CRENÇAS DE MATRIZ AFRICANA / Dias de Cordel

Eu sou adepto de Umbanda, Sem nenhuma ostentação, Conforme o bom senso manda, Vou cumprir minha missão, Peço que Ogum me proteja, Me encoraje pra que eu seja Paladino, em minha ação.










Quem dispõe da vida

Não se tem nada na vida
Nem a vida a gente tem,
De algum modo, garantida
Visto que o mundo do Além
Se predispõe a agourar
O tempo que a morte achar
Qual época que lhe convém.

E aí entramos na história
Do cachorro... atrás do rabo
Só que nessa trajetória
Quem agoura é o passado
Com tudo que é artimanha
Porém a morte é quem ganha
Estragando, o nosso lado.

Tudo o que se faz ou fez
Não adiantou mesmo nada
Seja dessa ou de outra vez
Se a batalha for travada
Ninguém se ampara na sorte
Visto que a maldita morte,
Sem dúvida, ganha a parada...

Distorci a vida

Eu não vivi plenamente
A vida que Deus me deu
Talvez porque certamente
A vida não me entendeu
Ou não entendi a vida
E tive em contrapartida
O mal, que prevaleceu.

Lembro quando era criança
O deboche era o meu guia
Me tirando a confiança
Que sem dúvida eu merecia
E a Lei da Compensação
Se interpôs em minha ação
Do jeito que eu não queria.

Jamais consigo esquecer
O que não quero lembrar
E o tempo pagou pra ver
Tudo o que eu quis evitar
Da maldição arraigada
Que maltrata, endemoniado,
Sem que eu possa descansar.

Incógnita

Pra que foi que eu vim aqui
Sem script e sem programa?
Por onde eu passei, senti
Que todo mundo reclama
Do tempo e mais do que tudo
Daquilo que é, sobretudo,
Mais importante que a fama.

Não preciso nem falar
Sei que alguém sabe o que é
O arrogante quer mandar
Discriminando a mulher
Pois se acha dono de tudo
Sem saber que o conteúdo
Inexiste onde ele quer...

Quando eu vim ninguém falou
Qual endereço agendar
Não sei se alguém encontrou
Mas antes quero indagar:
O que eu vim fazer na Terra
E essa vida, o que ela encerra,
Quem se habilita a informar?

Dias, ofuscado

No mundo, há Dias sozinho
Sem Dias para entender
Dias sem pai, sem vizinho
Só querendo uns Dias ter
Mais Dias tendo harmonia
Que um Dias precisaria
Pra mais uns Dias viver.

Dias que no tempo passa
Sem Dias para antever
Que um Dias sofre ameaça
Com Dias de entristecer
E esse Dias ‘sinucado’
Em seus Dias, ofuscado,
Não tem Dias de prazer.

Dias que está para menos
Em vez de uns Dias a mais
Visto que há Dias pequenos
E outros Dias desiguais
Mas com Dias que hão de ter
Mais Dias pra se entender
Que os Dias são imortais.

Serviço:

Crenças de Matriz Africana
Dias de Cordel
Scortecci Editora
Poesia
ISBN 978-85-366-5075-3
Formato 14 x 21 cm
64 páginas
1ª edição - 2017
R$ 20,00