça da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, a Caixa mandou suspender o comercial.

Casa de Edgar Poe em Baltimore está ameaçada de fechamento

AFP - Fabienne Faur – 17/08/2011 - A casa é minúscula, mas abrigou há tempos um dos maiores escritores americanos, Edgar Allan Poe: transformada em museu, a "casa Poe" de Baltimore está, hoje, ameaçada de fechamento - "uma tragédia" que mobiliza os admiradores do poeta. "No ritmo atual dos acontecimentos, só poderemos ficar abertos até junho de 2012. Depois, não sei...", disse à AFP o curador Jeff Jerome, que se ocupa da casa onde morou durante quatro anos o escritor (1809-1849).

BN pede investigação de livros por plágio

O Globo - 19/03/2012 - Redação - A Fundação Biblioteca Nacional (FBN) decidiu enviar um ofício ao Ministério Público Federal (MPF) nos próximos dias, pedindo a investigação de suspeita de plágio em obras da editora Martin Claret inscritas no Cadastro Nacional de Livros de Baixo Preço. Criado no fim de 2011 para renovar o acervo das bibliotecas públicas brasileiras, o programa recebeu inscrições de editoras, cujos livros estão sendo escolhidos por 2.700 bibliotecas e pontos de leitura do país. Em janeiro, a tradutora Denise Bottmann fez a denúncia de que algumas obras eram plagiadas. Na semana passada, o MPF instaurou procedimento administrativo para apurar a denúncia de Denise, a que agora se somará à da FBN.

Autor policial James Patterson é o escritor mais bem pago do mundo

IG - 18/08/2011 - Nem Stephanie Meyer, nem J.K. Rowling. O escritor mais bem pago do mundo, segundo um levantamento feito pela revista Forbes, é James Patterson. O autor, famoso pela série de livros de mistério protagonizada pelo psicólogo forense Alex Cross, faturou US$ 84 milhões (cerca de R$ 133 milhões) entre maio de 2010 e abril de 2011.

Argentina estuda dar pensão a escritores

Folha de S. Paulo - 09/05/2011 - Lucas Ferraz - A Argentina quer instituir uma pensão social para escritores. A ideia, inspirada em leis aprovadas na França e na Espanha, é defendida há anos por um grupo de escritores do país. A pressão é tanta que já são dois projetos --quase similares-- em trâmite no Senado. "Com a barriga vazia, o escritor não escreve", diz o poeta Miroslav Scheuba, coordenador da Sociedade Argentina de Escritores. "Como escritores são boêmios, não economizam e acabam sem nada", completa.

Cartunistas vão à luta contra Jabuti

O Estado de S.Paulo - Jotabê Medeiros - 30/11/2011 - Cerca de dez cartunistas pretende protestar nesta quarta-feira, 30,  contra decisão do júri do prêmio Jabuti de retirar, do autor Gonçalo Jr., a distinção de melhor biografia concedida ao livro Alceu Penna e as Garotas do Brasil. Depois de promoverem um "twitaço", prometem levar cartazes e fazer barulho na cerimônia esta noite, na Sala São Paulo.

A Turma da Mônica leva os Contos Infantis Clássicos para a China

Você sabe quem vai contar para as crianças chinesas os contos infantis mais famosos do mundo? A Turma da Mônica! A editora PHEI (Publishing House of Electronics Industry) publicou na China a primeira edição de um livro com prefácio de Mauricio de Sousa, onde a Turma da Mônica reconta as melhores histórias da carochinha de Grimm, Perrault e Andersen. O livro "Contos Clássicos com a Turma da Mônica", ricamente ilustrado a cores, tem 240 páginas, com 14 histórias: “A Pequena Sereia”, “A Polegarzinha”, “O Soldadinho de Chumbo”, “A Roupa Nova do Rei”, “Patinho Feio”, “Branca de Neve”,  “A Bela Adormecida”, “João e Maria”, “Chapeuzinho Vermelho”, “O Príncipe Sapo”, “Pequeno Polegar”, “O Gato de Botas”, “Cinderela” e “Rapunzel”.

A lição de Drummond

Estadão - Moacir Amâncio - Há uma passagem inesquecível de Mário de Andrade a respeito de Drummond, oportuna para as homenagens dos 20 anos da morte do poeta mineiro, ocorrida em 17 de agosto de 1987. Ao comentar poemas do então jovem escritor, o rapsodo de Macunaíma fazia reserva ao excesso de inteligência que permeava os textos de Drummond.

Uma espécie de impedimento, uma trava que poderia desviar a expressão poética, reduzindo-a a um brinquedo intelectual. Conclui-se: o ideal seria que Drummond pusesse de lado a consciência aguda e se deixasse levar pelo fluxo poético, algo que ninguém sabe direito o que seja. A opinião de Mário é inesquecível exatamente porque tem um efeito contrário ao da intenção.

Colecionador de livros de futebol quer que acervo vire público

Folha.com - 24/04/2012 - Alexandre Aragão - O paulistano José Renato Sátiro Santiago Jr., 41, lembra com carinho do avô paterno, Felipe. "Ele tinha a mania de guardar jornais e depois dar para mim." Foi graças a ele que o engenheiro, morador de Santana, zona norte, animou-se para juntar os atuais 2.108 livros e os mais de 23 mil pôsteres, revistas e jornais de sua coleção --o que ele classifica como a maior biblioteca sobre futebol de todo o país.
 

A Linha do Tempo

UOL - Biblioteca - 5.400 anos de história da humanidade - A linha do tempo traz os principais fatos e personagens da história da humanidade desde a invenção da escrita (aproximadamente 3400 a.C.) até os dias de hoje.

Para pesquisar um período histórico, basta escolher a época desejada na barra horizontal -dividida por séculos. Ao rolar a linha do tempo para baixo, os anos correm para o futuro. Rolando para cima, a linha retrocede no tempo. Aqui.

Caderno 2: 25 anos

O Estado de S.Paulo - Ubiratan Brasil - 06/04/2011 - O mistério terminou em um domingo, 6 de abril de 1986, há exatos 25 anos. Na manhã daquele dia, bancas de todo o Brasil receberam o Estadão com a novidade que vinha alimentando colunas de fofocas e temores da concorrência - um caderno totalmente dedicado à cultura, o Caderno 2. Com cara de revista mas agilidade de jornal, o novo produto surgia com uma missão considerada quase impossível para o Estadão da época: conquistar o público jovem mostrando o lado leve da notícia.

Andrea Matarazzo é o novo secretário de Cultura

Folha de S. Paulo - 01/05/2010 - Mônica Bergamo - O empresário e ex-ministro Andrea Matarazzo assume neste mês a Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, informa Mônica Bergamo. Procurado pela Folha, Matarazzo não se manifestou. Ele substituirá o economista João Sayad no cargo. Há uma semana, Sayad decidiu sair da pasta para concorrer à presidência da Fundação Padre Anchieta. No momento em que assume a pasta, a Secretaria de Estado da Cultura tem como principal vitrine a construção do Teatro da Dança.

Com 600 livros lançados, Bento 16 é um dos papas mais lidos da história

Folha de S. Paulo - ANSA - 20/09/2011 - O papa Bento 16 foi considerado nesta sexta-feira "o papa mais lido do mundo" pelo cardeal alemão Walter Brandmueller na abertura da mostra de 600 volumes de livros de Joseph Ratzinger hoje em Castel Gandolfo, a residência de verão do pontífice. Segundo o religioso alemão, "Bento 16 é um caso único em toda a história do Papado" por causa da quantidade e variedade de livros que já escreveu e lançou. Sua última obra foi "Jesus de Nazaré".

A nova cena brasileira

Diário do Nordeste - 02.11.2007 - No início do ano os integrantes do Teatro Kaus Cia. Experimental, dirigido por Reginaldo Nascimento, realizaram, em São Paulo, um encontro de dramaturgos latino-americanos. O Projeto originou o lançamento de livro (Caderno do Kaus - O Teatro na América Latina". Editora Scortecci. 200 págs.) sobre novos processos de criação no teatro.

Para quem não pôde acompanhar, o grupo oferece agora uma segunda oportunidade: publica a transcrição dos debates em "Cadernos do Kaus, o Teatro na América Latina". A tiragem de 1,5 mil exemplares será distribuída gratuitamente. Melhor, a edição traz ainda os textos das peças ´Infiéis´, ´El Chingo´ e ´A Revolta´, artigos dos dramaturgos envolvidos e análises do trabalho do Teatro Kaus.

Dezenas de livros são encontrados em calçada, em Vitória/ES

G1 - 22/07/2011 - Dezenas de livros foram encontrados na calçada do Teatro Carmélia, no Centro de Vitória. Exemplares didáticos e de autores consagrados foram jogados fora. Pessoas que passavam no local ficaram impressionadas. Algumas reviraram as publicações e escolheram alguns livros para levar para casa. A Secretaria de Cultura de Vitória informou que os livros que estavam temporariamente na área externa do Centro Cultural Carmélia faziam parte do acervo da Secretaria de Estado da Cultura e foram deixados no prédio para descarte.

Bolsa Funarte de Criação Literária e de Circulação Literária

Criação Literária - Pessoas que desejam se dedicar ao desenvolvimento de textos inéditos nos gêneros lírico (poesias) ou narrativo (romances, contos, crônicas e novelas) podem participar desse programa e concorrer a bolsas de R$ 30 mil. Ao todo, 60 bolsas serão distribuídas por todo o país. Circulação Literária  - O processo seletivo está aberto a pessoas que desejem desenvolver atividades de fomento à área literária, como oficinas, cursos, palestras e programas de contação de histórias. As ações devem acontecer nos municípios atendidos pelo programa Territórios da Cidadania, do Governo Federal. Serão concedidas 50 bolsas, cada uma no valor de R$ 40 mil. Mais informações: acesse o site ou (21) 2279.8082 - cepin@funarte.gov.br

Éber Sander lança seu livro, "Eu morri faz tempo", em Indaiatuba/SP

A Scortecci Editora convida para o lançamento do livro "Eu morri faz tempo", de autoria de Éber Sander, em Indaiatuba/SP. O evento será no dia 19 de Agosto de 2011 (sexta-feira), das 18 às 20 horas, na Livraria Laselva, que fica localizada na Rua 13 de Maio, 829, Centro.

BNDES reformula política para a economia da cultura e amplia para R$ 1 bilhão o apoio ao setor

BNDES - 25/11/2009 - O diretor de inclusão social e crédito do BNDES, Elvio Gaspar, representando o presidente Luciano Coutinho, anunciou hoje, dia 25, ao lado do ministro da Cultura, Juca Ferreira, na sede do Banco, a ampliação do Procult. O programa, antes voltado apenas para o segmento do audiovisual, com dotação de R$ 175 milhões, agora conta com R$ 1 bilhão, a ser usado até o ano de 2012, incorpora novos instrumentos financeiros prioritários, como patrimônio histórico, música, jogos eletrônicos, fonográfico, editorial e dos espetáculos ao vivo. Em sua nova fase, o PROCULT recebe o nome de Programa BNDES para o Desenvolvimento da Economia da Cultura – BNDES Procult, e amplia o alcance de sua política para o setor cultural.

Gil e Caetano se juntam a Roberto Carlos contra biografias não autorizadas

Folha S. Paulo - 05/10/2013 - JULIANA GRAGNANI - O cantor Roberto Carlos, que é contrário à publicação de biografias não autorizadas e já tirou de circulação obras sobre sua vida, conseguiu um apoio de peso. Os músicos Caetano Veloso, Chico Buarque, Milton Nascimento, Gilberto Gil, Djavan e Erasmo Carlos agora estão a seu lado. Os sete cantores são fundadores do grupo Procure Saber, que, segundo a produtora Paula Lavigne, deve entrar na disputa para manter a exigência de autorização prévia para a comercialização dos livros. Lavigne é presidente da diretoria do Procure Saber e porta-voz do grupo.

A paixão pelo livro / MOACYR SCLIAR

Folha de S. Paulo - 22.10.2007 - Um livro de bronze de três quilos que integra uma escultura em homenagem aos poetas Mário Quintana (1906-1994) e Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) exibida na praça da Alfândega, no centro de Porto Alegre, foi furtado.

O crime ocorreu há cerca de duas semanas -a Polícia Civil não sabe a data exata. De autoria dos artistas Xico Stockinger e Eloísa Tregnago, a peça foi inaugurada em outubro de 2001, por encomenda da Câmara Riograndense do Livro.

ABI recebe homenagem da APL dia 17 de Abril

A ABI - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE IMPRENSA, que acaba de completar 100 anos (foi fundada em 7 de abril de 1908) será homenageada em sessão especial da Academia Paulista de Letras, dia 17, quinta-feira, às 17:30 horas.

O presidente Renato Nalini abrirá a cerimônia, dando a palavra ao vice-presidente da ABI em São Paulo, Audálio Dantas. O jornalista discorrerá sobre a importância da entidade.  Primeira associação de jornalismo organizada no país, na arregimentação da classe, defesa perene da liberdade de expressão e das causas nacionais. 

Disputa familiar afeta obra de Cecilia Meireles

O Globo - 26/09/2011 - O leitor que procura obras de Cecilia Meireles nas livrarias e recebe o aviso de “esgotado” talvez não saiba, mas por trás dessa palavra estende-se uma complexa disputa judicial entre os herdeiros da escritora, que se arrasta há uma década e culminou com o fim do contrato com a editora Nova Fronteira, em 2009. Desde então, com a falta de reedições, sumiram pouco a pouco das prateleiras clássicos como “Ou isto ou aquilo” e “Romanceiro da Inconfidência”.

Acessa Livro

Um novo espaço de leitura está à disposição dos cidadãos da cidade de São Paulo desde o dia 23 de novembro de 2007. O "Acessa Livro", como foi batizado, é novo também no jeito de administrar o empréstimo e o uso dos livros que fazem parte do seu acervo. No "Acessa Livro", não é preciso se cadastrar ou apresentar documentos para poder ler e pegar livros emprestados. E o usuário que quiser também pode doar obras para que outros possam aproveitar, basta deixar a doação numa caixa coletora que existe no local.

Governo adia para 2016 novo acordo ortográfico

Folha de S. Paulo - 19.12.2012 - Fernanda Odilla e Flávia Forequede - O governo federal vai adiar para 2016 a obrigatoriedade do uso do novo acordo ortográfico. As novas regras, adotadas pelos setores público e privado desde 2008, deveriam ser implementadas de forma integral a partir de 1º de janeiro de 2013. A reforma ortográfica altera a grafia de cerca de 0,5% das palavras em português. Com o adiamento, continuará sendo opcional usar, por exemplo, o trema e acentos agudos em ditongos abertos como os das palavras "ideia" e "assembleia".

Ex-ministro Juca Ferreira será secretário de Cultura de Haddad

Folha de S.Paulo - 09/12/2012 - LUCAS NEVES / MATHEUS MAGENTA / ANNA VIRGINIA BALLOUSSIER - O ex-ministro da Cultura Juca Ferreira (2008-10) aceitou neste sábado (8) o convite do prefeito eleito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), para assumir a pasta municipal da Cultura na nova gestão. Ele deve ser anunciado oficialmente para o cargo na próxima quinta-feira (13) ao lado de outros cinco secretários. Segundo pessoas ligadas ao ex-ministro, o convite foi feito por Haddad há pelo menos cinco dias. Ferreira pediu um tempo para pensar na proposta porque teria sido convidado para assumir a pasta estadual de Cultura da Bahia, na gestão Jaques Wagner (PT).

Câmera vai proteger estátua de Drummond no Rio

UOL Noticias - 28.12.2009 - Câmera vai proteger estátua de Drummond no Rio - A Prefeitura do Rio de Janeiro instalou hoje (28) uma câmera digital para monitorar 24h por dia e proteger de vandalismo a estátua do escritor Carlos Drummond de Andrade, que fica em um banco da Avenida Atlântica. Pela sexta vez a estátua ganhou novo par de óculos. Foi feito ainda o reparo no ombro da estátua, além de aplicação de pátina para cobrir os reparos e dar uniformidade à cor original do monumento. No banco que serve de base para a estátua, a placa onde está escrito o verso "No mar estava escrita uma cidade", corroída pela maresia, será reposta depois de passar por restauração.

Escritor advoga criação do Instituto Machado de Assis pelo Brasil

Jornal do Brasil - 21/07/2011 - O escritor Antônio Campos afirmou que o Brasil deve apressar a criação do Instituto Machado de Assis. A declaração foi dada à Rádio ONU durante uma entrevista sobre o tema da Aliança das Civilizações e de maior conhecimento entre povos e culturas no mundo. Segundo Campos, a criação da entidade pelo Brasil ajudaria a promover tolerância, com base no modelo brasileiro civilização, e também a língua portuguesa.

Família brasileira gasta 0,4% da renda familiar em livros não didáticos

PublishNews - 07/08/2012 - Iona Teixeira Stevens - Foi publicada hoje a Pesquisa LOF – O Livro no Orçamento Familiar, que utiliza dados da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 2008-2009. A pesquisa revela que, em comparação a 2002-2003, caiu a proporção de domicílios que adquiriram algum material de leitura, de 40,66% para 36,16%. Considerando apenas livros não didáticos, o aumento foi um mero 0,63 ponto percentual, passando de 7,47% a 8,10%. A renda familiar cresceu, em termos reais, 4,4% no intervalo.

Doação de livro vira pena alternativa no interior de SP

AE - Agência Estado - 26.08.2010 - Quem se envolver em crimes leves em Presidente Venceslau, no extremo oeste paulista, terá a chance de optar pelo pagamento de uma pena alternativa inédita no País: a doação de livros infantis para os cerca de 4 mil alunos das 16 escolas municipais. O autor da ideia é o juiz Silas Silva Santos, de 33 anos, titular da 1.ª Vara Judicial do Fórum de Presidente Venceslau. A doação de livros substitui outras penas alternativas, como doação de cestas básicas, prestação de serviços comunitários e pagamento de multas. Para escapar de processos, 24 interessados aderiram à proposta do magistrado desde março. Até agora, 14 acusados doaram 648 livros infantis à Secretaria Municipal de Educação.

Grupo de escritores chineses processa Apple, diz mídia estatal

Folha S.Paulo - 19/03/2012 - REUTERS - Um grupo de 22 autores chineses registrou um processo contra a Apple, alegando que sua loja on-line de aplicativos vende cópias não licenciadas de seus livros, disse a mídia estatal chinesa neste domingo.  O grupo, a União dos Direitos de Autores, exigiu no ano passado que a Apple abandonasse a distribuição eletrônica dos livros dos escritores e havia antes persuadido a Baidu, maior ferramenta de busca da China, a parar de publicar o material em seu produto Baidu Library.

Erradicação do analfabetismo some do plano plurianual de metas de Dilma

O Estado de S. Paulo - Marta Salomon - 19/09/2011 - Com quase 14 milhões de brasileiros sem saber ler nem escrever um bilhete simples, a presidente Dilma Rousseff deixou de lado o compromisso de campanha de erradicar o analfabetismo no País. O objetivo não aparece no Brasil Maior, o plano plurianual com as metas detalhadas do governo até 2015, recentemente enviado pelo governo ao Congresso.

Agência Riff

Nossa agência literária foi inaugurada em 1991 por Lucia Riff (em sociedade com Carmen Balcells e Cristina de Mello e Souza) com o objetivo de agenciar autores brasileiros no Brasil e também no exterior – e ainda para agenciar Editoras e Agências Literárias estrangeiras para o mercado de publicação em língua portuguesa (Brasil e Portugal). Começamos como Agência Literária Balcells Mello e Souza Riff slc Ltda., ou simplesmente Agência Literária BMSR.

Em dezembro de 2003 foi criada uma nova estrutura para a sociedade, e a agência passou a ter como sócios apenas Lucia Riff, Laura Riff e João Paulo Riff. E foi com muita alegria e orgulho que assumimos em outubro de 2006, no ano em que completamos os primeiros 15 anos de vida, o nome definitivo: Agência Riff. A sede da agência fica bem no coração de Ipanema, no Rio de Janeiro, ao lado da Praça N.Sra. da Paz, com vista para o mar e para o Morro Dois Irmãos, e também para a Lagoa Rodrigo de Freitas, e para o Cristo Redentor.

Bienal do povo?

Diário do Nordeste - 21/4/2010 - DALWTON MOURA - Um evento, por opção mais popular. Assim a Secretaria de Cultura do Governo do Estado avalia a IX Bienal Internacional do Livro 2010, encerrada domingo último, no Centro de Convenções, após 10 dias de atividades. Para a Secult e o Conselho Curador do evento, a Bienal atingiu o objetivo proposto, de atrair um número expressivo de visitantes, tendo por chamarizes escritores carismáticos, conhecidos pelo grande público.

Incêndio no Cairo arrasa acervo de Napoleão

Estadão - 20.12.2011 - CAIRO - Pelo menos 192 mil livros, coletâneas e ensaios de valor histórico inestimável foram reduzidos a cinzas depois de o prédio do Institut d'Egypte - centro de estudos de egiptologia fundado por Napoleão Bonaparte, no fim do século 18 - ter se tornado palco da disputa pelo poder no Cairo. Ao longo do fim de semana, vários relatos davam conta de que o acervo histórico, localizado a metros da Praça Tahrir, poderia ter sido parcialmente destruído. Ontem, a extensão da tragédia tornou-se evidente.

Ditos Populares

Uma expressão idiomática ou expressão popular, na língua portuguesa, é uma expressão que se caracteriza por não ser possível identificar seu significado através de suas palavras individuais ou de seu sentido literal. Desta forma, também não é possível traduzi-la para outra língua de modo literal. Essas expressões geralmente se originam de gírias, cultura e peculiaridades de diversos grupos de pessoas: seja pela região, profissão ou outro tipo de afinidade. Exemplos.
 

Lixo da propaganda eleitoral poderia produzir 20 milhões de livros

O Globo - 08/12/2012 - Todo o lixo produzido pelo material impresso da propaganda eleitoral para o pleito deste ano poderia ser utilizado para a publicação de 20 milhões de livros escolares com 50 páginas. O cálculo foi divulgado pelo juiz auxiliar da Presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Paulo Tamburini, na sexta-feira em congresso de comemoração dos 10 anos da Escola Judiciária Eleitoral. O levantamento foi produzido com base nas prestações de contas dos candidatos, que pode ser consultada no site do TSE.

Fundação Tide Setubal lança Campanha de Arrecadação de Livros

Fundação Tide Setubal - 02/09/2011 - O lançamento da Campanha de Arrecadação de Livros marca o início dos preparativos para o Festival do Livro e da Literatura de São Miguel Paulista, que acontecerá no fim de outubro. A proposta é estimular a população de toda cidade de São Paulo a doar livros usados ou novos. Os exemplares serão distribuídos para estudantes de escolas públicas e moradores da zona leste durante este grande evento aberto e gratuito de incentivo à leitura.

Agenciamento Literário: uma boa opção!

No mercado editorial brasileiro existem inúmeras editoras com perfis distintos de publicação, e certamente uma delas é a mais adequada para cada obra literária. Porém, a maioria dos autores, ao dedicarem-se exclusivamente à sua atividade de escrever sobre o assunto que dominam, desconhecem os trâmites de como chegar à tão desejada publicação de seu livro, e muitas vezes perdem a oportunidade de serem editados por não saberem como e onde apresentar seu trabalho.

É muito difícil para um autor, principalmente para um estreante, conseguir que seu trabalho seja lido por uma editora. É aí que entra a figura do agente literário. Conhecido no meio editorial, o agente literário aconselha autores - tanto os novos quanto os já conhecidos do grande público -; apresenta o trabalho deles para as editoras adequadas, ou seja, aquelas que trabalham com o tipo de material produzido pelo autor; negocia contratos; administra a cessão de direitos autorais etc. É um profissional que divulga o trabalho do autor junto às casas publicadoras, ao mesmo tempo que defende os direitos do escritor.

Exclusão de termo de livro de Mark Twain evoca episódio com Monteiro Lobato

Folha.com - 08/01/2011Juliana Vaz / Marco Rodrigo Almeida - No capítulo 32 do livro "As Aventuras de Huckleberry Finn", quando tia Sally pergunta se havia feridos num acidente com um barco a vapor, o garoto Huck responde: "Não. Só matou um negro". Publicado por Mark Twain (1835-1910) em 1884, o romance conquistou milhares de fãs apaixonados e também muitos detratores que o acusavam de racista por conta de passagens como a descrita acima. Por anos foi proibido nas escolas dos EUA.

As margens da página no texto impresso e no texto digital: espaços virgens ou reservas especiais?

Diante do livro impresso, objeto acabado após o tratamento editorial, o que pode fazer o leitor para interferir na obra? Anotar, escrever nas margens, fazer perguntas que jamais serão respondidas, exclamar, comentar com prazer solitário.

No entanto, não raro jornais e revistas publicam matérias sobre a conservação de livros nas quais bibliotecários e historiadores especializados em restauração dão dicas de como evitar que as obras se acabem em prateleiras de madeira cheias de cupins.

Bíblia de Mogúncia

A Bíblia de Mogúncia, impressa sobre pergaminho, cada página em duas colunas com 48 linhas, sendo as iniciais dos capítulos feitas à mão com tinta azul e vermelha.

Trata-se da primeira obra impressa na qual aparecem data, lugar e nomes dos impressores, Fust e Schoeffer (ex-sócios de Gutenberg), no colofão.

É o incunábulo mais antigo da Biblioteca Nacional, que possui dois exemplares.

Brasil no ranking mundial do roubo de obras culturais

O Estado de S. Paulo - 09/09/2007 - por Rodrigo Brancatelli e Fabiane Leite - A imagem do ladrão de quadros refinado dos filmes de James Bond, que bebe um copo de Chardonnay antes do roubo espetacular de um Matisse, está bem longe da realidade brasileira. 

Nos últimos roubos e furtos a museus - como os que dilapidaram acervos da Biblioteca Nacional, no Rio, e do Museu do Ipiranga, em São Paulo -, 6 mil peças raras desapareceram em ações toscas, que só aconteceram por causa dos sistemas de segurança deficientes e da falta de organização dos acervos.

Livro raro roubado custa até US$ 60 mil nos EUA

Folha de S. Paulo - 04/02/2012 - Por André Caramante - Um dos livros roubados anteontem do Instituto de Botânica de São Paulo custa US$ 60 mil (R$ 103,9 mil) em um antiquário norte-americano. A informação é de um alerta emitido pela Polícia Federal e se refere à obra Sertum Palmarum Brasiliensium. Nesse mesmo antiquário, existem também gravuras que integraram exemplares das outras obras roubadas que custam de US$ 500 (R$ 866) a US$ 1.500 (R$ 2.598). Por conta desse informativo da PF, os 15 volumes de três obras raras roubadas do Instituto de Botânica, na Água Funda, zona sul, entraram para a lista de bens procurados pela Interpol no mundo.

Canon firma parceria com Fábrica de Livros

Com o objetivo de difundir a impressão sob demanda de livros, fabricante estabelece acordo e planeja ações para crescer no segmento de impressão digital. A Canon, empresa japonesa especializada no desenvolvimento de tecnologias de gerenciamento de documentos e de imagem, anuncia parceria com a Fábrica de Livros, que oferece ao mercado a produção de livros em pequenas tiragens e sob demanda. O acordo, que foi celebrado no mês de março, prevê a instalação na Fábrica dos modelos imageRUNNER 85 e imagePRESS C1, ambos da Canon.

Jornalista lança livro em que mistura ficção e realidade na chamada "Guerra dos Fanáticos"

Paranashop - 20/07/2011 - O romance “O Reino Místico dos Pinheirais” (ed. Scortecci, 209 pág., R$ 29,00) – novo livro que o escritor e jornalista paranaense Wilson Gasino está lançando na próxima quarta-feira (20 de julho), às 18h30, na Livrarias Curitiba do Shopping Estação, Av. Sete de Setembro, 2775, Centro, Tel. (41) 3330.5119, com entrada franca - conta a saga de uma família dividida pela guerra sertaneja, misturando ficção, fatos históricos e toda a mitologia que envolve o Contestado.

O CUIDADOR

A revista O CUIDADOR que compartilha o cuidado e a sabedoria dos cuidadores, que acolhe suas necessidades, publica suas histórias e traz orientações jurídicas, arteterapia, literatura, lugares que cuidam, experiências de grupos, depoimentos e muito mais chega a 24ª edição.
Nesta edição: A moradia e os cuidadores de quem tem transtorno mental, homeopatia e o cuidado, um cuidado com informática, animal coterapeuta na APAE, doulas e a escolha da mãe, inclusão que pode ser sucesso, arteterapia e a fala dos cuidadores.


Marcelo Araújo é o novo secretário de Cultura de SP

Folha de S. Paulo - 03/04/2012 - Matheus Magenta e Fabio Cypriano - O governo de São Paulo anunciou ontem que o diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo, Marcelo Mattos Araújo, será o novo secretário de Estado da Cultura. Ele substituirá o tucano Andrea Matarazzo, que deixa o cargo para atuar na pré-candidatura de José Serra (PSDB) à Prefeitura de São Paulo. Matarazzo tenta se viabilizar como vice na chapa. Ainda não há data para a posse do novo secretário. Advogado e museólogo, Araújo é diretor da Pinacoteca desde 2002. Antes, dirigiu o Museu Lasar Segall, em SP.

Reflexões sobre uma revolução

Estadão - 25.03.2013 - Maria Fernanda Rodrigues - Desde a criação da imprensa, por Gutenberg, fazer um livro foi mais ou menos igual. O autor escrevia, o editor avaliava, o copidesque e o revisor liam e corrigiam, o designer fazia o projeto gráfico, ele era novamente revisado e então impresso. Mais de cinco séculos sem grandes novidades. As diferenças residiam na escolha de um papel mais confortável para a leitura, uma capa mais chamativa ou sofisticada, um produto mais barato ou mais caro - para o consumidor que só lê e passa o livro adiante, para o que lê e quer guardar ou para o colecionador. Mas essa indústria tem sido chacoalhada desde o fim dos anos 2000, quando os e-books começaram a ter impacto no faturamento das editoras americanas e britânicas que, assim como as demais indústrias, sofriam com a recessão econômica.

Capitu traiu Bentinho? Melhor é ficar na dúvida

Estado de S. Paulo - 03.02.2008 - João Luiz Sampaio - Em enquete promovida pelo portal do 'Estadão', leitores dizem que sim; para escritores, no entanto, não importa a resposta. E, afinal, Capitu traiu Bentinho? Em Dom Casmurro, Machado de Assis optou pela dúvida. E desde então leitores de diversas gerações se perguntam: o ciúme de Bentinho era mesmo justificado? Ezequiel era de fato filho de Escobar, fruto de uma aventura extraconjugal de sua mulher?

Na semana passada, o Cultura deu início à publicação da seção Meu Machado de Assis, em que personalidades do mundo cultural darão mensalmente depoimentos sobre sua relação com a obra do escritor, de quem se lembra este ano o centenário de morte.

Em seu texto, a escritora Lygia Fagundes Telles relembrou a leitura de Dom Casmurro, a confecção do roteiro do filme Capitu, nele inspirado, e a dúvida que a persegue desde então: Capitu traiu Bentinho?

Milhares de pessoas peregrinam na Rússia para ver maior Alcorão do mundo

G1 - EFE - 23/11/2011 - Milhares de pessoas peregrinam para ver o maior Alcorão do mundo na mesquita central da república muçulmana russa do Tartaristão, informaram nesta terça-feira à Agência Efe as autoridades locais. 'Todos que quiserem ver o Alcorão podem comparecer, seja muçulmano ou não. Estaremos na mesquita Kul Sharif no Kremlin de Kazan, a capital de Tartaristão', afirmou Tatiana Larionova, uma porta-voz da Fundação de Renascimento do Legado Histórico e Cultural dessa região russa.

Empresa britânica lança livros em formato de maços de cigarros

Folha Online - 04.02.2010 - Todo apaixonado por livros cobiça, de certa forma, maneiras e meios mais ágeis de transportar suas obras preferidas. A editora britânica TankBooks decidiu realizar o sonho dos leitores de forma inusitada --livros no formato de maços flip-top de cigarros. Os volumes cabem no bolso e podem ser transportados de um lado para o outro. Conheça os 11 títulos literários disponíveis. Esses pequenos livros, que podem ser carregados com a facilidade de um maço de cigarros, possuem contéudo integral e sem abreviações dos originais, em um tamanho tipográfico acessível para a leitura.

O CUIDADOR

Vidas inteiras são passadas, de lamento em lamento, de pequenas felicidades, de momentos fugazes e muitas incertezas. Vidas esvaziadas no ato contínuo de dedicação, adoecidas por não saberem como limitar a própria dor e dar-se o direito ao autocuidado. Esta é a vida do cuidador. Um familiar que se incumbe de atender o mais frágil do grupo. Uma mãe abandonada que sustenta, veste, educa os filhos. Sozinha. Ou um pai, um avô. Um profissional da saúde que não sabe o que fazer com a dor do paciente, que ajuda a carregar.

Carta aos Brasileiros / Goffredo Telles Júnior

Das Arcadas do Largo de São Francisco, do “Território ­Livre” da Academia de Direito de São Paulo, dirigimos, a todos os brasi­leiros esta Mensagem de Aniversário, que é a Proclamaçõo de Princípios de nossas convicções políticas.

Na qualidade de herdeiros do patrimônio recebido de nossos maiores, ao ensejo do Sesquicentenário dos Cursos Jurídicos no Brasil, queremos dar o testemunho, para as gerações futuras, de que os ideais do Estado de Direito, apesar da conjuntura da hora presente, vivem e atuam, hoje como ontem, no espírito vigilante da nacionalidade.

Queremos dizer, sobretudo aos moços, que nós aqui estamos e aqui permanecemos, decididos, como sempre, a lutar pelos Direi­tos Humanos, contra a opressão de todas as ditaduras.

Nossa fidelidade de hoje aos princípios basilares da Democracia é a mesma que sempre existiu à sombra das Arcadas: fidelidade indefectível e operante, que escreveu as Páginas da Liberdade, na História do Brasil.

Estamos certos de que esta Carta exprime o pensamento ­comum de nossa imensa e poderosa Família – da Família formada, durante um século e meio, na Academia do Largo de São Francisco, na Faculdade de Direito de Olinda e Recife, e nas ­outras grandes Faculdades de Direito do Brasil – Família indestrutível, espalhada por todos os rincões da Pátria, e da qual já saíram, na vigência de Constituições democráticas, dezessete Presidentes da República.

Drummond para levar no bolso

PublishNews - 07.01.2010 - Redação - Para os que não dispensam a poesia de Carlos Drummond de Andrade, uma ótima notícia. A seleção de poemas publicados originalmente pela José Olympio em 1969, e que posteriormente foi ampliada pelo autor e reeditada, pode ser saboreada agora em apenas três volumes de bolso. Os 23 livros do poeta estão compilados na nova reunião: 23 Livros de Poesia (BestBolso, Vol. 1 - 420 pp., Vol. 2 - 392 pp., Vol. 3 - 574 pp., R$ 14,90 – cada volume). No primeiro volume, oito livros de poesia, o leitor encontrará clássicos como: Alguma poesia, Brejo das almas, Sentimento do mundo, José, A rosa do povo, Novos poemas, Claro enigma e Fazendeiro do ar.

Polícia prende suspeito e recupera livros raros roubados do Instituto de Botânica

iG São Paulo - 03/04/2012 - Policiais do Deic - Departamento de Investigações Criminais recuperaram na noite de ontem os 22 volumes roubados no dia 2 de fevereiro deste ano da biblioteca do Instituto de Botânica do Estado de São Paulo, na Água Funda, zona sul da capital paulista. Na ocasião, dois homens armados com revólveres renderam dois seguranças, três funcionários e dois estagiários antes de levar os livros. 
 

Cartazes de livro de Paulo Coelho são censurados na Polônia

Folha Online - 07/06/2007 - Os cartazes de propaganda do último romance de Paulo Coelho, "A Bruxa de Portobello", foram censurados em Varsóvia, na Polônia. Tarjas pretas foram coladas sobre os cartazes de divulgação do livro, que mostram o dedo de um bebê acariciando um mamilo feminino. São cerca de 200 cartazes de vários tamanhos que estão espalhados pelas ruas, estações de metrô e prédios públicos de Varsóvia. De acordo com o jornal Gazeta Wyborcza, a publicidade foi censurada por iniciativa da própria editora do livro de Coelho, a Drzewo Babel.

Centro Cultural São Paulo

Concebido inicialmente para abrigar uma extensão da Biblioteca Mário de Andrade, o Centro Cultural São Paulo acabou sofrendo, no decorrer de suas obras, uma série de adaptações para se transformar em um dos primeiros espaços culturais multidisciplinares do país.

Inaugurado em 1982, oferece espetáculos de teatro, dança e música, mostras de artes visuais, projeções de cinema e vídeo, oficinas, debates e cursos, além de manter sob sua guarda expressivos acervos da cidade de São Paulo: a Pinacoteca Municipal, a Discoteca Oneyda Alvarenga, a coleção da Missão de Pesquisas Folclóricas de Mário de Andrade, o Arquivo Multimeios e um conjunto de bibliotecas que ocupa uma área superior a 9 mil m2.

A construção completa do edifício, conforme prevista em seu projeto original, nunca chegou a ser concluída. A despeito disso, o CCSP firmou-se como um pólo de apoio às produções experimentais, um ponto de encontro de artistas, um lugar de convivência que assumiu a feição de extensão da casa das pessoas.

Melhoramentos doa verba para nova Bicicloteca

Jornal da Tarde - 28.09.2011 - LUIZA ALCADE - O furto da Bicicloteca – bicicleta adaptada pelo ex-morador de rua Robson Mendonça para ser uma biblioteca sobre duas rodas –, ocorrido há uma semana no centro da capital, comoveu o superintendente da Editora Melhoramentos, Breno Lerner. O executivo resolveu doar dinheiro para ser comprada uma nova bicicleta e, assim, o projeto ter continuidade.

CHILE devolve ao PERU livros sequestrados durante guerra

Portal Ansalatina - 05.11.2007 - O Chile realizou hoje a entrega em Lima de 3.788 livros pertencentes ao Peru e que se encontravam em bibliotecas chilenas desde a Guerra do Pacífico de 1879. A entrega foi feita pela responsável pela Direção de Bibliotecas, Arquivos e Museus do Chile, Nivia Palma, junto com o seu análogo peruano, Hugo Neira. Dez historiadores chilenos rastrearam todos os arquivos históricos e verificaram a existência de um carimbo original da Biblioteca Nacional de Lima em cada um dos volumes que foram devolvidos. 

Cidade do Livro completa 1 ano com festa e eventos

Bom Dia Bauru - 18.09.2007 - Palestras, apresentação de um grupo coral, lançamento e relançamento de livros marcam, a partir de hoje, as comemorações do primeiro aniversário do Espaço Cultural Cidade do Livro, em Lençóis Paulista, 50 quilômetros a leste de Bauru. Não é preciso fazer inscrição prévia e nem pagar taxas para participar dos eventos, informa a secretária de Educação e Cultura de Lençóis Paulista, Izabel Cristina Lorenzetti – a pasta organiza o evento.

Cidade do Livro terá 28 apresentações abertas ao público

A Cidade do Livro anuncia uma grande novidade: nestas férias de julho, haverá 28 apresentações abertas ao público. Normalmente, o espaço recebe grupos escolares de março a dezembro.

Com duas horas e meia de duração, este ano a Cidade do Livro – que recebe crianças entre três e 12 anos – está trabalhando o tema “O futuro do planeta”, levando o público a pensar sobre a devastação do meio ambiente, a violência e o preconceito, e propondo atitudes positivas para um futuro melhor através de atividades lúdicas.

Livro sobre educação sexual para muçulmanos gera polêmica no Paquistão

BBC News - Aleem Maqbool - 15/02/2011 - Um livro que se propõe a educar jovens muçulmanos sobre o sexo sem desrespeitar a doutrina islâmica está causando polêmica no Paquistão. A obra, cujo título inglês é Sex Education for Muslims, (em tradução literal, Educação Sexual para Muçulmanos), foi escrita pelo psiquiatra Mobin Akhtar, de 81 anos.

Irã proíbe livros de Paulo Coelho

Estadão - 10.01.2011 - O escritor Paulo Coelho foi informado por seu editor no Irã, Arash Hejazi, que a publicação de seus livros foi proibida no país persa pelo Ministério da Cultura e das Diretrizes Islâmicas, segundo informações publicadas nos blog do autor. Paulo Coelho disse contar com o governo brasileiro para resolver o caso, o que considerou como "um mal-entendido". "Espero que o Itamaraty e a ministra da Cultura, Ana de Hollanda, não se omitam em relação a essa medida arbitrária pois, caso contrário, estarão assinando embaixo", disse o escritor ao Estado.

JB deixará de circular e terá apenas versão na internet

O Globo - 13/07/2010 - O Jornal do Brasil, um dos mais antigos do país — que teve a sua primeira edição impressa em 1891 —, vai deixar de circular. A data para o fim da versão em papel será decidida entre amanhã e quinta-feira, disse ontem o empresário Nelson Tanure, dono da marca. Com dívidas estimadas em R$ 100 milhões e vendo a circulação despencar, Tanure tentou encontrar um comprador para o jornal. Sem sucesso, decidiu manter o jornal só na internet.

Como se contam os anos

UOL - Fabiano Maisonnave - Até o ano 525 da Era Cristã, o mundo ocidental não contava os anos como hoje. O marco do início dos tempos era a fundação de Roma, o ano da legendária fundação da cidade pelos irmãos Rômulo e Rêmulo, chamado ano zero A.U.C ("ab urbecondita").

A Era Cristã em que vivemos foi inventada por Dionysius Exiguus (em português, Dênis, o Exíguo), a pedido do papa João 1°, no ano de 525 d.C (correspondente ao ano 1278 A.U.C.).

O objetivo da reforma era acabar com a falta de sincronia entre as igrejas para o cálculo da Páscoa. O cálculo para a Páscoa mais conhecido até então havia sido criado pelo bispo da Alexandria, mas várias igrejas seguiam diferentes sistemas, numa confusão bíblica.

Projeto sobre literatura trabalha a autoestima de alunos

Globo.com - Agência Brasil -  24/11/2011 - Um jeito lúdico de ensinar literatura está mudando para melhor a vida de muitos estudantes de escolas públicas na zona leste da cidade de São Paulo. A Academia Estudantil de Letras (AEL) é uma estratégia pedagógica que tem dado tão certo que começa a ser levada agora para cidades vizinhas e já atravessou a divisa do estado.

Inventário de Diversidade Linguística

MinC - 13.12.2010 - O Diário Oficial da sexta-feira (10) publicou o Decreto 7387, assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que institui o Inventário Nacional da Diversidade Linguística (INDL). A gestão desse instrumento será liderada pelo Ministério da Cultura (MinC), por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), e compartilhada pelos ministérios da Educação, Justiça, Ciência e Tecnologia e Planejamento, Orçamento e Gestão.

Papa veta a imagem de um Jesus revolucionário em seu novo livro

Folha.com - 10/03/2011 - FRANCE PRESSE - O papa Bento 16 vetou a imagem de um Jesus Cristo politizado e revolucionário em seu novo livro, lançado nesta quinta-feira em sete idiomas e no qual absolve os judeus como responsáveis pela morte do filho de Deus. O segundo volume do livro do papa sobre a vida de Cristo, "Jesus de Nazaré - Da entrada em Jerusalém até a Ressurreição", tem um profundo conteúdo teológico e, em seu prefácio, Bento 16 precisa que "não se trata de um documento de magistério" --portanto, infalível--, e sim um "percurso pessoal interior na busca do rosto de Deus".

Para Pilar del Río, viúva de Saramago, livro póstumo é um presente inesperado

Folha de S. Paulo - 17/02/2011 - EFE - A um dia de completar oito meses da morte do escritor José Saramago, a cidade de Barcelona homenageia o português com diferentes eventos, um deles relacionado com sua obra póstuma, "El Último Cuaderno", que sua esposa, Pilar del Río, considerou como "um presente inesperado". Com prefácio escrito por Pilar e pelo italiano Umberto Eco, "El Último Cuaderno" reúne os textos que Saramago escreveu de forma assídua em seu blog pessoal.

Consumidores dos EUA preferem livros em papel aos eletrônicos

Último Segundo - 30/05/2008 - Por Kristina Cooke - NOVA YORK (Reuters) - Parece que o conforto de se sentar na poltrona com um bom livro é difícil de superar. Ainda que formatos eletrônicos de leitura estejam agora mais acessíveis, 82 por cento dos norte-americanos continuam preferindo livros em papel, de acordo com uma pesquisa editora Random House e da Zobgy divulgada na sexta-feira. Mas a pesquisa, que avalia os hábitos de leitura e consumo de livros no país, também constatou que 13 por cento dos leitores de menos de 30 anos estavam dispostos a ler um livro com um aparelho eletrônico, ante apenas seis por centro entre os leitores de mais de 65 anos.

João Sayad é eleito presidente da Fundação Padre Anchieta

Folha Online - 10/05/2010João Sayad, ex-secretário da Cultura do Estado de SP, é o novo diretor-presidente da Fundação Padre Anchieta, que administra a rádio e TV Cultura. A informação foi divulgada pela assessoria de imprensa da emissora. A nomeação de Sayad foi ratificada após votação favorável de 35 dos 39 conselheiros presentes, nesta segunda-feira, durante reunião do Conselho Curador. O ex-presidente da fundação, o jornalista Paulo Markun, perdeu o apoio do governo há cerca de três semanas, segundo ele, de forma "inesperada". O ex-governador José Serra (PSDB) foi crítico à gestão de Markun, que teria tido dificuldades para demitir funcionários e mudar a programação.

Marcos Monteiro assume a Imprensa Oficial

PublishNews - 17.01.2011 - O ex-secretário de Gestão Pública Marcos Monteiro assume nesta segunda-feira (17) o posto de presidente da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. Nos últimos oito anos, a empresa foi comandada por Hubert Alquéres, que a transformou também em uma editora. Nesse período, foram publicadas centenas de livros sobre a história do Brasil e, sobretudo, do estado de São Paulo que não encontravam espaço nas editoras comerciais. Livros que regatavam a produção cultural brasileira também foram uma constante em sua gestão.

Lobato, Leitura e censura

04.11.2010 - Os abaixo-assinados, escritores brasileiros que, como Monteiro Lobato, têm suas obras destinadas às crianças brasileiras, vêm, através deste documento, apresentar seu desagrado e desacordo ao veto do Conselho Nacional de Educação ao livro As Caçadas de Pedrinho, do nosso grande autor. Suas criações têm formado, ao longo dos anos, gerações e gerações dos melhores escritores deste país que, a partir da leitura de suas obras, viram despertar sua vocação e sentiram-se destinados, cada um a seu modo, a repetir seu destino. A maravilhosa obra de Monteiro Lobato faz parte do patrimônio cultural de todos nós – crianças, adultos, alunos, professores – brasileiros de todos os credos e raças. Nenhum de nós, nem os mais vividos, têm conhecimento de que os livros de Lobato nos tenham tornado pessoas desagregadas, intolerantes ou racistas. Pelo contrário: com ele aprendemos a amar imensamente este país e a alimentar esperança em seu futuro. Ela inaugura, nos albores do século passado, nossa confiança nos destinos do Brasil e é um dos pilares das nossas melhores conquistas culturais e sociais.

Ana Maria Machado, Bartolomeu Campos de Queirós, Lygia Bojunga, Pedro Bandeira, Ruth Rocha e Ziraldo.

Críticas ao "BookCrossing"

Como tantas outras iniciativas de partilha gratuita de bens intelectuais, o BookCrossing não fugiu a críticas, tanto a seu favor como contra si. O principal motivo das diversas críticas negativas é o de que o movimento poderá reduzir os royalties dos escritores em todo o mundo.

Será então o BookCrossing ilegal, uma vez que os membros da comunidade lêem livros sem pagarem nada por eles? A contra-argumentação dos bookcrossers baseia-se no facto de que este movimento não é ilegal, se não também as bibliotecas o seriam.

Roberto Ribeiro de Luca lança seu livro, Estesia, em Embu das Artes/SP

Roberto Ribeiro de Luca, da Academia de Letras de Limeira, SP, lança o livro Estesia, de poemas. O autor, formado em História e Direito, escreveu em 2000 o livro Ascendentes e Descendentes do Alferes Joaquim Franco de Camargo e Maria Lourença de Moraes, editora Edicon. O lançamento do livro Estesia será no dia 5 de agosto, sexta-feira, 19 horas, na sala Ana Moysés, do Centro Cultural Mestre Assis do Embu (Largo 21 de Abril, 29, Centro, Embu das Artes, SP).

Saem as bolsas da Biblioteca Nacional

O Estado de S. Paulo - Maria Fernanda Rodrigues - 08/11/2011 - Até 2013, a Fundação Biblioteca Nacional espera que pelo menos 200 livros de autores brasileiros estejam traduzidos para línguas diversas e expostos nas estantes do pavilhão destinado ao Brasil na Feira do Livro de Frankfurt. O primeiro passo para uma participação consistente foi dado em julho deste ano com o anúncio, durante a Flip, da reforma e ampliação de seu antigo programa de tradução.

O LIVRO / José Mindlin

“Eu, porém, vejo na informática um caráter essencialmente complementar ao livro, pois o que este representa é insubstituível. O manuseio do livro convencional não só estabelece o ritmo de aquisição de conhecimentos pelo leitor, como chega a constituir um prazer físico. A informática é um instrumento quase milagroso para a obtenção de informação: pode-se hoje obter em minutos o que se procura, como a cópia de documentos de difícil acesso. Mas o que aparece nas telas é efêmero se não for transportado para o papel”.
José Mindlin. No Mundo dos Livros, Rio de Janeiro: Agir, 2009.

PUC-Rio oferece curso de Produção Gráfica e Fundamentos do Design Gráfico

PUC-RJ - 01/06/2011 - Com a alta competitividade dos últimos tempos a saída é estar preparado! A solução está em cursos que capacitem o profissional com uma formação eclética. Um bom profissional de design e produção gráfica deve estar preparado para cuidar de todas as etapas que transformam o projeto gráfico em um produto. Este curso irá  apresentar as diferentes etapas dos processos de criação e produção gráfica.

Time britânico de futebol leiloa livro de regras do século 19

G1 - BBC - 13/07/2011 - A diretoria do Sheffield FC, considerado pela Federação Inglesa como o clube de futebol mais antigo do mundo, resolveu vender em leilão um livro de regras do esporte feito há mais de 150 anos. O documento, escrito a mão e datado de 1857, pode chegar a arrecadar mais de um milhão de libras durante o leilão a ser realizado na famosa casa britânica Sotheby's.

FBN divulga Programa de Bolsas - 2009

15.05.2009 - A Fundação Biblioteca Nacional divulgou nesta semana editais de três bolsas de pesquisa. Estão abertas as inscrições para a seleção de bolsas do “Programa Nacional de Apoio à Pesquisa”, “Programa de Apoio à Tradução de Autores Brasileiros” e “Bolsas para Autores com Obras em Fase de Conclusão”. A data limite para o envio de projetos é o dia 12 de junho de 2009. Em relação ao “Programa Nacional de Apoio à Pesquisa”, desde 2006 foram contemplados 92 projetos que priorizavam o estudo e a divulgação do acervo da Biblioteca Nacional.

Instituto Internacional da Língua Portuguesa pode deixar de existir

Fátima Missionária29.05.2009 - Cristina Santos - A Directora do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP), Amélia Mingas, alertou hoje para a frágil situação da instituição, avança o jornal Público. Só Portugal, Brasil, Angola e Cabo Verde é que contribuem para o funcionamento da instituição. A responsável aponta para a falta de autonomia financeira como uma das principais “fragilidades” de um organismo que está ao serviço da defesa e promoção da língua portuguesa. Amélia Mingas afirma que o instituto pode desaparecer, se os países lusófonos não assumirem “politicamente” a sua importância. "O IILP nunca teve dinheiro para funcionar e o ano passado foi realmente desastroso" assume a directora. O orçamento do instituto situa-se nos 183 mil euros anuais.

Cultura autêntica

Diário do Nordeste - 03.02.2008 - Editorial - Estão na ordem do dia projetos de lei com o objetivo de preservar a integridade da Língua Portuguesa no Brasil, defendidos por puristas do vernáculo como meio de minimizar o crescente uso de palavras e frases estrangeiras. Já se tornou corriqueiro o emprego de termos e expressões idiomáticas de outros países nos mais diversos segmentos da sociedade, desde a denominação de estabelecimentos comerciais até os jargões de relacionamentos profissionais. Colocando à parte os exageros, deve-se considerar que a língua é um elemento vivo, quer dizer, ela sofre influência do meio e tende a transformar-se para se adaptar às novas condições, sob pena de fossilizar-se e morrer de inanição. Portanto, o projeto de proteção da língua pode tornar-se a sua perdição, razão pela qual seus propósitos merecem ser reavaliados.

Cultura sem Manuelito

Diário do Nordeste - 21.10.2007 - Artur Eduardo Benevides - Não faz muito, perdemos Gerardo Mello Mourão, um dos maiores poetas brasileiros e glória das letras cearenses. Agora, o falecimento de Eduardo Campos (Manuel Eduardo Pinheiro Campos) constitui igualmente terrível ocorrência para a nossa cultura, no campo do teatro, do romance, do conto e do ensaio, gêneros em que se destacou nacionalmente, sobretudo por seu extraordinário poder de criação. Meu primo legítimo (nossas mães eram irmãs) morou, alguns anos, em minha casa, na Praça da Bandeira, pois seus pais residiam em Mondubim. E juntos realizamos tudo o que dois jovens podem fazer, logo que descobrem seus pendores intelectuais. Chegamos a criar o teatro-escola Renato Viana, no bairro de São Gerardo, sendo as peças escritas por ele, com sua luminosa imaginação. Era o entusiasmo de quem começa, mas nunca demos as costas ao nosso destino, sobretudo no campo de Literatura.

Keith Richards diz em autobiografia que sonha em ser bibliotecário

G1 - EFE - 04/04/2010 - O guitarrista Keith Richards, do Rolling Stones, tem o sonho secreto de ser bibliotecário, diz o próprio em uma autobiografia que está perto de ser publicada. Segundo a edição deste domingo (4) do jornal inglês "The Sunday Times", o músico confessa no livro que, apesar de sua imagem de roqueiro, há anos cultiva uma paixão pelos livros e inclusive recebeu formação profissional para organizar os guardados em suas casas na Inglaterra e nos Estados Unidos.

SBB alcança a marca de 100 milhões de Bíblias

11/04/2011 - O ano de 2011 marcará uma conquista especial para os cristãos de todo o mundo. A Sociedade Bíblica do Brasil (SBB) alcançará no primeiro semestre a inédita marca de 100 milhões de Bíblias (87 milhões) e Novos Testamentos (13 milhões) produzidos. O expressivo número é contabilizado desde setembro de 1995, quando a Gráfica da Bíblia, instalada na Sede Nacional da SBB, em Barueri (SP), foi inaugurada.

Cultura: "Refundação" do Instituto Camões implica reformular ensino do Português no estrangeiro

RTP - Paris, 26.09.2008 - O ministro da Cultura, José António Pinto Ribeiro, afirmou hoje que a "refundação" do Instituto Camões vai implicar uma reformulação do ensino da Língua Portuguesa no estrangeiro, atendendo a que muitos alunos "não querem o Português literário". Pinto Ribeiro, que falvava em Paris nos Estados Gerais do Multilinguismo, manifestou a sua preocupação com as diásporas, onde considera ser necessário fazer um "trabalho de ensino como primeira língua, como língua estrangeira, e como língua que concorre com a língua dos países para onde essas comunidades emigraram.

Torre de Babel feita com 30 mil livros é inaugurada em Buenos Aires

Clarín - 12/05/2011 - A Torre de Babel, feita com 30 mil livros de todo o planeta pela artista Marta Minujín, foi aberta oficialmente ontem, na Plaza San Martín, em Buenos Aires/ARG. A partir de hoje até sexta-feira, 27, ficará aberta como parte das atividades para a designação de Buenos Aires como Capital Mundial do Livro 2011.

Scortecci Editora convida para o lançamento do livro "Acalanto" de Francisco Moura Campos

O Autor Francisco Moura Campos estará lançando seu mais novo livro, Acalanto (Scortecci Editora), no próximo dia 13 de Abril (quarta-feira), no Restaurante Soteropolitano, localizado na Rua Fidalga, 340, Vila Madalena, São Paulo/SP às 20 horas. O autor, nascido em Botucatu/SP, é membro do júri do Prêmio Literário Livraria Asabeça, do Grupo Editorial Scortecci, e membro do júri do Prêmio Portugal Telecom de Literatura - Portugal. Tem dez livros editados.

De onde vem a palavra sebo?

Existem algumas versões a respeito, uma delas diz que no tempo em que não havia luz elétrica as pessoas liam à luz de velas. As velas, naquele tempo, eram feitas de gordura, de sebo. Conforme iam derretendo, acabavam sujando os livros, que ficavam engordurados.

Outros dizem que os estudantes e leitores vorazes por irem a todos os lugares com um livro embaixo do braço acabavam por torná-lo sujo, ensebado. Por isso, os alfarrabistas, vendedores de livros velhos, ficaram conhecidos no Brasil como caga-sebos, e com o tempo a livraria que negocia usados ganhou o nome de sebo, que não era lá muito elogioso.

Dizem que um livreiro de Pernambuco foi o primeiro a assumir esse nome e colocá-lo na porta de entrada da sua livraria, nos anos 50.

Uma outra versão foi defendida por Silveira Bueno (Grande Dicionário Etimológico Prosódico da Língua Portuguesa), que classifica: "Do particípio presente "sapiente" se fizeram várias derivadas: "sabença" ("sapientia"), "sabente" e desta forma "sabentar-se" em espanhol, "asabentar" em provençal, catalão, correspondendo ao italiano "insaventire", tornar-se sábio, eruditar-se, instruir-se, donde o português arcaico "assabentar", "sabentar".

Desta forma verbal saiu "sabenta", a apostila, o conjunto de lições, explicações de aula. Houve assimilação de "a" e "e" ("sebenta") já sob a influência do adjetivo "sebento", "sebenta". Assim, "sebenta" nada tem a ver com "sebenta" de sebo, mas queria dizer: a obra, a coleção de notas de classe que tornava o estudante mais preparado, mais sábio."

Fonte: Bazar das Palavras

Deputados querem saber sobre a bibliodiversidade

Galeno Amorim - 05/02/2009 - A Frente Parlamentar de Defesa da Leitura está preparando seu calendário de ações para 2009. A primeira delas acontece em março: as entidades do livro serão convocadas para uma audiência pública na Câmara dos Deputados para debater a questão da bibliodiversidade. Os parlamentares querem saber das lideranças do mercado editorial o que tem sido feito para preservar a rica produção editorial nacional e como isso deve se dar no futuro próximo. Há uma grande preocupação diante da enorme quantidade de livros importantes que encontram-se fora de catálogo e da consequente dificuldade de acesso a obras recentemente produzidas e que já não podem mais ser encontradas nas prateleiras do País.

Dez passos rumo ao desprestígio

O Estado de S. Paulo - 30.12.2007 - Alcir Pécora - Repassando 2007 mentalmente, me vieram à cabeça as seguintes tendências no campo da literatura, umas novas, outras que só confirmam as observadas nos anos mais recentes:

1. A proliferação de Flips, Flaps, Flops, Baladas e Copas Literárias, e até Raves Culturais, nas quais a literatura aparentemente se afirma como evento globalizado de massa ou motivo de festa popular, associada a fenômenos alegadamente deleitosos como batuque, botequim, noitada, e, por que não?, celebridades, pois nem elas querem ficar por fora da grande “novidade” da leitura, assim como os novos “leitores” não querem deixar de tirar uma lasquinha ao vivo de seu astro, que digo?, de seu “autor favorito”. Dessa tendência, a pergunta relevante é saber em que medida a imaginação da literatura, trabalhada pelo marketing dito “cultural”, pode contribuir para incrementar o hábito festeiro, pois a questão contrária, isto é, de que modo a festa pode contribuir para a literatura, é apenas uma piada de salão.

DISTINÇÃO ENTRE VOCABULÁRIO E DICIONÁRIO / Prof. Arnaldo Niskier

Era preciso, por um dispositivo legal, que a Academia Brasileira de Letras lançasse no mercado o seu Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa, esgotado desde 1985.

Isso foi feito agora, numa coedição com a Imprensa Nacional, dispondo o documento de cerca de 360 mil verbetes, 6.242 dos quais, novos.

O VOLP é polêmico - e é isso exatamente que se deseja, para que ele possa ser aperfeiçoado pela ABL a cada ano.

Vocabulário ou dicionário?

Até Machado de Assis, no conto intitulado Dicionário, fez confusão entre os termos. Mas é preciso esclarecer: o vocabulário traz apenas a grafia correta da palavra e a sua categoria gramatical; o dicionário, mais completo, traz a palavra, a categoria gramatical e o seu significado. O Dicionário do Aurélio, que é o mais famoso de todos, contém 140 mil palavras.

Doação de livros para presídios

ABEU - A Diretoria Penintenciária do Mato Grosso do Sul realiza uma campanha para arrecadação de livros com a intenção de promover a leitura entre os detentos e ampliar o acervo das bibliotecas carcerárias do Estado. A campanha acontece desde o ano passado e até agora ja conseguiu 1399 exemplares.

Material não passa por avaliação do ministério

Folha Online - 03.04.2010 - Antônio Gois - Os tradicionais livros didáticos perdem cada vez mais espaço para as apostilas elaboradas por redes de ensino privado. Levantamento feito pela Folha mostra que ao menos um terço dos colégios particulares já adota esse sistema de ensino em substituição ou complemento dos livros. Dos 18 grupos identificados, apenas três -Etapa, Expoente e Ser- não quiseram divulgar seus números. Com as informações dos 15 demais sistemas, foi possível calcular que ao menos 7.000 escolas (33% do total de 21 mil instituições particulares de ensino fundamental e médio do país) trabalham com as apostilas.

Revista LB - Literatura Brasileira de volta ao Mercado Literário

Publicada originalmente no período de 1996 a 2008, a LB Revista de Literatura Brasileira lançou 50 números.  Mantida por seu incansável criador, Aluysio Mendonça Sampaio, contou nos últimos anos com apoio da Scortecci. Com a autorização dos herdeiros de Aluysio, a revista LB volta agora em novo formato, semestral e em parceria com o PEN Clube do Brasil. A nova edição da revista traz em seu primeiro número os nomes de Astrid Cabral, Betty Vidigal, Caio Porfírio Carneiro, Carlos Felipe Moisés, Cláudio Murilo Leal, Fábio Lucas, Izacyl Guimarães Ferreira, Laura Esteves, Lêdo Ivo, Marcus Vinicius Quiroga e Reynaldo Valinho Alvarez.

Dominação cultural / Antonio Mourão Cavalcante

Vitrine de livraria é algo muito atraente. Quem gosta de ler pára logo e fica encantado. O jeito é entrar, olhar tudo que pode: os lançamentos, algumas orelhas, buscar volumes em estantes específicas. Demorar-se. Deliciar-se. E, no final, comprar algum exemplar. Assim, se alimenta o espírito. Fortaleza atualmente possui diversas opções. Cantos para se curtir uma busca atenta. Isso para não falar da Bienal que forma uma imensa livraria, com muitas lojas e exposições. Quem há de reclamar? Porém, o imbróglio se instala quando você busca um livro local. Repito: um livro que foi recentemente lançado em nossa cidade. Para este, as prateleiras se fecham. Vou explicar bem direitinho.

As maiores livrarias, sobretudo as de cadeias nacionais, instalaram-se nos grandes centros comerciais, tornando-se as principais controladoras do mercado. Só que o estoque dessas livrarias vem de São Paulo. Um livro local, escrito por um cearense ou mesmo as publicações regionais - dos estados nordestinos, universidades, por exemplo - não freqüentam as estantes dessas livrarias. Tudo deve vir do Sul. Precisa ser catalogado e registrado com a autorização de São Paulo.

Em Família

Gazeta de Limeira04.11.2007 - Pouquíssimo tempo atrás, as teorias psicológicas vigentes sustentavam que a inteligência era uma característica essencialmente genética. Hoje, pelo contrário, as neurociências demonstram que inteligência, talento e vocação são características adquiridas. E, essas características dependem, na maioria das vezes, dos responsáveis, que podem ser determinantes para um futuro, talvez, até brilhante. O assunto foi abordado pela psicopedagoga, Luci Ribeiro. Para ela, a criança que tem uma boa leitura, por exemplo, tem uma boa comunicação. “Se ele ler livros, conseguirá fazer uma leitura para um público de uma forma muito fluente”.

Livro da década

Estadão - 09.12. 2009 - Por Teresa Ribeiro Qual o livro da década?  O livro da década para mim é um, para você é outro. Ler é um exercício tão solitário, silencioso, íntimo… mas, uma das melhores partes de um livro é justamente poder falar sobre ele com quem gosta de ler, descobrir prazeres e diferenças. Gostar ou não de um livro pode aproximar ou distanciar você de alguém, uma eleição de afinidades. Essa é a proposta, que você participe da escolha do melhor livro da década. Eu já comecei, conversando com colegas da redação, Ubiratan Brasil, Daniel Jelin, Edmundo Leite, e concordamos mais ou menos com alguns movimentos importantes no período. Pistas para você.

Empresa lança papel higiênico literário na Espanha

O GloboO velho hábito de ler no banheiro ganhou um componente moderno: o papel higiênico literário. A empresa espanhola Empreendedores está lançando rolos de papel especial onde aparecem impressos clássicos da literatura mundial para que o usuário vá lendo enquanto permanecer no banheiro. O produto, vendido só através da internet, inclui trechos de literatura clássica, teatro, poesia e até textos sagrados da Bíblia e do Budismo. "Hemingway dizia que clássico é aquele livro que todo mundo respeita, mas ninguém lê. O que estamos fazendo é levar os livros aos banheiros, aproximando a literatura do homem", disse o dono da empresa, Raúl Camarero.

Livros consagrados dão lições profissionais

Veja - 26.11.2009 - Maria Carolina Maia - Um livro considerado "clássico" não morre. E, justamente por ser clássico, tem força para ganhar releituras. Prova disso é o emprego dado a títulos como o tratado militar A Arte da Guerra, do chinês Sun Tzu (544-496 a.C), e o manual político O Príncipe, de Nicolau Maquiavel (1469-1527). O mesmo ocorre com a consagrada fábula do francês Antoine de Saint-Exupéry (1900-1944) O Pequeno Príncipe. Encarados como fontes de sabedoria e reflexão, esses livros vêm conquistando espaço na cabeceira de profissionais em busca de motivação para turbinar a carreira. Ler Mais.

Pára excrever mau / Ivan Lessa

BBC Brasil - 26.02.2010 - Blog Ivan Lessa - “Escrever é a arte de cortar palavras”, sentenciou sabiamente de certa feita o magnífico poeta Carlos Drummond de Andrade. E aí está uma frase que é um perfeito exemplo de várias coisas erradas em matéria de se escrever, se não bem, ao menos direitinho. Primeiro lugar, basta Drummond. O resto do nome todo mundo conhece e o contexto esclarece. Segundo, ele não qualificou como “arte” a tarefa. Enxuto como era, tanto o homem quanto seu estilo, foi direto ao assunto. Terceiro, o verbo empregado: sentenciar. É “disse” ou “escreveu” ou não é nada. Terceiro lugar, aquele “sabiamente”. Advérbio? Próximo a Drummond? Além do mais, advérbio em “mente”? Nunquinhas. “De certa feita” esclarece o quê? Por quê adjetivar o homem e sua profissão com “magnífico poeta”? Cortemos, pois, conforme aconselhados. “Escrever é cortar palavras”, disse Drummond. Ponto. Parágrafo.

Entrelinhas

O Entrelinhas é um programa dedicado aos livros e à literatura, com trinta minutos de duração, exibido pela TV Cultura de São Paulo, com apoio da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, desde o dia 5 de julho de 2005.

Apresentado por Paula Picarelli, tendo como editor-chefe Manuel da Costa Pinto, o programa do núcleo de arte e cultura dirigido por Hélio Goldsztejn, vai ao ar pela TV Cultura e também é retransmitido por quase todas as emissoras públicas e educativas do país.

Entrelinhas segue o formato de uma revista eletrônica, reunindo a cada semana um material diverso, apresentado de maneira dinâmica e ao mesmo tempo aprofundada.

O programa exibe entrevistas gravadas na rua ou na casa dos escritores, reportagens sobre tendências do mundo literário, matérias sobre clássicos brasileiros e universais, enquetes com leitores e seções como "lançamentos", "mais vendidos" e "geografia literária".

Ministério Público vai apurar compra de livros com palavrões em SP

Folha de S.Paulo - 22.05.2009 - O Ministério Público Estadual de São Paulo vai investigar a compra de livros com palavrões e temática sexual que foram enviados pelo governo a escolas estaduais. O inquérito vai apurar quanto foi gasto com a obra e o responsável pela compra. Se comprovado mau uso de recurso público, o órgão pedirá à Justiça que exija a devolução dos recursos. A Secretaria da Educação disse que prestará todos os esclarecimentos solicitados. Os livros foram distribuídos pela Secretaria Estadual da Educação de São Paulo como material de apoio a alunos da terceira série do ensino fundamental (faixa etária de nove anos), revelou a Folha na última terça-feira.

Os melhores da década

O Globo - 26.12.2009 - Miguel Conde - O Globo faz nesta edição o seu próprio balanço da década, apresentando uma lista dos dez melhores livros de ficção ou poesia publicados por autores brasileiros nos anos 2000. Dez dos mais importantes críticos literários do país participaram da eleição. Pela ordem dos mais votados, a relação final ficou assim: Dois irmãos (Companhia das Letras - 2000, 266 pp., R$ 44,50), de Milton Hatoum, seis votos; Nove noites (Companhia das Letras - 2002, 152 pp., R$ 19 – 2006 Ed.Bolso), de Bernardo Carvalho, cinco; O voo da madrugada (Companhia das Letras - 2003, 248 pp., R$ 44,50), de Sérgio Sant’Anna, e Eles eram muitos cavalos (Record - 2007, 160 pp., R$ 32,90 ), de Luiz Ruffato, empatados com quatro; Elefante (Companhia das Letras - 2000, 152 pp., R$ 38), de Francisco Alvim...

Senado francês vota a lei do preço fixo para e-books

Publishing Perspectives - 27/10/2010 - Olivia Snaije - A França está procurando formas de proteger suas pequenas livrarias e editoras de gigantes como a Amazon, a Apple e o Google, e na noite desta terça-feira (26), o senado aprovou, por unanimidade, a proposta de lei que fixa os preços dos e-books. Até agora, os e-books não estavam incluídos na famosa lei Lang, que proíbe a venda de livros com mais de 5% de desconto no preço de capa. O ministro da Cultura e da Comunicação, Fréderic Mitterrand, expressou sua satisfação com a votação.

Nome de um índio guarani agora faz parte do Livro de Aço dos Heróis Nacionais

Correio Braziliense - 04.10.2009 - Elisa Tecles - O nome de um índio guarani ocupará uma página no Livro de Aço dos Heróis Nacionais, exposto no Panteão da Pátria, na Praça dos Três Poderes. Sepé Tiaraju é o 11º herói a entrar na publicação que homenageia brasileiros marcantes na história do país. Ele viveu no século 18 e lutou pela população guarani no Rio Grande do Sul. A Lei nº 12.032, publicada no último dia 22, determina a inscrição de Tiaraju. José Tiaraju era mais conhecido por Sepé, que, na língua guarani, significa facho de luz.

O futuro do livro, o livro do futuro? / Jerome Vonk

A necessidade já foi a mãe da invenção; agora é a invenção que é a mãe da necessidade.  Basta olhar à sua volta. Você consegue imaginar sua vida sem celular, laptop, controle remoto, acesso à internet, pen drive, cartão com chip? Você não se pergunta, às vezes, como é que os mais velhos (incluindo aí seus pais) faziam para se virar no passado? TV em preto e branco, ligações de longa distância via telefonista, ausência total de qualquer tipo de controle remoto, filmes de fotografias que demoravam uma semana para serem revelados...

O mito do escritor que não escreve

Zero Hora - 30.01.2010 - MOACYR SCLIAR - A morte de Jerome David Salinger (1919 – 2010) permite, de um lado, evocar um autor absolutamente original e de enorme sucesso. Poucos escritores conseguiram, como ele, descrever de modo tão autêntico e emocionante a condição do jovem em nosso tempo. O Holden Caulfield de The Catcher in the Rye (O Apanhador no Campo de Centeio) tornou-se um personagem paradigmático – e adorado por adolescentes e adultos. Publicado há quase 60 anos, o livro continua vendendo cerca de 250 mil exemplares por ano. Repercussão similar tiveram os contos de Nine Stories (Nove Estórias), de 1953; as duas novelas de Franny & Zooey, 1961; Carpinteiros, Levantem Bem Alto a Cumeeira e Seymour, uma Introdução, publicadas juntas em 1963.

Epitáfio de Gutenberg

Gutenberg (Johannes Gutenberg) ou Johannes Gensfleisch zur Laden zum Gutenberg, faleceu provavelmente no ano de 1468, em Mogúncia, na Alemanha.

Foi enterrado na Igreja dos Franciscanos e celebrado pelo epitáfio de Adam Gelth:



”Sobre o feliz inventor da arte de imprimir.
Consagrado a Deus, muito bom, muito grande.
A João Gensfleisch,
que descobriu a arte de imprimir
que bem mereceu de toda nação e de toda língua.
Para a imortal memória de seu nome
Adam Gelth elevou este monumento.
Seus ossos repousam felizes na igreja de São Francisco, em Mogúncia”


O túmulo de Gutenberg foi soterrado nos escombros da igreja de São Francisco, demolida em 1742. Em seu lugar, ergueu-se o templo dos jesuítas, bombardeado em 1793 e a seguir também demolido. Atualmente o espaço ocupado pela igreja é cortado pela Rua Schoeffer.

Escolas questionam eficácia de laptops

Folha Online - Winnie Hu - New York Times - Entidades de ensino norte-americanas desistem de programas que implementam uso de computadores em sala de aula. Sem benefícios pedagógicos comprovados e com custo alto, uso de informática é freado por instituições. Os estudantes da Liverpool High, uma escola de segundo grau no interior do Estado de Nova York, usaram os laptops fornecidos a eles pela escola para divulgar gabaritos de provas, baixar pornografia e invadir computadores de empresas. Quando os dirigentes escolares adotaram medidas de segurança mais rígidas para a rede do colégio, um aluno da 10ª série não só encontrou maneira de superar essas barreiras como também postou instruções na Web explicando aos colegas como fazer a mesma coisa. Dezenas dos laptops arrendados pelos alunos quebram a cada mês, e de dois em dois dias, nos períodos reservados a estudo assistido por professores, a rede da Liverpool High termina caindo, devido ao alto número de alunos que preferem navegar pela internet a dirimir suas dúvidas escolares.

Museu da Língua Portuguesa é o mais visitado do Brasil

Mercado e Eventos - 29.05.2009 - Em pouco mais de três de anos de funcionamento, o Museu da Língua Portuguesa, da Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo e sob gestão da Poiesis – Organização Social de Cultura, revolucionou a cena cultural paulista e brasileira com suas exposições temporárias e seu patrimônio imaterial, tornando-se hoje o mais visitado do Brasil. De janeiro a abril deste ano, passaram por lá 123.485 pessoas. Os dados fazem parte de um levantamento feito pela SPTuris (São Paulo Turismo). Em seguida, aparecem o Museu do Futebol (113.942), Pinacoteca (111.863), Museu de Arte Moderno (55.309) e Masp (48.000).

Espera pelo último Harry Potter chega ao fim

UOL - BBC - 21/07/2007 - Quando o Big Ben, o famoso relógio de Londres, marcou 0h01 deste sábado (20h01 de sexta-feira pelo horário de Brasília), livrarias na capital britânica e em mais de 90 países foram invadidas por uma multidão em busca de "Harry Potter e as Relíquias da Morte", o sétimo e último livro da série. Em Londres, os fãs do bruxinho criado pela escritora J.K. Rowling, muitos vindos de várias partes do mundo, formavam filas havia três dias para garantir seu exemplar e finalmente conhecer o destino do herói. Um grupo de 500 sortudos, escolhidos previamente, pode acompanhar a leitura de trechos do livro feita pela própria J.K. Rowling no Museu de História Natural de Londres.

Estrangeirismo toma conta de Viçosa

Gazetaweb - Severino Carvalho - 23.12.2007 - Foi na Rua Vigário Silva, mais conhecida como “Rua Nova”, em Viçosa, Zona da Mata alagoana, que nasceu, em 23.02.1956, José Aldo Rebelo Figueiredo. Mais tarde, depois de militar no movimento estudantil, o político da “Atenas Alagoana” se tornaria vereador e deputado federal por São Paulo, pelo Partido Comunista do Brasil (PCdoB). No dia 13.12.2007, a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara dos Deputados aprovou o projeto de lei de autoria de Rebelo, que trata da promoção, proteção e defesa da língua portuguesa.

Procurados

Folha Online - 16.01.2010 - FERNANDA MENA - Os dedos passeiam pelas prateleiras, de livro em livro. Os olhos esquadrinham o ambiente ao redor à espera do instante para a consumação do delito. Apesar do arsenal de câmeras e alarmes, o furto de livros é corriqueiro nas livrarias do país. A Associação Nacional de Livrarias (ANL) estima que os furtos representem um prejuízo de até 4% para o setor, em um mercado que movimentou R$ 1,9 bilhão de reais só em 2009. "A coisa é tão séria que as livrarias hoje usam sistemas sofisticados de vigilância", avalia Vitor Tavares da Silva Filho, presidente da ANL.

Fábulas

Fábula (lat. fari + falar e gr. Phaó + dizer, contar algo) é uma narração breve, de natureza simbólica, cujos personagens por via de regra são animais que pensam, agem e sentem como os seres humanos.

Esta narrativa tem por objetivo transmitir uma lição de moral.

São historinhas curtas que utilizam o imaginário como uma maneira de provocar magia em sua leitura, e é uma das mais antigas maneiras de se contar uma história.

A fábula é uma das mais antigas maneiras de se contar uma história.

O autor grego Esopo usava muitos bichos como personagens de suas fábulas, como tartarugas, lebres, raposas, formigas e cigarras.

Através das histórias ele criticava os valores da sociedade de sua época, para mostrar o que é certo e o que é errado.

Esopo

Acredita-se que Esopo tenha vivido no século 6 antes de Cristo.

Provavelmente foi capturado em uma guerra e virou escravo na Grécia.

Mas não há provas históricas de que ele tenha existido.

O que não dá para negar é que há mais de 300 histórias, com características semelhantes, que podem ter sido escritas ou reescritas e divulgadas por ele.

Falta de verba atrasa a inspiração

Jornal do Brasil - 10/05/2008 - por Bolívar Torres - Lançada em meados de 2007 pela Petrobras, a Seleção Pública para Criação Literária: Ficção e Poesia foi uma aposta inédita do Estado para a formação de novos escritores. Distribuindo bolsas para 23 projetos, a iniciativa oferecia aos escritores brasileiros um recurso financeiro que a maioria dos nossos autores ainda precisa buscar em trabalhos paralelos. Passado um ano de sua idealização, o andamento do projeto está sendo criticado por boa parte dos artistas selecionados, que viram a rara e sonhada chance de viver essencialmente de sua atividade literária se desfazer numa nuvem de problemas, como alta burocracia, pagamentos atrasados e mudanças bruscas de planejamento.

Fungos ameaçam a saúde de restauradores

Globo.com - Portal de notícias G1 - 29/01/2008 - Profissionais convivem com colônias de fungos que se alimentam de cola e papel velho. Médico diz que fungos de livros são mais agressivos para os olhos do que bactérias. A recuperação de um acervo valioso se tornou uma ameaça à saúde dos profissionais encarregados da restauração das obras, em Salvador. Uma equipe de profissionais tem a tarefa de restaurar mais de cem mil volumes, que foram abandonados no porão do prédio da Faculdade de Medicina de Salvador, considerada uma das mais antigas da América Latina.

Governo recua e libera R$ 400 mil para Fundação Casa de Jorge Amado

Folha S. Paulo - 10/10/2007 - LUIZ FRANCISCO - Após a família de Jorge Amado receber convites para transferir cerca de 250 mil documentos que retratam 70 anos de vida literária e política do escritor baiano para as universidades de Harvard (EUA) e Bari (Itália), o governo da Bahia cedeu à pressão e anunciou, em caráter emergencial, a liberação de R$ 400 mil para a Fundação Casa de Jorge Amado. Em março, com o fim do convênio, o governo Jaques Wagner (PT) suspendeu o repasse de R$ 68 mil por mês à fundação, sob a alegação de que o valor não poderia ser usado para pagar despesas pessoais.

Receita endurece fiscalização e penas para papel imune usado ilegalmente

ANER - Valor Econômico - Stella Fontes, de São Paulo - 09/12/2009 - A Receita Federal endureceu as regras para o segmento de papéis destinados à impressão de livros, jornais e periódicos, conhecidos como papel imune,atendendo a umas das principais reivindicações da indústria papeleira nacional. A Instrução Normativa 976/09, publicada ontem no Diário Oficial da União, estabelece maior rigor na fiscalização do uso correto desse tipo de papel e penalidades para aqueles que desviarem o produto isento de impostos da finalidade prevista em lei.

GRAÇAS A Deus, nunca fui de ler livro

Folha Ilustrada - 03.02.2008 - Bia Abramo - No "BBB", o temor de pertencer ao esquisito grupo dos que "são de ler livro" fala por si só. "GRAÇAS A Deus, nunca fui de ler livro." A frase, definitiva, é de uma das ilustres celebridades criadas no laboratório do "BBB", um tal de Fernando. É má política ficar indignado com aquilo que já sabemos não ser digno de atenção, mas, ainda assim, por vezes a estupidez dá tais sustos na gente que é difícil ficar impassível. Neste caso, o mais intrigante não é, evidentemente, o fato de o moço não ser de "ler livros". A cultura escrita não goza lá de muito prestígio entre nós, brasileiros, falando de maneira bem genérica. Se consideramos o microcosmo do "BBB" -gente jovem, considerada bonita, com pendores exibicionistas, ambição de se tornar celebridade e propensa a ganhar dinheiro fácil-, o índice deve tender a quase zero.

GTEC aperfeiçoa divisão de serviços digitais

Com a globalização, o desenvolvimento tecnológico e a abertura do comércio exterior, as mídias e os equipamentos eletrônicos foram modificados num período muito curto de tempo. Porém, o mercado ainda precisa de um tempo maior para se atualizar e se adequar às novas tecnologias.  É uma realidade, também, que grande parte do acervo audiovisual do país ainda encontra-se em material analógico, cuja segurança é precária. Assim, corremos o risco de perder parte da memória audiovisual, que conta a história de nosso país e de nosso povo. Pensando nisso, a GTEC, empresa de produção e videocomunicação, que atua no mercado desde 1979, implantou uma divisão de serviços digitais, desenvolvida para restaurar e digitalizar todo o material audiovisual de mídias diversas.

Guinness 2007 revela novos recordes literários

Autor de O Código da Vinci e outros mega sucessos como Anjos e demônios, o americano Dan Brown é o escritor com maior faturamento anual da história da literatura. Só em 2005, ele embolsou cerca de US$ 76,5 milhões. Este e outros recordes da área literária estão no Guinness 2007, que chega às livrarias no próximo mês, pela Ediouro. Na literatura infantil, a britânica J.K.Rowling é a recordista, por conta do sucesso mundial de Harry Potter. Seus rendimentos em 2004 foram estimados em US$ 59,1 milhões. Mas assim mesmo, com todo o sucesso atual desses dois autores, o livro mais vendido até hoje em todo o mundo é o próprio Guinness world records. Desde sua primeira publicação, em 1955, as vendas globais do livro, em 37 línguas, já ultrapassaram os 100 milhões de exemplares. O maior best-seller do planeta só perde para a Bíblia e o Alcorão, que são obras sem direitos autorais.

Programa Minha Biblioteca / 24 de junho no Instituto Cervantes

CBL Informa - Conheça o Programa Minha Biblioteca para os Municípios Paulistas e suas oportunidades de negócios. A CBL convida para a apresentação do Programa Minha Biblioteca que será oferecido aos municípios paulistas. O Programa Minha Biblioteca que tem o objetivo de fomentar o hábito de leitura entre estudantes do ensino fundamental. Venha conhecer de perto as oportunidades que já estão mapeadas e como participar do projeto que vai mobilizar os municípios paulistas na direção da leitura e do livro. Dia 24 de junho de 2009, das 10 às 12 horas no Instituto Cervantes. Endereço: Instituto Cervantes, Avenida Paulista, 2439 / Horário: das 10 às 12 horas.

Haikai (Haiku ou Haicai)

Haikai (Haiku ou Haicai) é um forma poética de origem japonesa, surgida por volta do século XVI, que valoriza a concisão. O haikai é a arte de dizer o máximo com o mínimo.

Cada haikai capta um momento de experiência, um instante em que o simples subitamente revela a sua natureza interior e nos faz olhar de novo o observado, a natureza humana, a vida.

O grande mestre haikaista foi Matsuô Bashô (1644-1694), que se dedicou a fazer do haikai uma prática espiritual, unindo a poesia com os princípios zen-budistas.

Matsuô Bashô, ou simplesmente Bashô nasceu em Tóquio, no ano de 1644 e morreu em Osaka, em 12 de Outubro de 1694.

História da Língua Portuguesa


Fonte:
Português

O surgimento da Língua Portuguesa está profunda e inseparavelmente ligado ao processo de constituição da Nação Portuguesa. Na região central da atual Itália, o Lácio, vivia um povo que falava latim. Nessa região, posteriormente foi fundada a cidade de Roma. Esse povo foi crescendo e anexando novas terras a seu domínio. Os  romanos chegaram a possuir um grande império, o Império Romano. A cada conquista,  impunham aos vencidos seus hábitos, suas instituições, os padrões de vida e a língua.

Existiam duas modalidades do latim: o latim vulgar (sermo vulgaris, rusticus, plebeius) e o latim clássico (sermo litterarius, eruditus, urbanus). O latim vulgar era somente falado. Era a língua do cotidiano usada pelo povo analfabeto da região central da atual Itália e das províncias: soldados, marinheiros, artífices, agricultores, barbeiros, escravos, etc. Era a língua coloquial, viva, sujeita a alterações freqüentes. Apresentava diversas variações.

Todos pela Educação

O Brasil só será verdadeiramente independente quando todos seus cidadãos tiverem uma Educação de qualidade. Partindo dessa idéia, representantes da sociedade civil, educadores, organizações sociais, iniciativa privada e gestores públicos de Educação se uniram no Todos Pela Educação: um movimento que tem como objetivo contribuir para que o País consiga garantir Educação de qualidade para todos os brasileiros. O Todos Pela Educação não é um projeto de uma organização específica, mas sim um projeto de Nação.

História do Cordel

Na época dos povos conquistadores greco-romanos, fenícios, cartagineses, saxões, etc, a literatura de cordel já existia, tendo chegado à Península Ibérica (Portugal e Espanha) por volta do século XVI. Na Península a literatura de cordel recebeu os nomes de "pliegos sueltos" (Espanha) e "folhas soltas" ou "volantes" (Portugal). Florescente, principalmente, na área que se estende da Bahia ao Maranhão esta maravilhosa manifestação da inteligência brasileira merecerá no futuro, um estudo mais profundo e criterioso de suas peculiaridades particulares.

O grande mestre de Pombal, Leandro Gomes de Barros, que nos emprestou régua e compasso para a produção da literatura de cordel, foi de extrema sinceridade quando afirmou na peleja de Riachão com o Diabo, escrita e editada em 1899:

"Esta peleja que fiz
não foi por mim inventada,
um velho daquela época
a tem ainda gravada
minhas aqui são as rimas
exceto elas, mais nada."  

Quer vender também uma coisa chamada livro? / Revista Cult

Já nas bancas a edição número 135 - ano 12 da Revista Cult. Na seção Reportagens (pág. 24) o excelente artigo do jornalista Wilker Sousa de nome "Quer vender também uma coisa chamada livro?" que fala como pontos alternativos de venda contribuem para a democratização do acesso ao livro. "Vossa Senhoria tem o seu negócio montado, e quanto mais coisas vender, maior será o lucro. Quer vender também uma coisa chamada livro? Vossa Senhoria não precisa inteirar-se de que coisa é. Trata-se de artigo comercial como qualquer outro: batata, querosene ou bacalhau". (O trecho citado foi extraído de uma carta escrita por Monteiro Lobato a comerciantes brasileiros em 1918).

Incêndio atinge prédio do Centro Cultural São Paulo

Folha de S. Paulo - 17.05.2007 - por Martha Alves - Um incêndio, provocado pela queda de um balão, destruiu 1.200 metros quadrados do telhado do Centro Cultural São Paulo (CCSP), localizado na rua Vergueiro, 1.000, na região do Paraíso, zona sul de São Paulo. O incêndio começou por volta da 0h45 e foi controlado 25 minutos depois por dez equipes do Corpo Bombeiros. No momento do incêndio havia sete seguranças no local, mas nenhum deles ficou ferido. Em uma avaliação preliminar, os bombeiros informaram que foi atingido pelo fogo parte do acervo de jornais antigos do centro cultural. Uma equipe da perícia ainda avalia os estragos.

Irã proíbe livro de Gabriel García Márquez

Folha Online - 14.11.2007 - Autoridades iranianas proibiram a publicação da segunda edição em farsi do livro "Memória de Minhas Putas Tristes", do escritor colombiano Gabriel García Márquez, informou hoje a editora iraniana Nilufar. A obra havia sido publicada pela primeira vez no Irã há três semanas, mas as autoridades não permitiram sua reedição. Livro de escritor colombiano foi censurado no Irã por ser "vergonhoso". Uma fonte do Ministério de Orientação Islâmica iraniano disse que o livro foi publicado pela primeira vez por causa da "negligência" de uma pessoa que já foi demitida de seu cargo. Segundo a fonte, a editora também terá que assumir sua responsabilidade pela difusão do livro, classificado como "vergonhoso" pelo governo. "A publicação deste livro foi um erro. Este tipo de erro pode acontecer, já que cerca de 50 mil livros são publicados a cada ano no Irã", declarou um representante do Ministério da Cultura, encarregado de autorizar a publicação dos livros.

ISBN - International Standard Book Number

Wikipédia - International Standard Book Number, mais conhecido pela sua sigla ISBN, é o Número Padrão Internacional de Livro, um sistema identificador único para livros e publicações não periódicas.

Foi criado no Reino Unido em 1967 pela livraria W H Smith, sendo chamado inicialmente de "Standard Book Numbering" ou "SBN".

Desde então, passou a ser amplamente empregado tanto pelos comerciantes de livros quanto pelas bibliotecas, até que, em 1972, foi adaptado internacionalmente como norma padrão ISO 2108 pela International Standard Organization.

O fundamento do sistema é identificar numericamente um livro segundo seu título, autor, país (ou código de idioma) e a editora, individualizando inclusive edições diferentes.

João Gutenberg / A Bíblia de Gutenberg

João Gutenberg ou Johannes Gensfleisch zur Laden zum Gutenberg (cerca da década de 1390 - 3 de Fevereiro de 1468), foi um inventor alemão que se tornou famoso pela sua contribuição para a tecnologia da impressão e tipografia.

Inventou uma liga para os tipos de metal e tintas à base de óleo, além de uma prensa gráfica, inspirada nas prensas utilizadas para espremer as uvas no fabrico do vinho. Tradicionalmente, crê-se que teria inventado os tipos móveis - que não foram mais, no entanto, que uma melhoria dos blocos de impressão já em uso, então, na Europa. Acredita-se que a imprensa foi uma das maiores invenções da humanidade.

Gutenberg nasceu em Mogúncia, Alemanha, filho do comerciante Friele Gensfleisch zu Laden, que adotaria mais tarde o nome "zum Gutenberg", homônimo da comunidade para onde a família tinha-se transferido.

Desde jovem revelou ter uma forte inclinação pela leitura, lendo todos os livros que os pais possuíam em casa. Os livros, na época, eram escritos à mão, por monges, alunos e escribas e cada livro demorava meses a ser preparado, sendo o seu preço elevadíssimo e impossível de suportar para a maioria das pessoas.

L.I.V.R.O - Millôr Fernandes

Millôr Fernandes: Um novo e revolucionário conceito de tecnologia de informação

Na deixa da virada do milênio, anuncia-se um revolucionário conceito de tecnologia de informação, chamado de Local de Informações Variadas, Reutilizáveis e Ordenadas - L.I.V.R.O.

L.I.V.R.O. representa um avanço fantástico na tecnologia. Não tem fios, circuitos elétricos, pilhas. Não necessita ser conectado a nada nem ligado. É tão fácil de usar que até uma criança pode operá-lo. Basta abri-lo!

Cada L.I.V.R.O. é formado por uma seqüência de páginas numeradas, feitas de papel reciclável e capazes de conter milhares de informações. As páginas são unidas por um sistema chamado lombada, que as mantêm automaticamente em sua seqüência correta.

Leitura crítica, Revisão e Preparação

O meu livro está pronto para ser publicado? O que falta?

Mesmo escritores mais experientes, com livros já publicados por conta própria ou através de editora comercial, fazem essa pergunta na hora de encaminhar os seus originais para avaliação e publicação. Poderíamos aqui listar uma infinidade de detalhes importantes que, com certeza, iriam colaborar e ajudar o autor. Optamos por focar em três pontos que julgamos serem a base de uma boa apresentação: Leitura crítica, Revisão e Preparação.

Leitura crítica: O intuito da leitura crítica é apontar os problemas da obra literária, indicar possíveis mal-entendidos que a redação do texto possa causar ao leitor, sugerindo, quando é o caso, algum procedimento de alteração para que o livro seja aceito como obra literária ou técnica e principalmente para que seja compreendido por seu público-alvo. Um Leitor crítico para cada tipo de texto. Ele não interfere no trabalho do autor, contribui para que não haja inexatidões que prejudiquem a obra e, além disso, oferece uma “prévia” da reação do público leitor ao texto.

Ler é uma atividade neuróbica

Neuróbica é a aeróbica dos neurônios. Consiste de ginástica para o cérebro. O desafio é fazer tudo aquilo que contraria as rotinas, obrigando o cérebro a um trabalho adicional.

Parte do nosso dia-a-dia é ocupado por rotinas que, apesar de terem a vantagem de reduzir o esforço intelectual, escondem um efeito perverso: limitam o cérebro.

Para contrariar essa tendência, é necessário praticar exercícios "cerebrais" que fazem as pessoas pensarem somente no que estão fazendo, concentrando-se na tarefa. Ler é benéfico à saúde mental, pois é uma atividade neuróbica.

A atividade da leitura faz reforçar as conexões entre os neurônios. Para a mente, ainda não inventaram melhor exercício do que ler atentamente e refletir sobre o texto.

Língua simplificada

Bom dia Bauru - 22.11.2007 - Josi Vicentin - Escritor bauruense lança ‘Idioma Português Brasileiro’, livro que propõe mudanças na língua escrita no país. José Perea Martins, 72 anos, não é professor de língua portuguesa. Mas se diz um estudioso do assunto – e daqueles bem interessados. O que mais o incomoda é a dificuldade que as pessoas têm com a língua. E isso não é recente: vem da época em que era relações públicas do Mobral (Movimento Brasileiro Alfabetização), nos anos 70. “Via a dificuldade que os estudantes tinham para decorar as regras”, coloca. Inconformado com a dificuldade do brasileiro, Perea estudou as origens das línguas até chegar à simplificação do português, proposta em “Idioma Português Brasileiro”, livro publicado pela Editora Scortecci. O lançamento na cidade ocorre hoje, no Centro Cultural Carlos Fernandes de Paiva.

Linguagem Literária e Linguagem não Literária

Linguagem é a expressão do pensamento por meio de palavras. É qualquer meio de exprimir o que se sente ou pensa. É conjunto de sinais, visuais ou fonéticos, através dos quais se estabelece a comunicação.

E o que é linguagem literária?

A linguagem literária é caracterizada por múltiplos significados que uma palavra pode assumir em um texto, muitas vezes utilizada com um sentido diferente daquele que lhe é comum.

Exemplos: o conto, o poema, o romance, novelas, crônicas.

A linguagem não-literária é a utilizada com o seu sentido comum, aquilo que as palavras ou as coisas querem dizer. É a linguagem dos textos informativos, jornalísticos, científicos, técnicos etc.

Lingüista aponta ameaça de dialetos ao português na África

Agência Lusa - 03-10-2008 - Uma mistura de português e dialetos locais parece estar gerando um novo idioma em alguns países africanos que tem o português como língua oficial. Alguns estudiosos temem que, se nada for feito, o português desapareça entre novas expressões. "É um processo lingüístico, que vamos ter que acompanhar e lutar para que a língua portuguesa vença, senão aparecerá uma nova língua", disse à Agência Lusa a moçambicana Edma Sata, estudiosa do vocabulário local. A lingüista está em Bragança, no norte de Portugal, para divulgar o trabalho de recolha do léxico das línguas de Moçambique no Seminário anual da Lusofonia.

Literatura para colecionador

O Globo - 01/12/2007 - por Rodrigo Fonseca - Criada em 1995, e hoje integrada por 350 sócios, a Confraria dos Bibliófilos do Brasil é uma espécie de clube para quem encara os livros como fetiche e como obra de arte. O vício dessa turma: imprimir edições de autores brasileiros, a partir de técnicas gráficas e processos de acabamento pouco freqüentes na indústria editorial, incluindo ilustrações feitas por artistas nacionais. A mais recente publicação da Confraria, que ainda tem vagas abertas, é O cobrador e outros contos de Rubem Fonseca, uma edição encadernada, protegida por uma caixa especial com o brasão do confrades.

Livro da rede estadual tem dois Paraguais

Folha de S. Paulo - 17/03/2009 - Por Juliana Coissi - Um livro de geografia distribuído pelo governo paulista aos alunos da sexta série do ensino fundamental traz duas vezes o Paraguai no mapa da América do Sul e ainda inverte a localização do Uruguai e Paraguai. O erro repete-se também no livro do professor. Outra incorreção é a não-inclusão do Equador no mapa "Fronteiras Permeáveis". Sem isso, o aluno não tem informação para responder à seguinte questão, na página ao lado: "Quais são os países sul-americanos que não fazem fronteira com o Brasil?" Um professor de São José do Rio Preto disse que identificou a falha no mapa em sala de aula.

Livro de Bento XVI atinge a marca de 1,5 milhão

JB Online - 23/5/2007 - Agência ANSA - Jesus de Nazaré, livro escrito pelo papa Bento XVI, atingiu tiragem de 1,5 milhão de cópias, com edições impressas na Itália, Alemanha, Eslovênia, Grécia, Polônia, Estados Unidos e Grã-Bretanha, além de outras traduções em andamento. A informação ' da editora Rizzoli, que foi encarregada pela Livraria Editora Vaticana de gerir os direitos em todo o mundo. Estão sendo feitas outras 30 traduções da obra e 42 editoras já assinaram acordos de reprodução. A edição francesa de Jesus de Nazaré, publicada pela Flammarion, foi apresentada hoje em Paris, na sede da Unesco, em uma cerimônia organizada com apoio da Conferência Episcopal Francesa.

Livro didático mapeia crime e revolta professores

O Estado de S. Paulo - 4/7/2007 - por Fabiana Cimieri - Professores da rede municipal do Rio preparam um manifesto pedindo a retirada de circulação do livro Geografia-Sociedade e cotidiano, da editora Escala Educacional, por apresentar um mapa intitulado Áreas de Atuação de Grupos de Tráfico de Drogas no Rio de Janeiro. No mapa, a cidade está dividida entre facções criminosas, como Comando Vermelho (CV), Amigo dos Amigos (ADA) e Terceiro Comando. Bairros da zona norte, como Ramos e Manguinhos, aparecem sob o domínio do tráfico. O documento será enviado ao Ministério da Educação (MEC). O livro, apesar de ser indicado pelo MEC, foi vetado pela prefeitura carioca.

Livro lista 101 pessoas influentes que nunca existiram

Globo OnlineO homem de Marlboro, o Grande Irmão de George Orwell, o Rei Arthur da Távola Redonda, Papai Noel e Hamlet, de Shakespeare, são os cinco homens que nunca existiram de verdade que mais influenciaram pessoas no mundo todo.

Esta é a conclusão do livro The 101 most influential people who never lived (As 101 pessoas mais influentes que nunca existiram de verdade), de Allan Lazar, Dan Karlan and Jeremy Salter, com o subtítulo "Como personagens de ficção, mito, lenda, televisão e cinema influenciaram nossa sociedade, mudaram nosso comportamento e determinaram o curso da história."

Livro na Inglaterra analisa obra de Gilberto Freyre

Folha Online - 09/05/2008da Efe, em Londres - Historiadores britânicos e brasileiros acabam de publicar, em inglês, uma breve introdução à obra do sociólogo, antropólogo e escritor brasileiro Gilberto Freyre. Intitulada "Gilberto Freyre: Social Theory in the Tropics" ("Gilberto Freire: Teoria Social nos Trópicos", em tradução livre), a obra é um trabalho conjunto de Peter Burke, conhecido historiador da Universidade de Cambridge, e sua mulher, Maria Lúcia Garcia Palhares Burke, do Centro de Estudos Latino-americanos da mesma universidade. Os autores examinam Freyre sob uma dupla perspectiva, interior --do próprio Brasil-- e exterior, comparando-o com outros conhecidos historiadores e sociólogos como Johan Huizinga e os integrantes da escola francesa dos Anais.

Livro não é iogurte!

Blog do Galeno - Milena Duchiade - 25/03/2008 - Muito oportuna a matéria de Rodrigo de Almeida na Carta Capital número 486 ("O passado rejuvenesce"), acerca da onda de reedições no Brasil. De fato, um livro sempre é novo para quem o lê pela primeira vez, não importa quando tenha sido escrito.

As grandes obras da literatura universal atravessam séculos, pois têm o que dizer às gerações que se sucedem: a Ilíada e a Odisséia, a Divina Comédia, Dom Quixote, os Irmãos Karamazov, Guerra e Paz, o Vermelho e o Negro ou Memórias Póstumas de Brás Cubas, entre tantos outros, serão lidos enquanto houver vida inteligente na Terra. Afinal, livro bom não é iogurte, não tem prazo de validade!

Para boa parte dos editores nacionais, entretanto, esta constatação aparentemente óbvia não faz parte da lógica empresarial que dita a escolha dos títulos a serem mantidos em catálogo. Excetuando-se os  grandes clássicos da literatura nacional e internacional, a praxe hoje é não reeditar. Livros fundamentais das áreas de Ciências Humanas e Sociais, sejam eles de autores brasileiros ou estrangeiros, dificilmente  merecem reedições.

Livro sobre família real portuguesa vence prêmio da Academia Brasileira de Letras

G1 Globo - 12/06/2008 - O escritor paranaense Laurentino Gomes venceu o Prêmio Academia Brasileira de Letras na categoria ensaio pelo livro “1808”, anunciou a instituição em nota oficial divulgada nesta quinta-feira (12). A obra narra a vinda da família portuguesa ao Brasil, no ano que dá nome ao livro.

O cineasta paraibano Jurandir de Oliveira também foi premiado pela ABL pelo filme “O quinze”, adaptação da obra da escritora Rachel de Queiroz. Gomes e o diretor receberão o prêmio de R$ 50 mil. As duas honrarias serão entregues no dia 17 de julho, em solenidade na ABL, no Rio. 

Livros poderão fazer parte da cesta básica

O GLOBO - 13/09/2007 - Comissão de Educação da Câmara aprovou o projeto. Ainda falta aprovação da Comissão de Constituição e Justiça. Clássicos da literatura poderão fazer parte da cesta básica do brasileiro. Pelo menos é isso que pretende um projeto de lei que aprovado na Comissão de Educação e Cultura da Câmara. De acordo com o projeto, ao menos dois exemplares de livros representativos da literatura nacional seriam incluídos na cesta de alimentação. A medida ainda precisa ser aprovada na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara. Segundo o projeto, clássicos de autores nacionais terão prioridade na distribuição. Também deverão ser distribuídos diversos gêneros literários das várias manifestações da cultura regional. Além disso, deverá ser feita uma adequação da leitura para a faixa etária do beneficiário.

LIVROS por Inajá Martins de Almeida

Desde cedo acostumei-me aos livros. Eles estavam por toda parte: nas estantes, nas cabeceiras da cama, nas mãos de minha mãe, que sentia prazer em nos embalar – meu irmão e eu – através das histórias que ora lia, ora inventava, ora apenas recontava com palavras próprias. Ah! Sem contar os desenhos maravilhosos que esboçava, extraindo dos textos, o que nos fazia maravilhados, ante a destreza com que manejava, tanto a palavra quanto os traços e as cores.

Por sua vez, meu pai – leitor perspicaz – consigo, detinha o dom da retórica e da escrita. Lia, falava e escrevia com maestria impar. Sua especialidade, a história e seus fatos: lugares, vultos ilustres não lhe passavam alheios ao olhar atento e investigativo. 

Com idealismo e garra, numa época em que recursos parcos poderiam impedir a realização de sonhos, ele – meu pai – publicava o Álbum de Araras. Hoje me pergunto como isso foi possível, em meio à beleza da edição, do volumoso trabalho de redação, de pesquisa.  Respondo-me então, que o querer fazer, o querer realizar algo, o querer eternizar-se, o querer contribuir para a posteridade, sobrepõe-se a qualquer adversidade que o caminho possa proporcionar.

Livros reprovados pelo MEC são usados por escolas particulares

O Globo - 08/07/2007 - Demétrio Weber - Escolas particulares utilizam livros didáticos reprovados pelo Ministério da Educação (MEC). São obras que o governo deixa de comprar para a rede pública porque contêm informações erradas, conceitos equivocados ou problemas técnicos não relacionados ao conteúdo, como a titulação acadêmica dos autores, a resistência do papel ou o descumprimento de regras do edital.

Em Brasília, o Centro Educacional Renascença utiliza os quatro títulos da coleção Ciências e Educação Ambiental, da editora Ática, nas aulas da 5ª à 8ª série. Aprovados em anos anteriores, os livros foram reprovados na última avaliação realizada por especialistas de universidades públicas contratadas pelo MEC. Embora gaste cerca de R$ 5 milhões por ano com a avaliação de livros didáticos, o Ministério da Educação mantém em sigilo a lista das coleções excluídas.

Lula anuncia o PAC do Livro no dia 4

Blog do Galeno - 27.09.2007 - Está marcada para o dia 04/10, quinta-feira da próxima semana, a cerimônia de anúncio do pacote de medidas do governo federal para a área social. Segue as pegadas do PAC e de seus filhotes nas áreas da educação e segurança. Entre as ações a serem apresentadas pelo presidente Lula no Palácio do Planalto, algumas são voltadas para a questão do livro e leitura. Tema central do Manifesto do Povo do Livro entregue, em 2006, pelas lideranças do meio aos candidatos a presidente, o programa de revitalização das bibliotecas públicas encabeça a lista.

Lula diz que não lê jornal nem sites porque faz "mal ao fígado"

Estadão - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou em entrevista à revista Piauí deste mês que não lê notícias em qualquer meio porque tem "problema de azia", mas admitiu que a sua escalada à Presidência resulta do "direito de liberdade de imprensa". Lula contou que se considera bem informado mesmo sem acessar sites, blogs e outros veículos e atribuiu o fato ao seu convívio com as pessoas. "Um homem que conversa com o tanto de pessoas que eu converso por dia deve ter uns trinta jornais na cabeça todo santo dia", disse. Para o presidente, estar longe de notícias no final de semana é "essencial" e assim ele garante mais tempo de lazer com a família e amigos. "Saio pouquíssimo", disse. "Esse ano só fui às festas de aniversário do Pão de Açúcar e da Andrade Gutierrez."

Machado supera Guimarães

É o que aponta enquete feita pela FOLHA com 30 dos principais críticos e escritores brasileiros, no ano em que se comemoram o centenário de morte de Machado de Assis e o centenário de nascimento de Guimarães Rosa. “Dom Casmurro” e “Grande Sertão: Veredas” empatam na preferência. Machado derrotou Guimarães por 11 votos a 2.

Mais um golaço! Gibi do Ronaldinho Gaúcho na Croácia

Turma da Mônica - As crianças da Croácia, Sérvia, Bósnia e Herzegovina vão se divertir com as aventuras do guri Ronaldinho Gaúcho no gibi mensal que foi lançado pela Editora Mosta, naqueles países do leste europeu. Veja a capa da Revista Ronaldinho 1, em que o personagem infantil brasileiro criado por Mauricio de Sousa, além de jogar futebol ainda está falando um novo idioma. Os quadrinhos do Ronaldinho já estão sendo publicados em mais de 20 países.

MANIFESTO PAU-BRASIL - Oswald de Andrade

A poesia existe nos fatos. Os casebres de açafrão e de ocre nos verdes da Favela, sob o azul cabralino, são fatos estéticos.

O Carnaval no Rio é o acontecimento religioso da raça. Pau-Brasil. Wagner submerge ante os cordões de Botafogo. Bárbaro e nosso. A formação étnica rica. Riqueza vegetal. O minério. A cozinha. O vatapá, o ouro e a dança.

Toda a história bandeirante e a história comercial do Brasil. O lado doutor, o lado citações, o lado autores conhecidos. Comovente. Rui Barbosa: uma cartola na Senegâmbia. Tudo revertendo em riqueza. A riqueza dos bailes e das frases feitas. Negras de Jockey. Odaliscas no Catumbi. Falar difícil.

O lado doutor. Fatalidade do primeiro branco aportado e dominando politicamente as selvas selvagens. O bacharel. Não podemos deixar de ser doutos. Doutores. País de dores anônimas, de doutores anônimos. O Império foi assim. Eruditamos tudo. Esquecemos o gavião de penacho.

Máquinas de Escrever Antigas

Esse site dedica-se às máquinas de escrever antigas. Inventadas e desenvolvidas na segunda metade do século XIX, contribuíram decisivamente para um grande impulso nas comunicações da época e, também, para a entrada da mulher no mundo dos negócios.

A manufatura desses objetos exigiu muita criatividade, trabalho árduo e coragem de inventores e empreendedores da época. Desfrute o site, mas tenha em mente que todo o material é protegido por copyright. Se desejar utilizar algo, é necessária aprovação prévia. Mais informações com Fernando Costa: fernandoamcosta@uol.com.br

Maria Helena Guimarães de Castro assume Secretaria de Educação de SP

Folha Online - 24/07/2007 - A socióloga Maria Helena Guimarães de Castro assumiu a Secretaria Estadual de Educação de São Paulo em substituição à professora Maria Lúcia Vasconcelos, que pediu demissão do cargo alegando motivos "estritamente pessoais". A saída de Maria Lúcia foi antecipada por Mônica Bergamo, colunista da Folha, na sexta-feira passada. No ano passado, durante governo de Cláudio Lembo (DEM), Maria Lúcia chegou a tirar licença para uma cirurgia e agora continuará o tratamento. 

Especialista em Educação, Maria Helena foi secretária-executiva do MEC (Ministério da Educação) em 2002 e presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais do MEC entre 1995 e 2002, ambos os cargos durante a gestão do presidente Fernando Henrique Cardoso.

Mário de Andrade negro: "Não é ele", diz Antonio Candido

Folha Ilustrada - Mônica Bergamo - O governo de São Paulo anunciou com orgulho que ontem, Dia da Consciência Negra, estaria prestando sua homenagem pendurando fotos imensas de "personalidades brasileiras que ou têm pele mais escura, ou cabelo crespo, ou que são descendentes de escravos", como escreveu o secretário de Cultura, João Sayad, na Folha, ontem. "A foto de Mário de Andrade moço e antes de ficar careca, com a testa larga emoldurada pelo cabelo crespo, para que nos lembrássemos de que o intelectual e poeta era negro" seria uma das estrelas da homenagem. Pois a foto "não é dele", diz o crítico Antonio Candido, um dos maiores intelectuais do Brasil. E como ele sabe? "Eu conheci o Mário de Andrade. Não é ele, uai! Eu olho e vejo que não é." Candido examinou a foto antes de ela se transformar no banner de propaganda, atendendo a um pedido de Carlos Augusto Calil, secretário municipal de Cultura. Avisou que Mário de Andrade não era estrábico, como aparece na imagem do governo. E não tinha tanto cabelo.

Movimento da pupila antecipa momento da tomada de decisão

Folha de S. Paulo - 05.02.2008 - Rafael Garcia - Experimento liga circuitos nervosos da visão a centro da iniciativa no cérebro. Quando estamos olhando para um objeto, antes mesmo de conseguirmos reconhecê-lo já o analisamos e já "julgamos" como devemos tratá-lo. Essa é a maneira inusitada com que a visão opera no cérebro, conforme demonstra um estudo publicado na edição do periódico científico "PNAS". Num elegante experimento que demonstrou o fenômeno, um grupo liderado por Olivia Carter, do Laboratório de Ciências Visuais da Universidade Harvard, dispensou modernas tecnologias de mapeamento cerebral. Para saber o que se passava na cabeça das pessoas, bastou a ela observar os olhos das pessoas, e o comportamento das pupilas revelou tudo.

Mulher de Paulo Coelho chora ao ler biografia "O Mago"

Folha Online - 10.06.2008 - Mônica Bergamo - A artista plástica Cristina Oiticica, mulher do escritor Paulo Coelho, não está nada "horrorizada" com o companheiro, como ele mesmo andou declarando sobre o fato de ela estar lendo a biografia dele, "O Mago", escrita pelo jornalista Fernando Morais.

De acordo com a coluna de Mônica Bergamo, na Folha de São Paulo deste dia 10/06, a mulher do escritor não ficou chocada nem mesmo com as histórias de homossexualidade ou da transa que ele teve na frente da tia paralítica e muda de uma namorada. "Eu não acho essas histórias nem um pouco importantes. O mais importante é a superação do Paulo, é ele ter vencido", disse Oiticica à coluna.

Museu da Imprensa Nacional

O Museu da Imprensa foi inaugurado em 13 de maio de 1982, nos jardins da Imprensa Nacional.

Seu prédio possui 680 metros quadrados de peças e documentos raros, alguns únicos, como é o caso do primeiro clichê de um desenho feito no Brasil, a planta da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro.

Outra peça que atrai visitantes de todo o mundo é o Prelo Machado de Assis, uma máquina de impressão inglesa fabricada em 1833 por CLYMER & DIXON MANUFACTURES, era utilizada para impressão de jornais.

Funcionou na Imprensa Nacional até 1940, quando foi desativada.

O escritor Machado de Assis, trabalhou como aprendiz de tipógrafo na Imprensa Nacional de 1856 à 1858, nesta máquina.

Existem apenas dois exemplares em todo o mundo.

Museu da Pessoa reúne memórias de brasileiros em livro

Memórias de Brasileiros – Uma história em todo canto, Editora Peirópolis, que contempla os quinze anos de trabalho do Museu da Pessoa no Brasil. O título apresenta 100 histórias de vida, de pessoas de diversas origens e perfis escolhidos entre o acervo de 10 mil depoimentos colhidos pela OSCIP nos 27 estados do país. O objetivo da publicação é apresentar uma visão renovada e inspiradora sobre a identidade nacional, a partir da memória social que guarda cada um dos personagens.  Segundo José Santos, “Quinze anos depois e mais de 140 projetos de memórias realizados, continuamos a nos maravilhar com as histórias de vida".

Na Inglaterra, Publishing News encerra atividades

PW Daily for Booksellers - 17.07.2008 - por Lynn Andriani

O semanário inglês sobre o mercado de livros Publishing News está encerrando. A edição do dia 25 de julho será a última. O encerramento é atribuído ao fato de que seus anunciantes irão transferir seus gastos para internet e para vendas diretas.

O fundador e presidente Fred Newman disse que "esta foi uma triste e difícil decisão a se tomar, mas a natureza do mercado livreiro, que hoje oferece uma multiplicidade de formas para editores de livros, aos livreiros e aos consumidores, mudou radicalmente. Para as maiores editoras, a imprensa comercial é agora apenas uma das muitas opções para a promoção e venda dos seus títulos".

Nova norma pode estimular o produto nacional

Valor Econômico - 05/01/2009 - Por André Vieira - Atendendo os pedidos de segmentos de fabricação e distribuição de papel, além de algumas gráficas, o governo federal incluiu na Medida Provisória (MP) 451, a mesma que mudou as alíquotas do Imposto de Renda, a exigência de um recadastramento na Receita Federal das empresas que movimentam papel isento de tributação - destinado à impressão de livros, jornais e periódicos com fins editoriais, também conhecido como papel imune. Segundo a MP, a Receita Federal, que deverá definir as normas, as empresas que não comprovarem a finalidade de produção editorial para o papel isento serão multadas em 5% sobre o valor da operação além de R$ 5 mil se as informações não forem dadas no prazo.

Novo Harry Potter já vendeu 1 mi na Amazon

Folha de S. Paulo - 10/5/2007 - Antes de ser lançado, o sétimo e último livro da série, Harry Potter and the deathly hallows (Harry Potter e as insígnias mortais, título provisório em português), já recebeu mais de 1 milhão de pedidos no site Amazon, desde 01/02. O livro chega ao mercado no dia 21/07. A Barnes & Noble anunciou no mês passado que as encomendas do novo Potter já haviam atingido 500 mil unidades, quebrando o recorde da livraria.

Nunca diga nunca a um retorno de Harry Potter, afirma J. K. Rowling

Folha Online - 09/07/2007France Presse, em Londres - A autora da saga "Harry Potter", J. K Rowling, abriu nesta segunda-feira uma brecha de esperança para os milhões de fãs ao afirmar que nunca se pode dizer nunca ao retorno do aprendiz de bruxo, às vésperas do aguardado lançamento do sétimo e último livro da série. Até o momento, a escritora britânica havia garantido que "Harry Potter and the Deathly Hallows" ("Harry Potter e as Relíquias da Morte"), que chegará às livrarias no dia 21 de julho, seria o ponto final às aventuras do jovem bruxo.

O Códex ou Códice

No final do Império Romano e durante toda a Idade Média, a transmissão do saber humano se fez por meio de códices, livros manuscritos, geralmente em pergaminho, que constituem autênticas obras de arte.

Os códices vieram substituir os rolos (papiros enrolados em um cilindro de madeira) comumente utilizados na antiguidade. Tábulas retangulares de madeira, revestidas de cera e unidas por cordões ou anéis, foram utilizadas pelos gregos e romanos para receberem registros contábeis ou textos didáticos; são os antepassados imediatos dos códices. A substituição do papiro pelo pergaminho, a partir do século IV, difundiu o códice como suporte para a escrita.

O códex ou liber quadratus apresentava diversas vantagens sobre o rolo. Este era muito incômodo, pois para encontrar uma determinada passagem no meio de uma obra, era preciso desenrolá-lo até achar o trecho e depois enrolá-lo de novo. Já o livro pode ser facilmente aberto em qualquer página e, como se escreve dos dois lados de cada folha, permite economizar material e incluir mais informação. Num rolo de tamanho normal pode haver espaço apenas para o evangelho de São Mateus, ao passo que a Bíblia inteira cabe num livro. Além disso, os códices mostravam-se mais fáceis de armazenar e proteger.

O editor que não quer publicar pelo bem da ecologia

O Estado de S. Paulo -  16.09.2007 - Antonio Gonçalves Filho - Lindsay Waters, da Harvard University Press, critica colegas acadêmicos e sugere maior rigor na hora de lançar um livro. Nos últimos anos o editor-executivo da área de Humanidades da Universidade de Harvard, Lindsay Waters, não tem feito outra coisa além de alertar acadêmicos e editores para o grande desafio do futuro: publicar cada vez menos e com mais critério. Árvores abatidas para lançar teses acadêmicas que ninguém vai ler, nunca mais.

O fim do livro foi adiado

UOL - 21/06/2007 - Nicholas Clee - Até onde os observadores das questões literárias conseguem se lembrar, sempre houve previsões sobre o fim do livro. O rádio suplantará a leitura. Os filmes suplantarão a leitura. A televisão suplantará a leitura. Os videogames suplantarão a leitura. E agora nos dizem que a própria tecnologia irá se tornar redundante.

Todos os tipos de inovações - CD-ROMS, a Internet e leitores de livros eletrônicos - foram apontados como substitutos da impressão em papel. No entanto, o livro resistiu bravamente a tais novidades. As vendas continuam aumentando. Alguns - a série Harry Potter, memórias de celebridades, certas seleções de clubes de livros - estão vendendo em quantidade recorde.

O fim do mito Buenos Aires

Blog do Galeno - 12/09/2007 - Caiu, enfim, por terra um dos mais arraigados mitos sobre livros e leitura no Brasil - aquele segundo o qual o país teria menos livrarias do que a cidade de Buenos Aires. Em que pese o charme, a vitalidade e a profusão das livrarias da capital portenha, o mais recente censo nacional de livrarias, divulgado no dia 12/09, pela Associação Nacional de Livrarias (ANL), contou nada menos do que 2.680 delas de Norte a Sul do país - o dobro, portanto, da Argentina. De Norte a Sul, neste caso, é mera força de expressão: 68% das livrarias brasileiras se concentram, na verdade, no Sudeste e no Sul.

O guardião dos livros

O POVO - 26/10/2007 - Em sua passagem por Fortaleza, no III Encontro Nacional de Bibliófilos, o maior bibliófilo do Brasil, o empresário paulista José Mindlin, conseguiu do vice-governador Francisco Pinheiro a promessa de editar uma versão original e desconhecida do romance O Quinze, de Rachel de Queiroz. "Comigo, foi coisa de vida inteira". É assim que o paulista José Mindlin resume a relação que cultiva desde os 12 anos de idade: o amor pelos livros. Hoje, aos 94 anos, dono de uma biblioteca de cerca de 30 mil títulos, o maior bibliófilo brasileiro começa a traçar planos para o futuro deste tesouro.

O conjunto batizado por ele de Brasiliana, com obras seminais sobre o Brasil, datadas do século XVI ao XX, foi doado à Universidade de São Paulo. O acervo, que representa metade da biblioteca pessoal formada ao longo de 80 anos completos, integrará dentro de dois anos o Instituto Brasiliana, em um prédio de 20 mil metros quadrados construído especialmente para abrigá-lo, e onde será alocado também o Instituto de Estudos Brasileiros (IEB).

O Incentivo à Cultura por José Álvaro Moisés

A partir de meados da década de 90, o Brasil vem conhecendo uma extraordinária retomada de suas atividades culturais. O cinema foi a primeira área a beneficiar-se disso. O sucesso com que foram recebidos pelo público filmes como Carlota Joaquina, O Quatrilho, O Que é Isso Companheiro? e Central do Brasil indica que o cinema brasileiro poderá reconquistar, a curto prazo, o lugar de destaque que havia alcançado no panorama cultural, no início dos anos 60, com Terra em Transe e outros filmes. É um sinal de que a indústria cinematográfica tem futuro no país.

Mas o cinema não é o único. Também na área do patrimônio artístico e cultural as iniciativas são tantas e tão diferentes, tomadas em distintas esferas de responsabilidade pública, que estão a demonstrar que em sociedades como a brasileira, quando se logra alcançar um estágio razoável de controle da inflação e de estabilidade econômica, a energia social antes empregada pela comunidade na luta pela sobrevivência pode ser canalizada também para a preservação das identidades culturais.

O primeiro livro impresso em Portugal

O primeiro livro impresso em Portugal veio do prelo de Samuel Gacon (conhecido também por Samuel Porteiro), editor judeu, operador da primeira oficina tipográfica em solo português, situada em Faro, em 1487.

Em 1400 existiriam em Portugal cerca de 30 comunidades e alguns milhares de famílias, na data da chegada de Colombo à América haveria mais de 100 judiarias e dezenas de milhar de habitantes.

Foi no Algarve que saiu o primeiro incunábulo (livro não escrito à mão) impresso no país, um Pentateuco (cinco primeiros livros da bíblia cristã).

Segundo o colófon (informação que os tipógrafos colocavam, no fim das obras, da data e do lugar de impressão), este livro religioso foi concluído em 30 de Junho de 1487, na oficina de Samuel Gacon.

O que é copyleft? / Eduardo Manchón - Alzado.org

Copyleft é a melhor maneira de obter lucros na publicação de conteúdos quando o autor não é tão conhecido como para obter as receber vantegens do copyright fechado.

O copyleft é um tipo de licença para documentos que permite a sua reprodução livre e, ao mesmo tempo, garante ao autor o reconhecimento e prestígio da sua realização. Este tipo de liberdade na reprodução permite uma difussão tipo "virus" do documento e consegue abranger um maior número de leitores.

O que é copyleft?

A Free Documentation License (GFDL) ou copyleft forma parte do movimento GNU (Linux, Mozilla...). Apesar de inicialmente ter surgido para ser aplicada à documentação do software livre, pode ser também aplicável a qualquer documento escrito, um livro, um artigo, etc.

O que é literatura?

Literatura (li.te.ra.tu.ra) sf (lat litteratura) segundo o Michaelis - Dicionário da Língua Portuguesa - "é a arte de compor escritos, em prosa ou em verso, de acordo com princípios teóricos ou práticos. O exercício dessa arte ou da eloqüência e poesia. O conjunto das obras literárias de um agregado social, ou em dada linguagem, ou referidas a determinado assunto: Literatura infantil, literatura científica, literatura de propaganda ou publicitária. A história das obras literárias do espírito humano. O conjunto dos homens distintos nas letras". 

O que significa um estado LAICO?

A palavra laico significa uma atitude crítica e separadora da interferência da religião organizada na vida pública das sociedades contemporâneas.

Que siga os ditames da sua consciência (quer no caso em que se acredite que seja divinamente inspirada, quer pela razão, intuição, estética ou qualquer processo pessoal), ao invés de seguir, ou obedecer cegamente às regras, hierarquias e autoridades morais ou eclesiásticas de uma religião organizada.

Politicamente, poderíamos dividir os países em duas categorias, os laicos e não laicos, nos países politicamente laicos a religião não interfere na política.

O Semeador de Livros

Com previsão de lançamento para dezembro de 2007, direção e roteiro de Wagner Bezerra e Heloisa Dias Bezerra, a Ciência & Arte Comunicação está captando patrocínio para a realização do documentário “O SEMEADOR DE LIVROS”, cujo eixo central é a saga do Editor e Livreiro José Xavier Cortez (Cortez Editora/SP). O projeto já conta com o patrocínio da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e com o apoio de grandes intelectuais, como a professora Maura Pardini Bicudo Véras, Reitora da PUC-SP, o professor Moacir Gadotti do Instituto Paulo Freire e o professor Mário Sérgio Cortella, que fará a apresentação do documentário. 

O Vendedor de Palavras / Fábio Reynol

Ouviu dizer que o Brasil sofria de uma grave falta de palavras. Em um programa de TV, viu uma escritora lamentando que não se liam livros nesta terra, por isso as palavras estavam em falta na praça. O mal tinha até nome de batismo, como qualquer doença grande, "indigência lexical". Comerciante de tino que era, não perdeu tempo em ter uma idéia fantástica. Pegou dicionário, mesa e cartolina e saiu ao mercado cavar espaço entre os camelôs. Entre uma banca de relógios e outra de lingerie instalou a sua: uma mesa, o dicionário e a cartolina na qual se lia: "Histriônico - apenas R$ 0,50!".

O Vigarista do Ano recorda falso biógrafo de Howard

JB Online - REUTERS - O ator Richard Gere deixa de lado a pose de galã para assumir o papel de Clifford Irving, o escritor que quase conseguiu armar a maior fraude editorial do século 20 -- uma biografia, supostamente autorizada, do bilionário Howard Hughes (1905-1976). A incrível história real é contada no filme 'O Vigarista do Ano', em estréia nacional, que tem a direção do sueco Lasse Hallstrm (de 'Chocolate' e 'Regras da Vida') e roteiro de William Wheeler. O roteirista adapta livro do próprio Irving ('The Hoax') sobre a maior aventura de sua vida, que lhe custou alguns meses de cadeia, entre 1972 e 1973.

O vocábulo esculhambação

Primeira Edição - 04.11.2008 - Jasson Ferreira Lima - A força fonética da palavra esculhambação em nosso idioma foi acrescida de muita originalidade. Significa desmoralização, avacalhação, desordem, anarquia; confusão. Se procurarmos seu conceito etmológico certamente não encontraremos, porque a palavra em si ainda sofre pelos meios acadêmicos de preconceitos em virtude de sua negação ao purismo vernacular, encontrando-se naquela situação de um certo receio de expressá-la em público pela escrita ou até mesmo coloquialmente. Porém, não há de se negar que esta palavra sobrepôe-se ao tempo, e entrou para nosso dicionário com um sentido que vai além do que na realidade nossos filólogos conseguiram captar. Esculhambação é termo engenhosamente fabricado pela desorganizada gênese antropológica brasileira.

Obra compila títulos supostamente perdidos / Informações sobre obras sumidas de grandes autores

Diário de Cuiaba - O primeiro trabalho de Homero supostamente foi um poema épico com matizes cômicos. As memórias de Byron foram destruídas pelo próprio escritor. Ben Jonhson morreu antes de completar sua última peça, uma tragicomédia. Flaubert, que sofria de convulsões - e era provavelmente epilético -, manteve aprisionada em sua mente uma novela sobre insanidade. Alguns dos melhores textos em prosa e poesia tiveram destino semelhante. Desapareceram frente às inseguranças de seus próprios autores ou foram vítimas do tempo. Mas qual a verdadeira lacuna em nossa herança cultural?

Desde os 15 anos, quando descobriu que não havia sobrado nada das obras de Agathon - celebrado dramaturgo e amigo pessoal de Eurípides -, Stuart Kelly começou sua lista de livros perdidos. De Shakespeare a Sylvia Plath, de Homero a Hemingway, de Dante a Ezra Pound, grandes escritores produziram obras perdidas, incapazes de serem lidas. A história da literatura é também uma trajetória coberta de perdas. “O livro dos livros perdidos” é uma obra de resgate a essa memória.

OFICINA CULTURAL OSWALD DE ANDRADE

A Oficina Cultural Oswald de Andrade foi a primeira Oficina da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo a ser criada: começou a funcionar em 1986, então com o nome de Oficinas Culturais Três Rios, em um edifício histórico do bairro do Bom Retiro, inaugurado em 1905 para abrigar a Escola Livre de Farmácia.

Desde o início, a Oficina Cultural Oswald de Andrade trabalha com a formação de recursos humanos para a cultura, oferecendo atividades — principalmente para jovens profissionais e novos artistas — em áreas como artes plásticas, ação e administração cultural, cinema, dança, design, fotografia, história em quadrinhos, literatura, música, rádio, teatro, vídeo, entre outras.

Ombudsman

Ombudsman é uma palavra sueca que significa representante do cidadão. Designa, nos países escandinavos, o ouvidor-geral -função pública criada para canalizar problemas e reclamações da população. Na imprensa, o termo é utilizado para designar o representante dos leitores dentro de um jornal. A função de ombudsman de imprensa foi criada nos Estados Unidos nos anos 60. Chegou ao Brasil num domingo, dia 24 de setembro de 1989, quando a Folha, numa decisão inédita na história do jornalismo latino-americano, passou a publicar semanalmente a coluna de seu ombudsman.

ONU nomeia Paulo Coelho Mensageiro da Paz

Folha Online - Ilustrada - Efe - A ONU nomeou hoje o escritor Paulo Coelho seu novo Mensageiro da Paz, ao lado da princesa jordaniana, Haya, do maestro argentino-israelense Daniel Barenboim e do violonista americano Midori Goto. O anúncio foi feito durante a cerimônia de comemoração do Dia Internacional da Paz na sede da ONU, em Nova York, e foi presidida pelo secretário-geral da entidade, Ban Kimoon.

O secretário esteve acompanhado de três dos Mensageiros da Paz das Nações Unidas, o Prêmio Nobel de Paz Elie Wiesel, o ator Michael Douglas e a bióloga britânica Jane Goodall. Ban declarou que a preservação da paz é a responsabilidade principal da ONU, que atualmente tem destacados mais de 100 mil capacetes azuis e pessoal civil em missões no mundo todo.

OS 100 LIVROS BRASILEIROS DO SÉCULO 20

1. Novelas Paulistanas: Brás, Bexiga e Barra Funda - Antonio de Alcântara Machado
2. A Rosa do Povo - Carlos Drummond de Andrade
3. O Tempo e o Vento - Érico Veríssimo
4. Vidas Secas - Graciliano Ramos
5. Grande Sertão: Veredas - Guimarães Rosa
6. Invenção de Orfeu - Jorge de Lima
7. Libertinagem - Manuel Bandeira
8. Macunaíma: O Herói sem Nenhum Caráter - Mário de Andrade
9. Reinações de Narizinho - Monteiro Lobato
10. Poesia Liberdade - Murilo Mendes
11. Dom Casmurro - Machado de Assis
12. Triste Fim de Policarpo Quaresma - Lima Barreto
13. Memórias Sentimentais de João Miramar - Oswald de Andrade
14. Morte e Vida Severina - João Cabral de Mello Neto
15. A Hora da Estrela - Clarice Lispector
16. Gabriela, Cravo e Canela - Jorge Amado
17. Crônicas da Casa Assassinada - Lúcio Cardoso
18. Os Sertões - Euclides da Cunha
19. O Ex-Mágico - Murilo Rubião
20. O Vampiro de Curitiba - Dalton Trevisan
21. Os Cavalinhos de Platiplanto - J.J. Veiga
22. A Coleira do Cão - Rubem Fonseca
23. Ópera dos Mortos - Autran Dourado
24. A Lua vem da Ásia - Campos de Carvalho
25. Histórias do Desencontro - Lygia Fagundes Telles
26. Canaã - Graça Aranha
27. A Menina Morta - Cornélio Penna
28. A Luta Corporal - Ferreira Gullar
29. O Conde e o Passarinho - Rubem Braga
30. Baú de Ossos - Pedro Nava

Os 100 livros Mais-Mais do século XX

ROMANCE

Ulisses, de James Joyce, foi escolhido como o romance mais importante do século pelos dez críticos e escritores convidados pela Folha de S. Paulo para elaborar a lista dos cem melhores romances publicados desde 1900 e também dos 30 mais importantes romances brasileiros de todos os tempos.

NÃO-FICÇÃO

Dez intelectuais convidados pela Folha de S. Paulo elaboraram uma lista dos textos teóricos estrangeiros mais importantes neste século e elegeram os 30 livros de não-ficção brasileiros mais importantes de todos os tempos. O único trabalho brasileiro que aparece na lista é Os Sertões, de Euclides da Cunha.

Palimpsesto, Manuscrito e Pergaminho

Palimpsesto é uma página manuscrita, pergaminho ou livro cujo conteúdo foi apagado mediante lavagem ou raspagem e escrito novamente, reutilizado. O termo vem do grego antigo e significa riscar de novo.

A palavra manuscrito significa escrito à mão e é possível que tenha surgido para diferenciar os textos escritos com tinta e pena, sobre pergaminho, dos textos reproduzidos por tipografia.

Um texto manuscrito opõe-se a texto impresso, datilografado, digitado produzidos respectivamente por máquina impressora industrial ou doméstica, de datilografia ou armazenado em meio digital.

Há quem chame de manuscrito ao texto original, que é a versão de um texto feita pelo autor, por oposição a texto revisado e texto editado, que são versões elaboradas por outros trabalhadores que não o autor.

PALOP recebem 3 milhões de euros para proteger património cultural

A Semana Online - 02-03-2008 - O património histórico e cultural países africanos de língua portuguesa - Guiné-Bissau, Moçambique, Angola, Cabo Verde e Santo Tomé e Príncipe - vai receber da Comissão Européia um donativo de três milhões de euros. Os recursos serão destinados a apoiar iniciativas culturais nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), através de projetos que serão coordenados pela Guiné-Bissau. O anúncio da Comissão Europeia aconteceu ontem. No transcorrer da cerimónia de entrega dos recursos, o delegado europeu em Bissau, embaixador Franco Nulli, enfatizou que apesar da riqueza cultural dos países africanos de expressão portuguesa, "existem problemas que dificultam a salvaguarda, valorização e divulgação do património histórico e cultural".

Parábola

Narrativa alegórica que transmite uma mensagem indireta, por meio de comparação ou analogia. Originária do grego parabole, significa narrativa curta ou apólogo, muitas vezes erroneamente definida também como fábula. Sua característica é ser protagonizada por seres humanos e possuir sempre uma razão moral que pode ser tanto implicita como explícita. Ao longo dos tempos vem sendo utilizada para ilustrar lições de ética por vias simbólicas ou indiretas.

O Sapo e o Escorpião

Certa vez, um escorpião aproximou-se de um sapo que estava na beira de um rio.
O escorpião vinha fazer um pedido:

"Sapinho, você poderia me carregar até a outra margem deste rio tão largo?"

O sapo respondeu: "Só se eu fosse tolo! Você vai me picar, eu vou ficar paralizado e vou afundar."

Disse o escorpião: "Isso é ridículo! Se eu o picasse, ambos afundaríamos."

Confiando na lógica do escorpião, o sapo concordou e levou o escorpião nas costas, enquanto nadava para atravessar o rio.  No meio do rio, o escorpião cravou seu ferrão no sapo.

Atingido pelo veneno, e já começando a afundar, o sapo voltou-se para o escorpião e perguntou: "Por quê? Por quê?"

E o escorpião respondeu: "Por que sou um escorpião e essa é a minha natureza."

Paulo Coelho é 7º em lista de best-sellers menos lidos

BBC - 13/3/2007 - Uma pesquisa com leitores britânicos colocou O alquimista, de Paulo Coelho, em sétimo lugar na lista dos best-sellers menos lidos — livros que o leitor compra e não consegue terminar de ler. A pesquisa, de que participaram 4 mil pessoas, também inclui autores como JK Rowling e Salman Rushdie entre as dez primeiras posições. Quase todos os títulos que encabeçam a lista são classificados como best-sellers — ou seja, estão entre os livros mais vendidos na Grã-Bretanha ou mesmo mundialmente.

Paulo Coelho e J. K. Rowling entre os mais comprados mas menos lidos

SOL - Literatura - 30.12.2007Vernon Little, o Bode Expiatório, de D.B.C Pierre é o livro de ficção no topo dos mais adquiridos pelos consumidores, mas menos consumidos enquanto livros. Com 640 páginas, Harry Potter e o Cálice de Fogo é o segundo de uma lista que inclui Ulysses de James Joyce em terceiro, O Alquimista, de Paulo Coelho em sétimo, Guerra e Paz, de Tolstoy em oitavo e Crime e Castigo, de Dostoyevsky em décimo. A pesquisa inquiriu 4 mil leitores britânicos e tinha por objectivo verificar em que medida os livros mais vendidos são, de fato, lidos na íntegra pelos compradores. 

Poeta independente lança 10ª edição de livro de poesias

Alagoas em Tempo Real - 27.10.2007 - Poucos teriam a mesma ousadia na busca da realização de um sonho como teve o poeta alagoano Plínio Marcos. Há pouco mais de dez anos, ele trocou a carreira estável no serviço público estadual para se dedicar exclusivamente à literatura e não tem arrependimentos. “O caminho tem sido árduo, mas traz grandes compensações e realizações”, resume, depois de ter publicado cinco livros e de ter atingido a venda de 35 mil exemplares em Alagoas, Sergipe e Pernambuco.

Português é ensinado em 20 universidades canadenses

Agência Lusa - 17.10.2008 - Toronto, 17 out (Lusa) - A língua portuguesa é lecionada atualmente em cerca de 20 universidades de seis províncias canadenses, informou o professor José Pedro Ferreira, docente da Universidade de Toronto. Em entrevista à Agência Lusa durante o Congresso Internacional sobre o Ensino de Português nas Universidades da América do Norte, que vai até sábado, em Toronto, Ferreira afirmou que "o ensino do português no Canadá tem crescido nos últimos anos. Está de boa saúde e recomenda-se". "A expansão verificada deve-se, primeiro, ao interesse crescente de alunos em cursos em português, quer sejam de língua, literatura ou história", declarou o professor.

Prefeituras distribuem livros com erros em SP

Estadão - 13.01.2008 - Eduardo Reina - Uma dezena de prefeituras do Estado comprou, de três editoras de livros didáticos (Filosofart, Múltipla e Expoente), apostilas para o ensino fundamental com erros de toda natureza para distribuir a alunos da rede municipal. Embora o Ministério da Educação (MEC) ofereça material didático gratuito por meio do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), elas gastaram juntas R$ 91,1 milhões nos contratos, sob o argumento de que o material do governo federal é de baixa qualidade.

Prêmio Camões

O Prêmio Camões é o mais importante galardão literário de língua portuguesa, atribuído anualmente pela Fundação Biblioteca Nacional (de Portugal) e pelo Departamento Nacional do Livro (do Brasil) a um escritor que tenha desenvolvido um conjunto de obra relevante em língua portuguesa.


A lista de vencedores é a seguinte:

1989 - Miguel Torga (Portugal, 1907-1994)
1990 - João Cabral de Melo Neto (Brasil, 1920-1999)
1991 - José Craveirinha (Moçambique, 1922-2003)
1992 - Vergílio Ferreira (Portugal, 1916-1996)
1993 - Rachel de Queiroz (Brasil, 1910-2003)
1994 - Jorge Amado (Brasil, 1912-2001)
1995 - José Saramago (Portugal, 1922)
1996 - Eduardo Lourenço (Portugal, 1923)
1997 - "Pepetela" (Artur Carlos Mauricio Pestana dos Santos, Angola, 1941)
1998 - António Cândido (Brasil, 1918)
1999 - Sophia de Mello Breyner (Portugal, 1919-2004)
2000 - Autran Dourado (Brasil, 1926)

Procuram-se Mecenas

O Povo - 14.01.2008 - Até 22 de fevereiro, os produtores culturais cearenses podem inscrever seus projetos no I Edital Mecenas do Ceará, que prevê recursos de R$ 4 milhões e 536 mil, obtidos por meio de renúncia fiscal, ou seja, através de dedução mensal de até 2% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) oriundos da arrecadação de empresas do Ceará. A iniciativa regulamenta o procedimento de inscrição, avaliação e julgamento dos projetos culturais, cujos recursos serão captados pelo Mecenato Estadual, de acordo com o Sistema Estadual de Cultura (Siec), Lei n° 13.811, que é a nova lei estadual de incentivo à cultura, em vigor desde março de 2007.

Produções culturais também geram riqueza para o país

DCI - 04.12.2008 - Agência Brasil - Além de contribuírem para o desenvolvimento da identidade do Brasil e retratarem a cultura de um povo, as produções culturais são importantes também para a economia do país, podendo representar até 8% do Produto Interno Bruto (PIB). A análise é do presidente da Fundação Nacional das Artes (Funarte), Sérgio Mamberti. "Está na hora de pensarmos também na gestão cultural e nos darmos conta que cultura também é uma questão de economia. As produções culturais também geram riqueza para o país", disse Mamberti durante a abertura do seminário para discutir o Plano Nacional de Cultura, em São Paulo. O seminário, que começou na quarta-feira (3), é o último da série para debater as diretrizes do Plano, para, em 2009, apresentar um texto final ao Congresso Nacional.

Professor não tem nada a comemorar

Brasil Wiki - 14.10.2007 - Henrique Dantas - "Arbeit Macht Frei" - O Trabalho Liberta" Esta frase, escrita pelos nazistas no portão principal do campo de concentração de Auschwitz, saudava os milhares de judeus que lá entravam para a morte. O mesmo podemos dizer de uma frase que é sempre dita por professores aos seus alunos: “a educação liberta”. Sabemos que nos dois casos, é uma grande farsa. No caso judeu, os trabalhos forçados e as câmaras de gás os libertavam, sim, mas da vida. No caso do ensino público brasileiro estamos cansados de saber que a instituição está agonizando há tempos.

Profissionais da literatura de Manaus pedem mais incentivos

Portal Amazonia - 01.03.2008 - Cerca de 80 pessoas do setor de livros, incluindo membros da Câmara Amazonense do Livro e Leitura (CALL), entre eles livreiros, editoras e escritores, se reuniram com o vice-governador Omar Aziz, para pedir que o poder público incentive mais a leitura. A categoria apresentou o projeto de ação para a realização do I Salão Internacional do Livro da Amazônia. “Apesar do investimento do Estado na cultura, ainda falta uma política de fortalecimento da leitura”, disse o presidente da CALL, Renan Freitas Pinto. “O governo precisa estimular mais as editoras, dar mais incentivos fiscais e, assim, baratear mais os livros”, completou o escritor Elson Farias, membro da Academia Amazonense de Letras (AAL).

Programa de Democratização Cultural Votorantim

O Programa de Democratização Cultural Votorantim tem como objetivo apoiar ações e projetos que tornem a população participante da cultura, ampliando e qualificando o acesso, prioritariamente dos jovens, a experiências artísticas. O Programa possui três linhas de atuação, com processos e orçamentos independentes: Seleção Pública de Projetos, Desenvolvimento de Projetos Locais e Produção e Difusão de Conhecimento.

Projeto cria universidade luso-afro-brasileira

Agência Câmara - 10.09.2008 - A Câmara analisa o Projeto de Lei 3891/08, do Executivo, que cria a Universidade Federal da Integração Luso-Afro-Brasileira (Unilab). O objetivo da instituição será formar recursos humanos que possam desenvolver a integração entre o Brasil e os demais países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), especialmente os africanos. Além do Brasil, integram a CPLP: Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

Pseudotraduções / Saulo Krieger

Não posso dizer que o li com satisfação, pois se trata de um crime, que eu testemunhei e comuniquei, na época, a possíveis interessados, isto é, a partes lesadas, que não se prontificaram a tomar nenhuma providência. Agora, de algum modo me senti compensado ao deparar com a matéria de ontem, domingo, nesta Folha, apontando, denunciando, uma série de crimes contra direitos autorais de, como dizer, "pseudotraduções" lançadas às dezenas ou centenas pela Editora Martin Claret. 

Nos idos de 2000 ou 2001, ao oferecer meus serviços como profissional da tradução na referida editora, fui tomado de uma desconfiança ante seus procedimentos — livros sem autores (os tais “livros-clipping”) traduções sem tradutores ou um mesmo nome para uma gama inabarcável de títulos e gêneros. Aos poucos, foi-me revelado como todo o processo de falsificações funcionava: para meu espanto, veio a se confirmar que quase nenhuma tradução da Martin Claret era efetivamente realizada, nem mesmo seus direitos autorais adquiridos.

Publicidade é anterior ao Império Romano

Folha Online - É praticamente impossível determinar a origem exata da publicidade. De uma forma ou de outra, a propaganda existe desde que surgiu a primeira pessoa decidida a vender algo a outra. Em seus primórdios, as técnicas de convencimento eram utilizadas oralmente, por mercadores e vendedores ambulantes, para destacar as qualidades de seus produtos.

Numa etapa posterior, no Império Romano, há registros de anúncios de produtos e de espetáculos teatrais, feitos em tabuletas e expostos próximos aos fóruns. Com a invenção da imprensa por Gutenberg, no século 15, os meios de comunicação e a propaganda impressa passaram a tomar a forma pela qual se tornaram populares.

Reflexões sobre a sobrevivência empresarial - Por Henrique Fernandez

Ninguém abre uma empresa pensando em fechá-la após um breve funcionamento. O tempo, dinheiro e esforço investidos merecem um retorno satisfatório, e este só ocorre, em geral, havendo sucesso, após alguns anos de trabalho duro. Infelizmente, no entanto, muitos negócios não chegam a prosperar. Eles quebram antes disso. Quais serão as razões para isso ocorrer?

Em meus vinte e sete anos de atividade profissional, ocupando cargos técnicos e executivos em empresas do Grupo Bonfiglioli, Copersucar, SENAC e Zanthus entre outras, bem como a partir de minhas atividades posteriores como consultor, pude observar vários casos de sucesso e fracasso empresariais. Observei que apesar de muitas serem as situações que levam uma empresa a falir, a principal causa acaba sendo, quase sempre, o erro humano.

Região da leitura no cérebro é identificada

Globo.com - 25/09/2008 - É o lado esquerdo do cérebro que é ativado quando lemos, precisamente atrás da orelha. Descoberta abre novas possibilidades para a medicina. O Jornal Nacional começa com uma descoberta histórica. Pela primeira vez, cientistas conseguiram identificar a região do cérebro responsável pela leitura.

Um estudo que pode mudar o tratamento de lesões cerebrais e distúrbios de aprendizagem.

O que um romance é capaz de fazer com o leitor? “Você é um personagem, você está na ação, você vê aquele mundo”, afirma um homem. Aonde uma história escrita pode nos levar? “Ela transporta a gente sem a gente sair do lugar”, diz uma mulher.

O prazer de ler, todo mundo compreende. O que ninguém nunca soube explicar é de que forma isso acontece na cabeça da gente. Com a participação de pesquisadores brasileiros, a Ciência conseguiu, pela primeira vez, fazer o mapa da leitura no cérebro humano.

Registro Especial de Papel Imune

Quem está obrigado

Os fabricantes, os distribuidores, os importadores, as empresas jornalísticas ou editoras e as gráficas que realizarem operações com papel destinado à impressão de livros, jornais e periódicos estão obrigados à inscrição no registro especial instituído pelo art. 1º do Decreto-lei nº 1.593, de 21 de dezembro de 1977, não podendo promover o despacho aduaneiro, a aquisição, a utilização ou a comercialização do referido papel sem prévia satisfação dessa exigência.

Conforme determina a IN SRF nº 71, de 24 de agosto de 2001, republicada no DOU de 13.9.2001, e modificada pela IN SRF nº 101, de 21 de dezembro de 2001 - que passando a vigorar na data de sua publicação, surtiu efeitos a partir de 1º de janeiro de 2002 - a concessão dos registros especiais dar-se-á por estabelecimento do requerente, de acordo com as seguintes atividades desenvolvidas:

I - fabricante de papel (FP); / II - usuário - empresa jornalística ou editora que explore a indústria de livro, jornal ou periódicos (UP); / III - importador (IP); / IV - distribuidor (DP); e / V - gráfica - impressor de livros, jornais e periódicos, que recebe papel adquirido com imunidade tributária (GP).

Na hipótese da pessoa jurídica exercer mais de uma atividade listada acima será atribuído registro especial específico para cada atividade. Não goza de imunidade o papel destinado à impressão de livros, jornais ou periódicos, que contenham, exclusivamente, matéria de propaganda comercial.

Sobre livros, censura e identidade

Folha de S. Paulo - Marco Maciel - 07.06.2007 - A publicação de livros está ligada também ao fortalecimento da democracia, especialmente da liberdade de expressão. O SEMIÓLOGO italiano Umberto Eco afirmou certa feita que o livro, "depois de ser inventado, vai-nos acompanhar por muito tempo". Penso, entretanto, que essa companhia será para sempre, pois, assim como a televisão não fez desaparecer o rádio, nem o cinema impediu que o teatro continuasse a ser arte tão antiga quanto admirada, a cultura digital não eliminará o livro. À medida que se prestigia, nas últimas décadas, a educação -algo fundamental para elevar a condição de vida do nosso povo e promover o correto e justo processo de desenvolvimento do país-, abre-se espaço, ao lado da cultura digital, para a continuada difusão da cultura letrada e para o aparecimento de pensadores, filósofos, cientistas e poetas, indispensáveis para que brotem novos leitores e escritores.

TV LIVRO

O Grupo Scortecci e seus parceiros estão inaugurando a TV LIVRO. A proposta é postar e produzir vídeos na Internet sobre autores, livros, leitura e literatura. Uma equipe de estagiários da USP, Mackenzie (Jornalismo) e Cásper Líbero (Rádio e TV) está à frente do projeto sob a coordenação do portal AMIGOS DO LIVRO. "O grupo foi selecionado entre 152 candidatos", explica João Scortecci, idealizador do projeto, editor do portal e Diretor-Presidente do grupo.

TV LIVRO - UM ZOOM LITERÁRIO

A TV LIVRO já tem um slogan. O vencedor foi escolhido através de um concurso nacional com mais de 300 inscrições. Segundo os diretores da tv, João Scortecci e Maria Esther M. Perfetti o concurso foi um verdadeiro sucesso. "Teve até briga" declara Maria Esther, na hora da escolha da grande final. Inicialmente foram selecionados 10 (dez) slogan e em seguida, o vencedor Luiz Celso de Matos, de Curitiba (PR), com o slogan "TV Livro – um zoom literário". "O Luiz conseguiu captar a alma da TV: a junção da literatura com o formato audiovisual, buscando a inovação nesse universo tão amplo que é o literário" justifica Maria Esther. O vencedor vai receber de prêmio um aparelho de DVD e gravar um depoimento para a TV Livro.

Um grande vazio na herança cultural

O Estado de S. Paulo - 03.11.2007Ubiratan Brasil - Em seu livro, Stuart Kelly procura resgatar as obras que, se tivessem permanecido, teriam apontado para novos caminhos. Como seria a cultura mundial hoje caso a famosa Biblioteca de Alexandria, considerada o centro cultural do mundo às vésperas da Era Cristã, não tivesse sido destruída há cerca de 1.400 anos? E o que dizer dos clássicos gregos e romanos que não sobreviveram ao tempo? Finalmente, o que mudaria na literatura se fossem terminados os trabalhos eternamente embrionários que seus autores planejaram e desenvolveram, mas nunca chegaram ao ponto de escrever?

UM PLANO PARA AMAR OS LIVROS / Maria José Nogueira Pinto

Diário de Notícias - Vou viajar com o imaginário dos outros", assim definiu Bernard Babkine a sua ida para Deauville com uma mala cheia de livros. O que prova que, hoje em dia, é preciso ter férias para poder ler livros, o tempo normal devorado pelas novas formas e fórmulas de aquisição de conhecimentos, informação e convivência com as realidades e a imaginação.

Mas, apesar de todos os sons e imagens que cruzam o nosso olhar, perfuram o nosso cérebro e nos tornam uma espécie de conduta passiva por onde toda essa informação passa, acriticamente, efémera e breve, o gesto de pegar num livro, o toque do papel, o virar da página, a sujeição a um ritmo necessariamente lento, nesse encontro iniciático entre quem escreve e quem lê, esse cerimonial de apresentação aos personagens, esse esforço ansioso de configurar o espaço onde se movem, os sons de vozes que não ouvimos, os cheiros e cores que não sentimos nem vemos é, e será sempre, um exercício emocionante, singular e inaugural.

Uma secretária do barulho e o enigma cultural

O Estado de S.Paulo - 26.04.2008 - Jotabê Medeiros - Ela gere lei de incentivo e fundo cultural ao mesmo tempo, e pede maturidade na discussão do setor. Maria Eleonora Santa Rosa é um pequeno dínamo da cultura mineira. Ajudou a criar as leis municipal e estadual de cultura e o primeiro estudo sobre o PIB da cultura do País, quando trabalhava na Fundação João Pinheiro, nos anos 1990. Secretária de Estado da Cultura de MG desde 2006, ela gerencia mecanismos que têm dado grande resultado no estímulo à produção e circulação de bens culturais em seu estado, como a Lei Robin Hood.

Universidades aceitam dissertações e teses fora do formato convencional

O Estado de S. Paulo - 20/12/2008 - por Simone Iwasso - Desafiando a tradição de formatos e metodologias quase sagradas e abençoadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), universidades brasileiras têm aceitado dissertações de mestrado e teses de doutorado na forma de romances, ensaios autobiográficos, roteiros e textos experimentais que resvalam na ficção e na criação literária. A repercussão aparece em extremos: há os entusiastas da flexibilização e os que defendem como imprescindível a manutenção dos moldes acadêmicos tradicionais.

Use ou Perca: Por que a linguagem muda com o tempo

Scientific American Brasil - Duetto - 11.01.2008por Nikhil Swaminathan - As palavras mais usadas são as que apresentam menor probabilidade de evoluir. Dois novos estudos mostram que as palavras usadas com menor freqüência estão sujeitas a mudar mais rapidamente com o tempo. As palavras mais usadas na linguagem cotidiana são as que evoluem no ritmo mais lento, dizem dois novos estudos publicados na Nature.

Em um dos estudos, pesquisadores da Harvard University se concentraram na evolução das conjugações verbais da língua inglesa em um período de 1.200 anos. Em um estudo separado, uma equipe da University of Reading, na Inglaterra, analisou os cognatos (palavras com som semelhante em diferentes línguas para o mesmo objeto ou significado, como water, “água” em inglês, e a alemã wasser) para determinar como todas as línguas indo-européias progrediram a partir de uma ancestral comum que existiu entre 6 mil e 10 mil anos atrás.

Vale a pena escrever um livro

UOL - 04/08/2008 - Reinaldo Polito - Alguma vez passou pela sua cabeça escrever um livro? Se ainda não pensou nessa possibilidade, comece a arquitetar esse plano. É um projeto que vale a pena ser perseguido, independentemente do tema que você queira tratar e da atividade que desenvolva. Se tomar a decisão de ser um escritor, prepare-se para fazer bastante sacrifício e dedicar um bom tempo a esse trabalho. Saiba, entretanto, que será um investimento que dará muitos dividendos à sua vida. Se você deseja mesmo escrever um livro comece reservando algumas horas por semana para concretizar esse plano. Não faça como a maioria que diz ter vontade de escrever um livro, mas a única atitude que toma é postergar essa tarefa.

Vestígios do dia

O POVO - 05.01.2008 - Meize Lucas - De manuscritos raros a registros afetivos no correio eletrônico, a historiadora Meize Lucas fala sobre os vestígios que deixarão de existir no futuro próximo. Mês passado comprei, numa daquelas charmosas livrarias do Rio de Janeiro, um livro chamado A paixão pelos livros, reunindo textos que manifestam o prazer e os amores possíveis por esse objeto. A razão da compra foi, além do título, a bela capa com a foto de uma livraria bombardeada em Londres na Segunda Guerra Mundial, na qual se vêem elegantes senhores a ler. Na semana seguinte, em Recife, compro outro livro pela beleza da edição e pelo assunto, Suplemento Literário - que falta ele faz, de Elizabeth Lorenzotti. Trata-se de um estudo sobre o caderno lançado pelo jornal O Estado de São Paulo, em 1956. Nele encontramos a reprodução do projeto elaborado (e datilografado) por Antonio Cândido para o jornal. Livros que integram minha estante pelo gesto comum a quem gosta do objeto: o prazer de entrar em uma livraria, olhar, pegar e, principalmente, esquecer do tempo e da vida. Não sei se, correndo os olhos por algum site, esses livros estariam aqui ao meu lado. Na Internet, a gente busca o que quer. Não há lá muito espaço para o aleatório.

Viagem frustrada

Revista Consultor Jurídico - 26.02.2008 - Quem oferece brinde é responsável por ele, diz TJ-RS. Se a editora disponibiliza um brinde para o assinante da revista, passa a ser responsável não apenas pela qualidade e prestação do serviço como também pela oferta. O entendimento é da 9ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, que condenou a Editora Globo a pagar R$ 5 mil de danos morais a um assinante que não conseguiu a viagem de brinde que a editora prometeu a quem assinasse a revista Época. Mas não levou a viagem porque a Transbrasil, empresa responsável pelas passagens, teve a falência decretada. 

Volks lança campanha de arrecadação de livros

Diário de Taubaté - 11.09.2007 - As 190 concessionárias e as três fábricas da Volkswagen no Estado de São Paulo - São Bernardo do Campo, Taubaté e São Carlos - vão operar a partir de 10 de setembro até 19 de outubro também como grandes centros de arrecadação de livros. A Fundação Volkswagen acaba de lançar a "Campanha Volkswagen. São Paulo, um Estado de Leitores. Doe Livros", para ampliar o acervo das escolas públicas paulistas. Além de coletar, organizar e enviar os livros, a Fundação também vai doar ao Estado o mesmo volume de unidades que for arrecadado.

Walt Disney e a polêmica com o Zé Carioca

O Estado de S. Paulo - por Rodrigo Morais - Em busca da prova concreta do "Zé Carioca de J. Carlos", a pesquisadora Tetê Amarante voou até a sede da Disney, em Burbank, na Califórnia, em 2002. Mas o desenho que teria sido modelo para o personagem não foi localizado por Tetê, neta do escritor Herman Lima, autor do primeiro livro sobre J. Carlos e da famosa História da Caricatura no Brasil, editada em 1950. Mas o desenho que teria sido modelo para o personagem não foi localizado por Tetê, neta do escritor Herman Lima, autor do primeiro livro sobre J. Carlos e da famosa História da Caricatura no Brasil, editada em 1950.

"O desenho do J. Carlos é muito próximo do Zé Carioca definitivo. Mas não temos prova concreta para dizer que ele deu o desenho para o Walt Disney", disse.

Apesar de todas as evidências que apontam para J. Carlos, cuja família jamais reivindicou algo da Disney, há outras pessoas dispostas a isso. Marcos Sampaio Guimarães alega que foi seu avô, Félix Sampaio, o autor do personagem. Para provar o que diz, Guimarães reuniu material durante anos e elaborou um dossiê, em inglês, de 124 páginas: The parrot brief. Guimarães acredita que, mais de 60 anos depois do surgimento do papagaio, pode obter uma vitória sobre a Disney na Justiça americana.

Voltar Topo Indicar a um amigo Imprimir
 

AMIGOS DO LIVRO - O PORTAL DO LIVRO NO BRASIL
amigosdolivro@amigosdolivro.com.br

ANTES DE PEDIR OU SOLICITAR QUALQUER INFORMAÇÃO AO PORTAL
LEIA PRIMEIRO O "PERGUNTAS FREQUENTES"

 
Nipotech