Dicionários recorrem a incentivos para atualizações

Folha de S.Paulo - 05/02/2008 - MARIANA BOTTA

Diferentemente de outros países, como França e Inglaterra, que lançam todos os anos edições atualizadas de seus dicionários, no Brasil o mercado lexicográfico anda a passos lentos. A chegada ao mercado de edições com o acréscimo de novas palavras pode demorar quase dez anos.

A última edição do "Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa" (Objetiva) é de 2001 e teve uma reimpressão atualizada em 2004, mesmo ano em que saiu o "Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa" (Positivo).

Já o "Dicionário Michaelis da Língua Portuguesa" teve a última edição publicada em 2006.

A última reedição impressa do "Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa Caldas Aulete" é de 1987.

"O ideal seria fazer uma atualização a cada cinco anos, pois a língua se transforma, e as palavras perdem ou mudam de sentido enquanto outras são criadas. Um dicionário tem mais de 60 milhões de caracteres, e o ganho com as vendas não cobre os custos", diz Mauro Villar, diretor do Instituto Houaiss e co-autor do dicionário "Houaiss".

Para tentar resolver o problema da atualização, o instituto recorreu à Lei Rouanet e teve aprovada a captação de até R$ 732.433, segundo o Ministério da Cultura. "Falta resolvermos algumas questões burocráticas. Trabalhamos na segunda edição desde que a primeira foi publicada; é um processo longo e lento, mas creio que será possível lançar em 2009", completa.

Quem também recorreu à lei de incentivo à cultura é a editora Lexikon, que em 2004 comprou os direitos do dicionário Caldas Aulete e obteve autorização de captação de recursos de cerca de R$ 750 mil, porém com proposta diferente da do Instituto Houaiss. "A idéia de fazermos um dicionário on-line está relacionada ao fato de se tratar de uma obra aberta e viva, que necessita de constante atualização. O projeto também corresponde à nossa intenção de inclusão social, pois os grandes dicionários impressos são apenas para uma elite", afirma o editor Paulo Geiger.

No ar desde agosto de 2007, a versão on-line do Caldas Aulete pode ser baixada gratuitamente e conta com 280 mil palavras. "O que mais nos anima é que já tivemos mais de 400 mil downloads desde 15 de agosto. Até dezembro, registramos uma média de quase 100 mil downloads por mês. Esperamos chegar a 1 milhão de usuários até o final deste ano."

Ler Mais: Folha de S.Paulo

 
 
Voltar Topo Indicar a um amigo Imprimir
 

AMIGOS DO LIVRO - O PORTAL DO LIVRO NO BRASIL

FALE CONOSCO

 
Nipotech