Pesquisa identifica Machado de Assis em foto histórica

Folha de S. Paulo - 19/05/2015 - A Brasiliana Fotográfica divulgou ter descoberto um registro fotográfico inédito de Machado de Assis (1839-1908). O site de fotografias brasileiras do século 19 e do começo do 20 identificou a presença do escritor em uma imagem sobre o fim da escravidão.
Em 17 de maio de 1888, quatro dias depois da assinatura da Lei Áurea, uma missa campal foi celebrada em São Cristóvão, no Rio, em homenagem à abolição da escravatura.
Cerca de 30 mil pessoas estiveram presentes. A missa foi retratada pelo fotógrafo Antonio Luiz Ferreira. No canto esquerdo, está a princesa Isabel e seu marido, o conde D'Eu. Agora os pesquisadores da Brasiliana Fotográfica notaram a presença de Machado, próximo ao casal real. A fotografia da missa integra a coleção do IMS (Instituto Moreira Salles), instituição que, em parceria com a Biblioteca Nacional, abastece a Brasiliana Fotográfica.

Foto ampliada no LER MAIS.

Pesquisas apontam Machado de Assis como o autor brasileiro mais estudado

Folha S. Paulo - 03/07/2013 - Marco Rodrigo Almeida - O Itaú Cultural divulgou no fim da tarde desta quarta (dia 3), na Flip (Festa Literária Internacional de Paraty), novas pesquisas sobre o estudo da literatura brasileira, aqui e no exterior. A doutoranda da Universidade de Brasília (UnB) Laeticia Jensen Eble mapeou os escritores nacionais mais citados nos trabalhos de doutores em literatura brasileira no país. A pesquisa teve como base os currículos disponibilizados na plataforma Lattes, banco de dados mantido pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), de 2.176 pesquisadores.

Volta a Machado em 50 contos

Valor Econômico - 13/7/2007 - por Luíza Mendes Furia - A genialidade de Machado de Assis (1839-1908) está toda presente nesta antologia preparada pelo especialista em estudos brasileiros e tradutor John Gledson, professor aposentado da Universidade de Liverpool. Os melhores contos do autor de "Memórias Póstumas de Brás Cubas" e "Dom Casmurro" - e também os mais famosos - figuram no livro, entre eles "A Cartomante", "Missa do Galo", e em especial os publicados em "Papéis Avulsos" (1882), como "O Alienista", "Teoria do Medalhão" e "Na Arca", ao lado de outros, menos conhecidos, como "O Machete" (outro nome para cavaquinho). Segundo Gledson, Machado escreveu cerca de 200 contos.

Sobrado onde Machado de Assis viveu em 1874 será tombado

JB Online - Mariana Filgueiras - 19.07.2008 - Das lendas que cercam Machado de Assis, uma explica o epíteto Bruxo do Cosme Velho: de tanto queimar manuscritos rejeitados numa caldeirinha, os vizinhos, estranhando o hábito, começaram a chamá-lo dessa maneira. Pegou. Bruxo do Cosme Velho também era uma forma de fazer alusão a sua prestidigitação, arte de enganar leitores e críticos com a sofisticação do talento. E o Bruxo até hoje apronta das suas. O último feitiço póstumo de Machado foi enganar os próprios biógrafos. Ao contrário do que se lamentava, nem todas as moradas do escritor foram postas abaixo. O sobrado em que viveu com a mulher Carolina na Rua da Lapa, 96 – durante o ano de 1874, antes de mudar-se para o Cosme Velho – continua de pé. O imóvel acabou de ser incluído no Decreto Municipal do Corredor Cultural e será tombado como patrimônio histórico municipal.

Site para o escritor Machado de Assis

A Fundação Casa de Rui Barbosa lançou um site para o escritor Machado de Assis.

A pesquisadora Marta de Senna idealizou o site, que possui o objetivo de ser uma obra de referência para encontrar informações sobre alusões que o escritor faz a outros atores, Bíblia, mitologia entre outras.

Lançamento de livro, exposição e palestra no SESC Tijuca: centenário de morte de Machado de Assis

O autor de obras-primas como “Dom Casmurro”, “Memórias póstumas de Brás Cubas”, “Quincas Borba” e “Memorial de Aires” faleceu há 100 anos. E o centenário de morte de Machado de Assis, um dos maiores gênios da literatura nacional e fundador da Academia Brasileira de Letras (ABL), ganhou uma programação especial no SESC Tijuca, que inclui lançamento de livro, exposição e palestra. O evento “Nos tempos de Machado” acontecerá dias 27 e 28 de agosto, com atividades gratuitas para homenagear o jornalista, contista, cronista, romancista, poeta e teatrólogo Machado de Assis.

CURSO NO IMS-SP ANALISA A LITERATURA DE MACHADO DE ASSIS

O centro cultural do IMS (Rua Piauí, 844, 1º andar, Higienópolis, São Paulo, SP) promove entre os dias 1º e 5 de setembro de 2008 o ciclo de encontros Para ler Machado de Assis , com especialistas na obra machadiana. Dividido em 5 aulas, sempre das 20h às 22h (com exceção do dia 5, das 19h às 22h), o curso pode ser acompanhado integralmente pelos interessados ou a partir de aulas avulsas. As inscrições custam R$ 150 (o ciclo todo), R$ 50 (cada encontro) e já estão abertas. Estudantes têm 50% de desconto. 

COMEÇA O ANO MACHADO DE ASSIS

Folha Online - 27.01.2008 - Alexandre Moraes e Marcos Strecker - O centenário da morte de Machado de Assis deve ser marcado pela valorização de aspectos pouco explorados da sua obra, como a correspondência passiva e o conjunto de suas crônicas. Mas pesquisadores ainda apontam uma relutância da crítica em explorar toda a "variedade da obra" do fundador da Academia Brasileira de Letras, assim como indicam uma falta de renovação dos estudos machadianos.

ABL inaugura exposição de dedicatórias a Machado de Assis

ABL - Dia 31.08.2008, às 17h30, a Academia Brasileira de Letras inaugura "Machado Vive! - Dedicatórias". Sob o patrocínio da PETROBRAS, a mostra reúne 68 dedicatórias de romancistas e poetas ao escritor Machado de Assis. Inserida na exposição "Machado Vive!", as dedicatórias compõem o acervo bibliográfico da ABL e ficarão na Biblioteca Rodolfo Garcia.

Depois de passar por um processo de informatização, a Biblioteca Acadêmica Lúcio de Mendonça catalogou 147 obras com dedicatórias a Machado. Aquelas que não estão expostas ao público passam por processo de restauração e conservação.

Machado de Assis e o Museu da Imprensa

É motivo da mais alta honra para a Imprensa Nacional homenagear o escritor Joaquim Maria Machado de Assis, notabilíssimo tanto neste ofício quanto no de servidor público.

Cada vez mais admirado, em todas as latitudes, o romancista, poeta, contista, cronista e também teatrólogo elevou às alturas a criação literária, conseqüência de um pensamento e de um estilo marcados por uma profunda inquietude.

Machado de Assis
expõe em milhares de páginas um desencantado conhecimento da vida, uma perplexidade ante o destino do homem, bem como examina, com bisturi psicológico, a significação da presença deste mesmo homem no mundo.

O escritor carioca foi funcionário público exemplar durante 40 anos. Entre 1856 e 1858, trabalhou na Imprensa Nacional como aprendiz de tipógrafo, sua primeira atividade profissional. Isso com 17 anos. Ele voltaria à Casa em 8 de abril de 1867, quando foi nomeado ajudante do diretor do "Diário Oficial", tendo exercido o cargo até 6 de janeiro de 1874, sempre com extremado zelo.

Centenário da Morte de Machado de Assis

Durante todo este ano será comemorado o centenário da morte do escritor considerado o maior expoente da literatura nacional, Machado de Assis. Decretado e assinado oficialmente pelo presidente Luís Inácio Lula da Silva e pelo ministro da cultura Gilberto Gil, o ano de 2008 será marcado como o Ano Nacional Machado de Assis.

Joaquim Maria de Machado de Assis era jornalista, romancista, teatrólogo, cronista, contista e poeta. Nascido em 1839, no Rio de Janeiro, filho de um operário e uma dona de casa. Foi criado no morro do Livramento (RJ). Perdeu a mãe muito cedo e não tendo condições de estudar regularmente, foi um autodidata. Com 15 anos publicou sua primeira obra literária, o soneto “Á Ilma.Sra. D.P.J.A”, no Periódico dos Pobres, em 3 de outubro de 1854.

Machado de Assis é tema de recital no Centro Cultural São Paulo

Folha Online - 10/09/2008 - O escritor carioca Machado de Assis (1839-1908), cuja morte completa cem anos no dia 29 de setembro de 2008, será homenageado neste domingo (14.09), às 11h30, no Centro Cultural São Paulo (r. Vergueiro, 1.000, Paraíso, São Paulo; tel. 11/3383-3402, com o recital "O Mundo Musical de Machado de Assis". Serão tocadas músicas da época em que o escritor viveu, com interpretação da mezzo-soprano Anna Maria Kieffer, do tenor Alessandro Greccho e do pianista Leonardo Fernandes. O programa traz canções que representam diferentes correntes estéticas do século 19, e trechos de obras de escritores contemporâneos a Machado de Assis. A entrada é gratuita e os ingressos para os 324 lugares da sala Jardel Filho podem ser retirados a partir das 10h30.

A eternidade de Machado

O Povo - Pedro Rocha - Amanhã, completam-se 100 anos da morte do escritor Joaquim Maria Machado de Assis. Autor de obras-primas da literatura brasileira, considerado o mais importante narrador da segunda metade do século XIX, Machado de Assis morreu consagrado e seus escritos inquietam até hoje. 

Estamos em plena comemoração do centenário de morte de Machado de Assis, um tal escritor carioca que faleceu no dia 29 de setembro de 1908, aos 69 anos, tateando melancólico a vida, padecendo doente e triste depois da morte de sua esposa Carolina quatro anos antes. A consagração que experimentou ainda em vida parece reverberar com maior intensidade hoje e ganha na efeméride um dos pontos altos da demonstração de orgulho que principalmente os letrados do País devotam ao autor, apontado por muitos como o maior escritor da literatura brasileira.

Voltar Topo Indicar a um amigo Imprimir
 

AMIGOS DO LIVRO - O PORTAL DO LIVRO NO BRASIL

FALE CONOSCO

 
Nipotech